3 de setembro de 2021

Como escolher a muda de café perfeita?

A resiliência é sim uma das qualidades mais exigidas dos cafeicultores e das cafeicultoras. Com a geada – lá vem ela de novo -, mais uma vez os produtores vão precisar respirar fundo e reiniciar do zero algumas de suas lavouras. Para tomar tal decisão, a recomendação é contar com uma avaliação técnica cautelosa. Mas, se não houver solução, e o replantio for necessário, a dica é: escolher bem as mudas de café. 

Mas como saber se aquela muda está saudável? Quais são os sinais de que a muda é produtiva e terá boa maturação? Como escolher o viveiro? Para saber esses e outros detalhes de como escolher uma muda de café, o PDG Brasil conversou com dois especialistas de viveiros exclusivos de café. Leia para saber o que eles disseram. 

Você também pode gostar de ler Da semente à xícara. Como os produtores cultivam café?

sementes de café

Qual é a importância da muda de café?

André Luis da Cunha, é sócio-diretor das empresas Fazenda Bela Época e Bela Época Sementes e Mudas de Café, em Ribeirão Corrente (SP), na região da Mogiana. O viveiro se dedica há 50 anos a esse mercado e chega a comercializar uma média de 15 a 20 toneladas de sementes por ano (incluindo para outros viveiros) e uma média de 3 a 4 milhões de mudas.

Ele conta que, diferentemente do que muitos pensam, a muda não é o começo de tudo. “A base de uma boa lavoura de café não é a muda propriamente dita, mas sim a semente que aquela muda carrega. Não adianta a muda ser boa, ter uma boa raiz e um bom enfolhamento, se não tiver uma carga genética boa, que garanta produtividade, sanidade e maturação”, explica. 

“Por isso contamos com uma produção própria de sementes e muita pesquisa em relação às variedades e ao aperfeiçoamento genético.”

Segundo o “Guia do Viveirista das Mudas de Café”, produzido pelo Idaron (Agência de Defesa Sanitária Agrosilvopastoril do Estado de Rondônia), as mudas estão entre os principais meios de disseminação de pragas e doenças para as lavouras. “Ainda que apresentem boa aparência exterior, podem estar contaminadas, podendo os problemas decorrentes dessa condição se manifestar no futuro, comprometendo todo o investimento do agricultor”, alerta o material.

Os nematoides são considerados o principal problema sanitário das mudas de café. São vermes microscópicos, pragas invisíveis que destroem o sistema radicular, fazendo com que as raízes não consigam mais absorver água e nutrientes. A presença dessa praga pode ocasionar uma perda de até 25% de produtividade. 

André destaca que não são só os nematóides que devem preocupar. “As mudas podem carregar também outras doenças, como cercosporiose e rizoctoniose. O pessoal deve se atentar. É muito sério.”

sementes de café

Como escolher o viveiro?

Só apreciadores de café compram uma muda única, ou duas, ou três para plantar no quintal. Para fazer o replantio de uma lavoura ou parte dela são necessárias centenas, muitas vezes milhares de mudas, dependendo da extensão do cafezal e do adensamento dos cafeeiros. Em sistemas semi-adensados, por exemplo, são necessárias de 5.000 a 8.000 mudas/hectare.

Se a saúde da sua lavoura depende em parte das mudas que serão plantadas, é crucial escolher bem quem fornecerá os “bebês” do sítio ou da fazenda.

Uma das dicas para selecionar o viveiro é preferir locais que sejam registrados no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) e na instituição responsável de cada estado. Além disso, é obrigatório que esses locais contem com a presença de um técnico responsável e que trabalhem com mudas fiscalizadas.  

Outra dica é optar por viveiros que trabalhem em parceria com universidades, pois costumam promover estudos e, por conta disso, apresentar maior número de variedades. Um exemplo é o Bela Época, que conta com campos de melhoramento genético em parceria com o IAC (Instituto Agronômico de Campinas) e outras universidades. 

Vale questionar também se a empresa trabalha com mudas cultivadas em saquinho ou tubete. Siga lendo para descobrir o porquê.   

carregando mudas

Saquinho ou tubete? Qual é o melhor? 

Atualmente, muitos viveiristas estão optando pelo trabalho com mudas em tubete. Por que isso? 

O Viveiro Ouro Verde, em Timburi (SP), na fronteira com o Paraná, é especializado na formação de mudas de pés de café e chega a comercializar quase dois milhões de mudas por ano. “Trabalhamos com mudas em tubete, utilizando substrato e fertilizantes de liberação lenta, em vez de terra e esterco”, explica Claiton Corcovia, sócio-proprietário da empresa. “É muito melhor para controle sanitário”, diz. 

As mudas de saquinho, além de utilizar plástico que será descartado – o que não é nada sustentável -, são cultivadas com terra, em geral no solo, podendo sofrer contaminação de pragas e doenças. 

Já as bandejas de tubetes são feitas com pequenos cones de plástico duro perfurados, com um furo na base, que são retornáveis, higienizadas após cada uso. Seus furos e formato contribuem para uma formação mais eficiente de raízes fazendo com que o torrão saia mais firme e coeso, facilitando o plantio. Além disso, as bandejas são cultivadas com distanciamento do solo, de forma que ficam menos sujeitas à contaminação. 

Há cerca de 20 anos, a Bela Época migrou do sistema convencional de formação de mudas, com terra, esterco e saquinho, para bandejas de tubetes retornáveis. “Usamos substrato, que pode ser uma fibra de coco ou uma turfa, por exemplo. E adicionamos adubos de liberação lenta. E não voltamos mais ao método antigo. Tínhamos muita preocupação em atender o mercado de forma segura.”

“O tubete é um sistema bem moderno, que facilita o plantio, o transporte e o manuseio, além de proporcionar uma uniformidade grande das mudas. Um resultado muito bom. Quem acha isso também são nossos clientes: em todo o Brasil, na América Central e até na África”, conta. 

cafezal com mudas

Corrida pelas mudas?

As mudas de café levam de seis a sete meses para serem produzidas a partir das sementes. Por conta desse longo período de produção, muitos viveiros só trabalham sob encomenda, ou seja, não contam com mudas e sementes extras. 

É o caso do Viveiro Bela Época. “Antecipamos todos os contratos. O nosso viveiro já está praticamente todo comercializado”, conta André. Ele acredita que pode ser que faltem mudas no mercado sim. “A procura deve ser muito grande, principalmente para o replantio nas áreas que sofreram com a geada. Muitas delas são grandes”, conta. “Outra questão é que muitos viveiros também tiveram perdas consideráveis. Muitas mudas queimaram com a geada”, explica. 

Claiton, do Viveiro Ouro Verde, já percebe um crescimento nas vendas de cerca de 10%. “Para o próximo ano, a tendência é de aumento, mas os produtores ainda estão esperando a resposta da lavoura”, diz. “Estão avaliando se haverá a necessidade de poda ou erradicação.”

Com a elevação da demanda, os valores das mudas também devem subir. Atualmente, se encontram mudas cultivadas em saquinhos e terra a R$ 0,60 e em tubete, a R$ 1,20, mesmo preço praticado antes da geada, segundo os viveiristas entrevistados. 

muda de café

Checklist para avaliar a qualidade de uma muda

Cada muda de café precisa atender a padrões técnicos e normativos, definidos pelo órgão de fiscalização local e federal. Mas vale destacar alguns pontos aos quais você deve ficar atento ou atenta: 

  • Serem produzidas em viveiros registrados; 
  • Apresentar de 3 a 6 pares de folhas definitivas, apresentando desenvolvimento normal; 
  • Aclimatação bem feita. Terem sido aclimatadas por um período de pelo menos 30 dias; 
  • Estarem livres de pragas e doenças, como: cercosporiose, rizoctoniose e nematoide; 
  • Apresentarem, no máximo, 5% de “pião torto”; 
  • Caule e folhas grossas;
  • Apresentar análise de nematoides;
  • Bom enraizamento.

Vem chegando um período em que muitos produtores e muitas produtoras, que não possuem berçários em suas propriedades, precisarão adquirir mudas. Com as geadas, essa procura deve se intensificar, inclusive com aumento de preços. 

Para não ter prejuízos, é essencial avaliar bem onde adquirir as mudas. Os viveiros certificados costumam ser fiscalizados e, por conta disso, costumam ser mais seguros. É aconselhável também preferir mudas formadas com métodos que garantam um maior controle sanitário, como os tubetes. 

Certifique-se de comprar mudas de boa qualidade, que isso será um bom começo (ou recomeço) para uma lavoura saudável e excelentes cafés no futuro. 

Créditos: Bela Época Mudas e Sementes e Viveiro Ouro Verde

PDG Brasil

Quer ler mais artigos como este?  Assine a nossa newsletter!