21 de setembro de 2022

5 sinais da florada no cafezal que traduzem a saúde e a produtividade dos cafeeiros

Compartilhar:

Quando a florada de um cafezal se aproxima é sinal do início do ciclo que antecede a produção de frutos do café. Entretanto, mais do que ser a época do desabrochar das flores com aroma de jasmim, a floração também traz indicadores valiosos quanto à qualidade do terroir do cafezal e da produtividade da safra vindoura.

Graças ao aumento das temperaturas, secas imprevisíveis e padrões de chuva erráticos, a temporada das floradas tem sido estressante no meio cafeeiro. 

Os pesquisadores da comunidade de ciência agronômica com foco em café têm investido muito trabalho e pesquisas para auxiliar os cafeicultores a contornarem condições fortuitas, e assim garantirem o sucesso das colheitas no Brasil.

O PDG Brasil buscou dicas dos especialistas sobre como entender indicadores apresentados pelas floradas e o melhor caminho para lidar com eles. Siga lendo para saber o que disseram. 

Você também pode gostar de ler Florada antecipada: por que acontece e os desafios que traz

cafeeiros florada

A importância da florada no cafezal

A florada é uma das fases mais importantes para a definição da produtividade do cafeeiro. Teoricamente, quanto maior for a florada, maior será a produtividade de grãos. “Entretanto, como as plantas permanecem expostas a diversos eventos que são próprios da natureza,  sempre haverá algum impedimento para o aproveitamento total das floradas”, explica Gerson Giomo, pesquisador e cientista do IAC (Instituto Agronômico de Campinas) e coordenador do núcleo de cafés especiais.

“É por isso que o cafeicultor tenta, à sua maneira, minimizar essas perdas, com uso de recursos como irrigação, tratamentos fitossanitários e etc.”, completa Gerson.

Em média, os cafeeiros começam a florescer de três a quatro anos após o plantio, e a fase de floração pode durar até quatro meses. “É normal a ocorrência de várias floradas durante o ciclo reprodutivo do cafeeiro, entre setembro e dezembro. Geralmente ocorre uma ou duas grandes floradas, e outras menores. Contudo, quanto menos floradas houver, maior será a uniformidade de maturação, contribuindo, consequentemente, para uma melhor qualidade do café”, diz Gerson.

O ciclo da fenologia do cafeeiro corresponde às etapas vegetativas e reprodutivas (de frutificação) das atividades das plantas de café no período de aproximadamente dois anos quanto ao cafeeiro arábica. São seis as fases fenológicas. 

flores do café

Fases fenológicas do cafeeiro

  • 1ª – Vegetação e formação de gemas foliares
  • 2ª – Indução e maturação das gemas florais
  • 3ª – Florada
  • 4ª – Granação dos frutos
  • 5ª – Maturação dos frutos
  • 6ª – Repouso e senescência dos ramos terciários e quaternários. 

No Brasil, as flores florescem na primavera, a frutificação ocorre no verão, a maturação no outono e a colheita no inverno.

O fluxo fenológico do cafeeiro é diferente de outras plantas frutíferas, pois emitem inflorescências na primavera, e frutos em um ciclo mais curto. Na maior parte das regiões cafeeiras do Brasil, as floradas (3ª fase) ocorrem em setembro, e a colheita de maio a julho.

Cada botão floral pode desenvolver até quatro flores, que crescem em cachos ao longo do eixo (caule) das folhas. As flores do cafeeiro exalam uma fragrância semelhante à do jasmim. 

Há diferenças entre o processo de floração de c.arábica e c.canephora (robustas e conilons). As plantas de arábica produzem flores hermafroditas, ou seja, capazes de autopolinização, o que as torna autocompatíveis. Quando da abertura das flores, a planta já está em tese polinizada. Entretanto, não é regra que aconteça a auto fertilização, pois quanto mais selvagem for o terroir, com cafezais sombreados e presença de outras vegetações, maior a probabilidade de ocorrer a polinização cruzada catalisada por insetos polinizadores e fatores climáticos.

Já as plantas canéforas se reproduzem exclusivamente por meio da polinização cruzada, desenvolvem flores maiores e em maior quantidade (cerca de oito a 20 por eixo, em comparação com duas a 12 para arábica). 

flores cafezal

A importância da chuva

Para que as flores cresçam, antes de qualquer outra coisa, as plantas precisam de chuva. Algumas semanas após a primeira chuva da estação, os botões começam a florescer. 

Nesta fase do ciclo fenológico é comum que os trabalhadores do cafezal deixem as plantas “descansarem”, com manipulação mínima, “pois a floração é um processo muito delicado e as plantas devem permanecer intactas para um crescimento ideal”, explica Sérgio Parreiras Pereira, pesquisador científico e doutor em agronomia pelo IAC. 

Cerca de quatro semanas após o surgimento dos botões, a fragrância das flores atinge seu ponto mais forte no “pico” da estação de floração. As lindas flores do café, infelizmente, só duram cerca de três dias – o que contribui para a sensação de privilégio quando se caminha em um cafezal durante este período. As pétalas no chão da plantação ‘anunciam’ que as cerejas estão começando a se desenvolver. 

Saem as flores, e forma-se o botão conhecido como “carpelo”, que se transformará em uma cereja nos próximos meses. Sérgio diz que os carpelos se expandem até atingirem o tamanho máximo, e a partir daí o fruto começa a amadurecer.

O fruto do café é produzido no novo tecido que se forma nos carpelos, de modo que as flores até podem ser colhidas sem afetar o crescimento do fruto. 

florada café

5 pontos para entender como está sendo a florada do seu cafezal

1- Florada antecipada 

Em 2022 a florada se deu antecipadamente e volume superior ao esperado em diversas regiões cafeeiras do Brasil, cuja época correta seria em torno de setembro, conta Gerson. A razão foram as chuvas intensas que ocorreram antes do previsto.

“Nessa situação certamente haverá baixo pegamento das flores, constituindo um desperdício energético para as plantas, pois as plantas ainda não se recuperaram completamente dos danos ocorridos tanto na colheita quanto pela deficiência hídrica, no caso das lavouras não irrigadas”, explica Gerson.

2 – Baixo índice de frutos

“O bom pegamento da florada depende muito das condições vegetativa, sanitária e nutricional das plantas, ou seja, plantas bem nutridas e vigorosas (bem enfolhadas e sadias) tendem a ter melhor pegamento das flores e, consequentemente, maior produtividade”, explica Gerson. “Também é extremamente importante a disponibilidade hídrica no solo, pois se faltar água muitas flores não conseguirão produzir frutos”, completa.

Os fatores mais importantes para que ocorra uma floração uniforme, e portanto, gere o volume esperado de frutos, são o volume de chuvas e temperaturas amenas, com fluxo consistente e previsível. 

“No Brasil, assim como nos outros países produtores de café, a chegada das chuvas está cada vez mais imprevisível devido às mudanças climáticas, o que encarece o planejamento organizacional da colheita”, explica José Donizeti Alves, professor de engenharia agronômica e fisiologia vegetal e molecular do café na UFLA (Universidade Federal de Lavras)

florada café

3 – Perda excessiva de folhas

Segundo Gerson, o baixo vigor vegetativo e a excessiva perda de folhas são devidos a um grande estresse hídrico. Temperaturas menores do que 18°C decorrentes das chuvas de inverno, associadas a ventanias frequentes, acarretam em baixa diferenciação floral e níveis de produtividade, além da queima das folhas. A desfolha provoca estresse intenso nas plantas, o que pode suceder tanto por chuvas quanto adubações nitrogenadas em excesso, o que pode induzir a formação de ramos laterais no lugar de flores. 

Plantas jovens e com estresse hídrico também causa desfolha, e provocam dormencia nas gemas 

flores cafezal

4 – Floração irregular

Chuvas irregulares causam padrões de floração irregulares, com flores da mesma árvore – ou até mesmo galhos, passando pela polinização em momentos diferentes, resultando em diferentes níveis de amadurecimento.

Os cafezais precisam estar inseridos em climas com índices amenos de temperatura, entre 19 e 24°C para iniciar o processo de floração, independentemente da altitude e terroir, o que depende do acesso das plantas à água. A chuva natural também permite que as raízes da planta absorvam nutrientes e minerais do solo.

Uma floração não-uniforme na mesma planta gera custos em mão-de-obra e tempo, além de prejuízos financeiros. “Se no mesmo pé de café houver frutos saudáveis misturados com verdes e danificados, a colheita deverá ocorrer mais de uma vez, além de forçar a colheita manual”, diz Sérgio.

5 . Fungos e doenças

É importante que os produtores acompanhem a saúde das plantas quando as chuvas ocorrem antes do esperado, para evitar a proliferação de certas doenças do cafezal, como a ferrugem do café. 

“A ocorrência de algumas doenças durante a florada pode reduzir o pegamento ou aumentar o abortamento de flores e causar queda de frutos pequenos, reduzindo o potencial produtivo das plantas”, explica Gerson.

José explica que fungicidas podem ser usados ​​como prevenção nesse caso, e quanto mais baixa a temperatura da planta, menor a incidência de doenças. A seca e o calor são fatores que incitam doenças oportunistas.

Para garantir que as plantas de café sejam adequadamente regadas e nutridas durante toda a temporada de colheita, independentemente da consistência das chuvas, e assim manter a temperatura ideal para a planta, muitos agricultores optaram por usar a irrigação.

Estudos divulgados pelo Embrapa mostram que cafeeiros submetidos a estresse hídrico controlado (até dois meses) não só floresceram no momento esperado como desenvolveram frutos de forma uniforme, com plantas em melhores condições para a próxima safra. O índice de produtividade das fazendas que fizeram parte da pesquisa subiu até 15%, segundo a instituição.

flores cafezal

Para garantir uma fase de floração uniforme e alta produtividade dos frutos como consequência, é necessário monitorar rigorosamente o cafezal. 

Entre as estratégias recomendadas estão o controle meteorológico e de macro e micro nutrição, controle de pragas, doenças e plantas daninhas e o uso de biorreguladores.

Mesmo com chuvas imprevisíveis e variações extremas de temperatura, é possível contornar tais adversidades com o apoio da ciência.

Créditos: Pixabay; Embrapa Café. 

 PDG Brasil

Quer ler mais artigos como este? Assine a nossa newsletter! 

Compartilhar: