17 de setembro de 2021

O que é café com carbono negativo?

ESPECIAL CARBONO E REGENERAÇÃO PDG BRASIL*

Rastreabilidade e sustentabilidade são dois termos que costumamos usar quando falamos sobre como o café é cultivado e obtido. Mais do que nunca, as pessoas querem saber mais sobre a origem de seu café, e os hábitos de compra dos consumidores com consciência ambiental não param de crescer.

Com isso em mente, as empresas de café agora estão tentando discutir seus esforços para combater as mudanças climáticas. Em todo o mundo, produtores, comerciantes e compradores estão procurando maneiras de minimizar o seu rastro de carbono.

Mas, embora se tornar neutro em carbono tenha se tornado uma prioridade da indústria nos últimos anos, há alguns interessados em toda a indústria que vão além – tornando-se “carbono-negativo”.

Para saber mais sobre o café carbono negativo, conversamos com Isabela Pascoal Becker, Diretora de Sustentabilidade da Daterra, e Priscilla Daniel e Henry Clifford, dois traders sêniores de café da DRWakefield. Continue a ler para descobrir o que eles disseram.

Você também pode gostar do nosso artigo sobre como as mudanças climáticas afetam a produção de café.

daterra coffees

Desvendando a terminologia

Sempre que falamos sobre o impacto ambiental de uma empresa, é fácil se perder nos jargões. Para começar, vamos analisar alguns termos-chave que as marcas usam ao falar sobre suas emissões de carbono.

Vamos começar com o conceito de rastro de carbono. Em termos básicos, é a quantidade líquida de dióxido de carbono que uma empresa é responsável por liberar na atmosfera.

No entanto, isso não é calculado apenas a partir da quantidade de combustível que uma empresa usa. Também leva em consideração o “custo do carbono” de tudo, desde o uso de combustível fóssil e limpeza de terras até transporte, descarte de resíduos e até mesmo consumo de alimentos.

O rastro de carbono de uma empresa é geralmente medido em toneladas de CO2 equivalente, ou CO2eq. Em muitos casos, é difícil calcular o rastro de carbono “real”, pois há muitos pontos de dados. 

Quando o rastro de carbono de uma empresa chega a zero (muitas vezes referida como “zero líquido”), a marca é considerada neutra em carbono.

Mas chegar a zero líquido não é tão fácil quanto pode parecer. Para muitas empresas, o uso de energia ou combustível é parte integrante das operações do dia-a-dia. A simples eliminação das emissões em geral não é viável. Embora as marcas muitas vezes possam minimizar sua pegada de carbono e operar de forma mais sustentável, tornar-se neutro em carbono é uma tarefa muito maior.

Em resposta, algumas empresas agora começaram a ajudar outras empresas a “equilibrar” suas emissões. Eles operam esquemas ambientais em todo o mundo (reflorestamento, energia verde ou regeneração de óleo, por exemplo). 

As empresas que buscam reduzir o seu rastro de carbono podem comprar “créditos de carbono” dessas empresas. Dessa forma, eles financiam um projeto de sustentabilidade em outro lugar e, consequentemente, equilibram o seu rastro indiretamente.

Comprar créditos de carbono é apenas uma das maneiras pelas quais as empresas podem reduzir o seu rastro de carbono. No entanto, se continuarem a absorver ou eliminar as emissões de carbono a ponto de removerem mais CO2 do que geram, serão consideradas carbono-negativas.

café com carbono negativo

E quanto às fazendas de café?

Nas fazendas de café, os produtores têm outra opção. Este é o sequestro de carbono: o processo de absorção natural do dióxido de carbono que existe na atmosfera.

Isso ocorre por meio de vários processos naturais, mas talvez o mais conhecido seja a fotossíntese. As plantas usam dióxido de carbono e água para gerar energia química para o crescimento e liberar oxigênio como subproduto – removendo efetivamente o CO2 da atmosfera.

A fotossíntese ocorre naturalmente no cafeeiro. No entanto, a quantidade de energia usada durante a produção (para plantar, fertilizar, colher, processar e assim por diante) significa que a fotossíntese de cada planta costuma ser insuficiente para equilibrar as emissões geradas por seu cultivo.

É por isso que algumas fazendas adotam métodos de agricultura sustentável, como a agrossilvicultura. O cultivo de suas plantas de café entre outras árvores (como árvores frutíferas ou sombreadas) permite que os agricultores “equilibrem” as emissões que o cultivo do café gera.

Isabela me conta sobre a fazenda da Daterra, que fica em Patrocínio, em Minas Gerais. Ela diz: “Na Daterra, produzimos cerca de 90.000 sacas de 60 kg de café todos os anos”. 

“Temos cerca de 6.800 hectares de terras agrícolas, mas apenas metade é dedicada à produção; a outra metade é para conservação. Para apoiar a produção de café com carbono negativo, nossa área de conservação armazena aproximadamente 1,2 milhão de toneladas de CO2.”

No entanto, ela também observa que seu compromisso com a sustentabilidade não os ajuda apenas a reduzir o seu rastro de carbono. Sua dedicação à agricultura sustentável melhora a saúde do solo a longo prazo, o que, por sua vez, ajuda a maximizar a qualidade do café. 

Além disso, os esforços de conservação da Daterra também apoiam a biodiversidade em toda a fazenda, protegendo habitats para animais, insetos, plantas nativas e muito mais. 

café sustentável

Por que isso é importante?

Em primeiro lugar, continua sendo uma prioridade para as empresas em todo o mundo reduzir suas emissões de carbono para mitigar sua contribuição para as mudanças climáticas.

Os países produtores de café estão entre os mais afetados pelo impacto das mudanças climáticas. O aumento do risco de seca, padrões climáticos extremos e chuvas imprevisíveis afetam diretamente os produtores de café – assim como o aumento da temperatura.

A planta arábica cresce melhor em temperaturas entre 18 e 21°C, com pouca flutuação. Se a temperatura em uma fazenda de café aumenta, os produtores são obrigados a “subir mais alto” em busca de temperaturas mais amenas. 

Além disso, as mudanças climáticas significam que a quantidade de terras ao redor do mundo que são adequadas para a produção de café está diminuindo.

Isabela afirma: “O grande impacto do agronegócio são as mudanças climáticas a partir das emissões de gases de efeito estufa. As fontes frequentemente responsáveis por isso são fertilizantes e produtos químicos.

“Além disso, também temos que considerar que o agronegócio é intensivo em água por natureza. O uso da água e as emissões de CO2 são, em geral, nossas maiores preocupações.”

Também é importante observar que a produção de café ambientalmente responsável está se tornando um requisito para o acesso ao mercado. Na UE, por exemplo, a nova legislação que entrará em vigor em 2022 afetará a importação de alguns produtos que não atendem a determinados padrões de cuidado ambiental.

Além disso, a sustentabilidade continua a subir na agenda dos consumidores. Um relatório de 2020 da Deloitte observa que cerca de 43% de todos os consumidores relataram escolher marcas com práticas ou valores ambientalmente responsáveis. 

Henry, da DRWakefield, acrescenta que redefinir o que buscamos em termos de qualidade pode agregar mais valor a longo prazo. 

“Qualidade é algo que pode ter que ser redefinido”, explica ele. “Por exemplo, se quisermos pagar a um produtor um preço realmente alto por um lote de competição embalado a vácuo, é realmente ótimo que o produtor receba muito dinheiro pela qualidade.

“Mas se tivéssemos que transportar aquele café por via aérea, seria esse o resultado que desejamos? Provavelmente não. Há muitas coisas acontecendo ao mesmo tempo.”

Isabela acrescenta: “Para manter a nossa responsabilidade com o meio ambiente, lançamos recentemente o projeto Tree-llion, um compromisso de plantar três milhões de árvores até 2030. 

“Este projeto reunirá os setores público e privado, e o impacto do CO2 que sequestramos será compartilhado por toda a cadeia de abastecimento do café para ajudar a produzir uma xícara de café ‘líquido zero ‘.”

café sustentável

Os desafios de produzir café com carbono negativo em escala

Embora seja fácil falar sobre como fazer mudanças sustentáveis em qualquer negócio de café, mudar para a produção de café neutro ou negativo em carbono é um desafio.

Isabela explica que empresas menores geralmente conseguem adotar novas práticas de sustentabilidade com mais facilidade do que empresas maiores. 

“É mais fácil melhorar a qualidade e a sustentabilidade quando você é pequeno, mas fazer isso em grande escala é muito, muito difícil”, explica ela. “A produção de café em particular também tem outros problemas, porque é uma monocultura; não é como cultivar soja, milho ou algodão, que você pode alternar sazonalmente.”

“Cultivar um produto que você não pode girar em grande escala torna muito difícil integrar culturas com terras florestais ou usar outras culturas para absorver CO2, como abacate ou mangueira.”

É difícil promover mudanças de alto nível em qualquer grande empresa, independentemente do setor. Isso torna mais fácil entender por que os créditos de carbono são uma solução útil.

Mas, embora os créditos de carbono reduzam tecnicamente o rastro de carbono de uma empresa, provavelmente não representam uma mudança para operações inerentemente sustentáveis.

“Todos nós temos que melhorar”, diz Isabela. “A pesquisa que fazemos na Daterra é sobre criar consciência e introduzir uma cultura permanente de sustentabilidade em todo o negócio.”

“Na Daterra, isso se concentrou em estar ciente dos produtos químicos que usamos, quanta água usamos e assim por diante. Temos feito isso aqui por muito tempo. Como resultado, produzimos sacas de café com carbono negativo que têm um rastro de -40 kg CO2eq. Portanto, é possível!”

daterra café

As coisas estão mudando e existe demanda para o café com carbono negativo?

O número de consumidores mudando para marcas mais ambientalmente responsáveis mostra que há suporte para mudanças de longo prazo. Isso significa que a produção, comercialização e torrefação de café sustentável (carbono neutro ou carbono negativo) está se tornando financeiramente viável.

Henry diz que na DRWakefield, a equipe percebeu os clientes pressionando por café cultivado de forma sustentável. No entanto, ele também observa que muitos percebem que precisam dar pequenos passos para impulsionar uma mudança duradoura.

“Acho que as pessoas querem melhorar”, diz ele. “No momento, por causa do que aconteceu com a pandemia, eles querem melhorar sua cadeia de suprimentos, mas depende de onde você começa.”

“Tenho um cliente que compra o café brasileiro convencional (tipo Santos), mas agora quer comprar o café brasileiro (tipo Santos) com a certificação Rainforest Alliance. Ele sabe que não pode cobrar muito, mas quer melhorar as coisas de alguma forma.”

Eu acredito que estamos definitivamente vendo uma maior demanda por cafés melhores, e as coisas estão melhorando em relação aos preços, responsabilidade ambiental, qualidade, esses tipos de coisas. Mas também acho que é muito difícil quantificar isso.”

Priscilla acrescenta: “Existem tantas partes diferentes no processo de avaliação da pegada de carbono… é algo novo, algo que está evoluindo.” 

“Quanto mais pessoas entrarem no mercado, mais seguros, precisos e corretos os dados se tornarão. Você precisa começar de alguma forma e, com o passar dos anos, [o processo de medição de suas emissões] ficará melhor e mais preciso”.

café sem emissão de carbono

O café com carbono negativo continua sendo um fenômeno novo no setor, mas, para as empresas que podem dar qualquer tipo de passo no sentido de serem mais ambientalmente responsáveis, está claro que a demanda existe.

Em última análise, é fácil ver que todos no setor cafeeiro poderiam estar fazendo mais para mitigar o impacto das mudanças climáticas. Os produtores podem se comprometer com práticas agrícolas mais sustentáveis, e os torrefadores podem procurar comprar café verde de forma mais responsável. Enquanto isso, as cafeterias podem usar café de origem ética, e até mesmo os consumidores domésticos de café podem ficar de olho no café que foi cultivado e obtido de maneira ecologicamente correta. 

Créditos das fotos: Daterra.

Observação: a Daterra é patrocinadora do Perfect Daily Grind.

Tradução: Daniela Andrade. 

*Este artigo faz parte do ESPECIAL CARBONO E REGENERAÇÃO – PDG BRASIL. O especial, que reúne os artigos sobre temas ligados às emissões de carbono e à agricultura regenerativa, faz parte do compromisso do PDG Brasil em fortalecer um conteúdo que contribua com a preservação e a regeneração da natureza na produção de café. Acompanhe outros artigos publicados sobre o tema na editoria Sustentabilidade.

PDG Brasil

Quer ler mais artigos como este?  Assine a nossa newsletter!