18 de agosto de 2021

De onde surgiram as bolsas de commodities?

Nos últimos anos, o setor cafeeiro reconheceu, com razão, a sustentabilidade como uma das principais prioridades. No entanto, para quem deseja fazer parte do processo de tornar a cadeia de suprimentos mais sustentável, aprender mais sobre as bolsas de commodities e o mercado C, em particular, é crucial.

Mas, além de aprender sobre esses tópicos em detalhes, também é útil entender como e por que eles surgiram. As trocas de mercadorias fazem parte da sociedade humana há milhares de anos. Suas raízes são muito mais antigas do que o colonialismo europeu, apenas algumas centenas de anos atrás. Eles são uma resposta orgânica e evoluída às peculiaridades econômicas da oferta e da demanda.

Para saber mais sobre a origem e o desenvolvimento das bolsas de commodities, vimos alguns exemplos importantes ao longo da história. Continue lendo para obter um guia do início da história das bolsas de commodities, futuros e opções.

Você também pode ler nosso artigo sobre como a flutuação da taxa de câmbio afeta os cafeicultores.

bolsas de commodities

O que é um mercado de câmbio?

Talvez o exemplo mais antigo de uma troca futura possa ser encontrado no Livro do Gênesis. Em Gênesis 41, o Faraó do Egito recebeu um sonho profético, que José interpretou como uma previsão de sete anos de abundância, seguidos de sete anos de fome.

Por sua vez, José responde cobrando um imposto fixo de 20% sobre toda a produção de grãos durante os sete anos de abundância. Quando a fome atinge, José (e o Egito) então vende os grãos de volta aos países vizinhos durante os sete anos que se seguem e prospera como resultado. De uma só vez, José inventa tanto a troca de grãos quanto a especulação de commodities.

Em sua essência, é assim que o mercado C funciona hoje. O preço C é o preço de troca. É determinado em tempo real pela execução das transações.

Essas transações são simplesmente pessoas comprando e vendendo contratos umas das outras, com a troca facilitando o negócio.

Em sua forma mais básica, a troca funciona assim:

  • Os produtores vão ofertar seus lotes de café à troca para entrega.
  • A bolsa os compra por sua taxa e os leva para seus depósitos (que se tornam “estoques certificados”).
  •  Os compradores podem então comprar café dos “estoques certificados” da bolsa, mais uma vez pela taxa de câmbio.

Embora tenha seus próprios problemas significativos, isso atende a uma série de propósitos na cadeia de abastecimento.

A troca sempre comprará café, ou seja, nos momentos em que há excesso de oferta, o agricultor sempre tem comprador. Da mesma forma, a bolsa deve sempre ter café para vender.

Isso ajuda a estabilizar o suprimento mundial de café, garantindo um fluxo constante de produtos mesmo em uma massa com excesso ou falta de oferta.

mercado futuro mesopotamia

Futuro e Mesopotâmia antiga

Para entender o mercado C completamente, no entanto, precisamos entender seus contratos. O ato de comprar ou vender no mercado C é realizado por meio de contratos a termo, também conhecidos como “Futuros”.

Os contratos futuros têm mais de quatro mil anos. Eles podem ser rastreados até a criação da metalurgia do cobre e do arado.

Comprar um contrato “longo” significa que você concorda em receber café da bolsa em um momento pré-determinado no futuro. Por outro lado, operação a curto prazo é um acordo em que você entregará um lote de café em uma data definida.

Assim, se um comerciante de varejo, sentado em casa, comprar muitos “futuros de café” e mantê-los até que expirem, ele será legalmente obrigado a receber 37.500 libras (ou 17 toneladas) de café verde de um depósito certificado pela Intercontinental Exchange (ICE) .

Os contratos a termo trazem uma dinâmica importante para as bolsas de commodities. Por exemplo, digamos que em junho você concorde em comprar café futuro para entrega em setembro a US$ 1,30/lb (cerca de R$ 6,87 por libra/450 g).

No entanto, em agosto, o preço sobe para US $1,40/lb (cerca de R$ 7,40 por libra/450 g). Mas, em vez de esperar mais um mês para receber o café físico e vendê-lo, você pode vender o próprio contrato, obtendo seu lucro de US$ 0,10/lb (ou R$ 0,53 por libra/450g).

Negócios como esses são a essência da “especulação com futuros”, que tem sido uma característica dos mercados de commodities desde a antiguidade.

Os primeiros contratos dessa natureza datam da antiga Mesopotâmia (por volta de 2.000 aC). Eles foram escritos em cuneiforme em tábuas de argila.

Essas tábuas continham quase todas as características modernas de um contrato futuro: uma descrição das partes envolvidas, os bens a serem transferidos, a data de entrega e o preço acordado. Acredita-se até que os templos sumérios funcionavam como armazéns e impunham regulamentos de quantidade e qualidade.

Embora totalmente diferentes na aparência, esses templos desempenhavam efetivamente a mesma função que o ICE. A principal diferença era que os templos não compravam os bens que possuíam; em vez disso, eles apenas facilitavam o comércio.

Em termos modernos, isso é melhor descrito como um acordo de balcão (OTC): uma transação em que as contrapartes se envolvem diretamente, em vez de vender para e da bolsa.

estoque de café verde

Azeite, tulipas e opções: Tales de Mileto e comerciantes de flores holandesas

O principal componente final na compreensão dos contratos negociados no setor cafeeiro é a opção.

Como o nome pode sugerir, as opções dão ao proprietário o direito – mas não a obrigação – de comprar ou vender muitos cafés futuros a um preço predeterminado. Isso pode ser muito poderoso quando usado corretamente.

Para explicar os princípios aqui, vamos dar uma olhada em Tales de Mileto, um antigo filósofo grego. Tales foi nomeado por Aristóteles como o fundador da disciplina das ciências físicas. Ele é reconhecido como uma das principais figuras responsáveis por mover o foco da filosofia da mitologia para explicações físicas e racionais do mundo natural.

Antecipando uma colheita particularmente grande de azeitonas em um ano, Tales fez um depósito para uma série de prensas de azeite (máquinas usadas para extrair azeite de azeitonas). Isto deu-lhe o direito, mas não a obrigação, de comprar essas prensas a um preço predeterminado.

Quando a safra chegou, e foi tão grande quanto o esperado, as prensas de azeitona estavam naturalmente em alta demanda. Tales então vendeu seus contratos para comprar essas prensas de azeite por um preço muito mais alto. Isso deu a ele um lucro muito saudável, sem a necessidade de pagar o preço total do ativo subjacente.

No entanto, foi somente em 1973, alguns milhares de anos depois, que a primeira bolsa de opções formalmente negociada foi estabelecida em Chicago. Isso porque, no século 17, um fenômeno conhecido como “tulip mania” mostrava como os contratos de opções poderiam ser instáveis se não fossem regulamentados.

A mania de tulipas é geralmente considerada a primeira bolha econômica especulativa registrada na história da humanidade. Os altos preços artificiais dos bulbos de tulipas fizeram com que grande parte da população holandesa investisse em opções de tulipas. Em algum ponto de 1637, um único bulbo de tulipa valia mais de dez vezes o salário anual de um artesão habilidoso.

No entanto, em questão de anos, a bolha das tulipas estourou e o preço médio do bulbo despencou. Sem nenhum órgão regulador presente para garantir a execução dos contratos, os compradores desapareceram, assim como o capital.

No entanto, uma vez que os contratos foram provados como um produto OTC executável por vários corretores americanos, as opções viram um retorno no final do século 20. Com uma bolsa central para garantir o cumprimento dos contratos, as opções tornaram-se e continuam a ser uma ferramenta extremamente popular para os investidores.

mercado c

A bolsa de arroz de Dojima: o primeiro mercado de futuros moderno centralizado

Embora os templos mesopotâmicos tivessem muitas características do ICE moderno, o mercado se assemelhava mais a um mercado de balcão, já que os templos não compravam as mercadorias.

Para encontrar o primeiro exemplo de uma bolsa de futuros verdadeiramente moderna, devemos olhar para o Japão do século 18 e a Bolsa de Arroz Dojima.

A bolsa de arroz foi formalmente estabelecida em 1730. Tinha todas as características modernas de uma bolsa de futuros. Havia um mercado à vista e de futuros, contratos padronizados, linhas de crédito, liquidação por meio de uma câmara de compensação central e a exigência de que os negociadores estivessem registrados e possuíssem uma licença.

Muitos proprietários (vendedores ou produtores de café no moderno mercado C) usaram o mercado de futuros da bolsa de arroz de Dojima para compensar o risco. No entanto, como os bilhetes de arroz emitidos eram livremente transmissíveis, também houve grande especulação.

A Bolsa de Arroz de Dojima também fornece a primeira evidência concreta da teoria de que os mercados futuros reduzem a volatilidade dos preços ao melhorar a transparência, a eficiência e a alocação de recursos. De acordo com um artigo de 2018 de Bernardina Algieri, a volatilidade dos preços do arroz como commodity era “7-8% mais alta… 15 [a] 20 anos antes da criação do mercado de futuros de Dojima”.

comércio de café verde

Embora existam críticas ao mercado C moderno, é importante lembrar que ele é uma representação da necessidade econômica e social que evoluiu naturalmente ao longo do tempo.

Produtores e consumidores, como vendedores e compradores de mercadorias, sempre enfrentaram desafios com preços voláteis e pouca transparência de preços. A antiga Mesopotâmia é comumente considerada um dos berços da agricultura moderna. Isso significa que podemos dizer com segurança que esses desafios são tão antigos quanto a própria agricultura.

No setor de cafés especiais, essas críticas são ainda mais comuns. Mas, em vez de criar volatilidade e problemas na cadeia de abastecimento, os mercados futuros e seus contratos são estruturas que evoluíram especificamente para tratar dessas questões. Podemos afirmar com certo grau de segurança que o surgimento dessas estruturas aponta para sua importância. Os mercados financeiros não seriam os mesmos sem eles.

No futuro, se quisermos impulsionar uma mudança sustentável, os líderes de opinião de todo o setor devem avaliar a importância histórica de estruturas como bolsas de commodities e mercados futuros. É essencial, se quisermos ter esperança de melhorar os resultados para as partes interessadas em toda a cadeia de abastecimento do café.

Tradução: Daniela Andrade. 

PDG Brasil

Quer ler mais artigos como este? Assine a nossa newsletter!