2 de agosto de 2021

O que é um microlote em cafés especiais?

Com o tempo, muitos termos foram criados e adaptados para atender às necessidades e expectativas da indústria de cafés especiais. Um desses termos é microlote, que é usado por muitos membros da indústria do café para se referir a lotes de café pequenos, exclusivos e rastreáveis. No entanto, ainda há alguma confusão sobre o que define exatamente o termo.

Para que um microlote tenha valor para todos na cadeia de suprimentos do café, o termo precisa ter uma definição com a qual todos concordem. No entanto, as opiniões sobre o que é um microlote tendem a diferir de pessoa para pessoa. Veja por que há tanta confusão e como produtores, torrefadores e comerciantes podem usar o termo com responsabilidade.

Você pode se interessar também por Vantagens das Indicações Geográficas do Café no Brasil

café especial

Um determinado volume de café de um pequeno lote de fazenda pode ser rotulado como microlote.

O que é um microlote?

O termo microlote se tornou popular entre muitos produtores, compradores e vendedores da terceira onda. Esta onda é caracterizada pelo reconhecimento da importância de um café de qualidade produzido de forma sustentável, processado com cuidado e que proporciona aos clientes uma experiência única. Por esse motivo, o uso do termo microlote pode oferecer aos produtores diversos benefícios em teoria.

Atualmente, os consumidores estão solicitando cada vez mais detalhes sobre a altitude, o clima e os métodos de processamento envolvidos na produção do café que bebem. Como esses aspectos podem variar dentro de uma região ou fazenda, o rótulo do microlote pode ajudar os produtores a provar que seu café é rastreável e distinto.

Focar em microlotes também pode ajudar os produtores a garantir que seus cafés sejam separados e processados com mais cuidado. Jolene Zehnder é diretora de vendas e operações da Mercon Specialty, uma fornecedora de café verde especial em Washington, EUA. Ela diz que, ao dividir um lote maior em lotes menores, será mais fácil para os produtores diferenciarem seus cafés. Isso pode ajudá-los a identificar lotes menores com qualidade superior, que podem alcançar preços mais altos por libra, em média. No entanto, ela acrescenta que esse processo pode ser complexo e criar mais oportunidades para erros.

Além disso, o rótulo pode ajudar os produtores a facilitar relacionamentos de longo prazo com os compradores, pois qualquer feedback que os compradores forneçam sobre a melhoria da qualidade do café pode ser implementado mais facilmente em lotes menores.

Os benefícios que os produtores obtêm com o uso do microlote podem ser repassados aos compradores de café verde. O café rastreável, distinto e de qualidade geralmente obtém preços premium dos torrefadores e dos clientes. No entanto, a falta de clareza sobre o que é exatamente um microlote pode impedir que todos os membros da cadeia de suprimentos se beneficiem de seu uso.

fruto maduro

As cerejas colhidas e rotuladas como microlotes podem beneficiar os produtores.

Por que existem múltiplas definições?

É evidente que diferentes pessoas na cadeia de fornecimento de café têm ideias exclusivas sobre o que é um microlote – e que suas definições podem envolver diferentes volumes de produção, notas de cupping, tamanhos de lote e fazenda e preços por libra. Como há tão pouca clareza na definição de um microlote, cada membro da cadeia de suprimentos pode ter uma compreensão totalmente diferente do que isso significa.

Steven Schreiber é o cofundador da Two Rivers Coffee, em Nova York e diz que a definição de um microlote muitas vezes “depende de quem o está vendendo e como deseja comercializá-lo. Diferentes fazendas, corretores e agentes descreverão suas ofertas com base em seu entendimento do termo. Muitas coisas também se perdem em traduções devido às barreiras linguísticas e à necessidade de lucrar.”

Para aqueles que comercializam café, o termo é frequentemente usado para distinguir um pequeno volume de café que não foi misturado com outros lotes. Peter Gakuo é um especialista em garantia de qualidade baseado no Quênia e diz que “esse termo é usado por negociantes e comerciantes de café. Quando pretendem vender parte do café do seu lote de estoque, se determinado lote não for misturado com nenhum outro café, referem-se a ele como microlote, porque é ‘puro’. Mas não é indicativo de qualidade e não precisa ser pequeno. Micro significa único neste caso.”

Para os produtores, o termo geralmente descreve um pequeno lote de uma única variedade de café que vem de uma área e foi processado em conjunto. Dylan Cummings, diretor administrativo da Beaver Creek Coffee Estate, em Port Edward, na África do Sul, afirma que é “a menor coleção divisível de café (não a granel). Mesma fazenda, plantação, dia de colheita, cultivar e processo, processados juntos como um lote. Devido ao tamanho da fazenda, a quantidade de café colhido em um único dia, o tamanho do tanque de fermentação, a classificação etc., isso normalmente seria um pequeno lote. Essa é, sem dúvida, a definição de microlote; qualquer outro uso da palavra é normalmente usado como um termo de marketing. O microlote não é um indicador de qualidade.”

microlote rastreabilidade

Os cafés rotulados como microlotes são frequentemente secos e processados separadamente dos demais.

As definições do que é um microlote também podem diferir de produtor para produtor. Como comprador de café verde, Sam MacCuaig da Clifton Coffee Roasters, em Bristol, Reino Unido, testemunhou o emprego de várias definições. Ele diz que enquanto alguns produtores usam o termo para descrever todo o café de um único lote, outros o usam para descrever todos os lotes que uma estação de lavagem processou em um determinado dia. Ele diz que, “Em última análise, como acontece com todas as coisas do café, parece muito fluido e aberto à interpretação e/ou manipulação de marketing.”

Alguns produtores usam o termo para comercializar seu café para torrefadores, usando-o para descrever o café que foi cuidadosamente monitorado ao longo de suas fases de produção e processamento – para que o perfil final da xícara possa ser mais controlado e consistente. Frequentemente, os torrefadores não verificam por que um lote de café foi descrito dessa forma ou verificam as informações que o acompanham. Em seguida, eles irão revendê-lo como microlote, passando o café para a cadeia de abastecimento.

Para alguns torrefadores, um microlote pode ser definido de acordo com a quantidade de café que eles são capazes de torrar em um único dia ou um determinado lote de café torrado em uma única sessão, que pode variar dependendo do tamanho de sua operação. Isso geralmente ocorre quando um torrefador está tentando aumentar suas margens de lucro – por exemplo, quando compra um grande lote de café, subdivide-o em lotes menores e o revende como lotes distintos.

Black Drum Roasters é uma torrefação em New South Wales, Austrália. Segundo o site deles, um microlote pode estar associado à qualidade e ao pequeno agricultor que cuida bem de sua safra. No entanto, explicam que o termo não é tão simples quanto parece, pois não define o quão grande ou pequeno é o lote em termos de sacas, ou se trata de café de uma fazenda ou de várias, ou se o café já foi processado onde é cultivado ou em uma instalação separada. Eles usam pessoalmente o termo para descrever o café de origem única, processado em um lote, resultando em uma seleção individual com sabores característicos da região.

microlote rastreabilidade

Diferentes produtores terão diferentes definições do que realmente é um microlote de café.

O rótulo microlote em outras indústrias

O vinho é produzido em grande escala desde 6.000 C e, em 2019, a produção mundial de vinho atingiu uma estimativa de 269 milhões de hectolitros. Nos últimos anos, tem havido um retorno à produção em pequena escala de vinhos artesanais de edições limitadas e de qualidade como uma alternativa aos vinhos homogêneos produzidos em massa. Esses vinhos geralmente vêm de um grupo seleto de vinhas que crescem em uma determinada propriedade que são diferenciadas, comercializadas e vendidas de forma diferente.

Frequentemente, esses vinhos consomem muito tempo e são caros para serem produzidos em grande escala. Além disso, o seu tamanho menor de produção permite que os produtores permaneçam envolvidos e no controle do processo da videira à garrafa, criando o que alguns chamam de vinho de microlote.

Por exemplo, a Cuvaison Winery em Napa Valley, na Califórnia, produz uma variedade de vinhos de microlote e os descreve como “raridades de microprodução que são uma exploração de estilos e técnicas de vinificação”. Nottingham Cellars em Livermore, Califórnia, trabalha com vinhedos parceiros que produzem uvas de baixo rendimento e alta qualidade para criar um vinho que reflita suas origens. Esses vinhos são então “fermentados e envelhecidos em microlotes”. A Verité Wines, em Sonoma County, Califórnia, faz algo semelhante, colhendo e fermentando cada micro-cru (ou micro vinha) separadamente, antes de envelhecê-la em vários barris de torras personalizadas.

microlote

Os cafés rotulados como microlotes são frequentemente testados e degustados antes da venda.

Com o passar do tempo, a prática de definir certos produtos especiais usando o termo microlote pode se expandir para outras indústrias. Por exemplo, o termo foi adotado pelo setor de cacau fino e o comércio direto bean-to-bar. A adoção do termo pode ser devido à crescente demanda do consumidor por chocolates de origem única rastreáveis e produzidos em seu país de origem.

Alguns desses produtos de chocolate de cacau fino se diferenciam de acordo com suas características (como a variedade do cacau ou perfil de sabor) ou agregação de valor (como o cacau foi produzido e documentado). Por exemplo, um microlote de amêndoas de cacau pode ser fermentado de maneiras diferentes ou combinado com aditivos para criar uma barra de chocolate artesanal.

Por exemplo, o Meridian Cacao Company, um fornecedor de cacau comercial direto com sede em Portland, Oregon, empreendeu um Projeto Trinidad Microlot que consiste em várias propriedades, cada uma das quais produz cacau com perfis de sabor diferentes. A propriedade La Reunion produz cacau com notas de s’mores (bolachas com recheio de chocolate e marshmallow) e maracujá, enquanto o cacau da propriedade Ramnath oferece notas de abacaxi, avelã e tabaco.

The Amazing Cacao Company, de São Petersburgo, Rússia, produz uma linha de chocolate de bean-to-bar (produção do grão à barra). Essa linha inclui chocolate amargo premium fabricado com grãos de cacau do microlote Kemito Ene de uma variedade de cacau peruana. Ingemann Fine Cocoa, um fornecedor de cacau fino com sede na Nicarágua, também oferece aos compradores cacau com perfis de sabor distintos. Por exemplo, seu microlote de Nugu tem sabores de rosas, jasmim, ervas, baunilha e iogurte.

cafés especiais

Muitos cafés são diferenciados e comercializados exclusivamente como microlotes.

Usando o termo com responsabilidade

A cadeia de abastecimento do café é vasta e envolve milhões de produtores, torrefadores e comerciantes, o que significa que será difícil restringir uma única definição universal do que é um microlote – e nem sempre possível em certas circunstâncias.

Por exemplo, um comprador de café verde que associa o termo com qualidade pode esperar que o produtor que está fornecendo um microlote forneça a ele um café de alta pontuação. No entanto, o produtor pode estar descrevendo seu café como um microlote porque é rastreável e acompanhado por informações detalhadas de processamento e produção. Nessa situação, ambas as partes ficarão decepcionadas, pois o café pode não atingir um preço tão alto quanto o previsto tanto para o produtor quanto para o comprador.

Justin Dena é o diretor de operações da iFinca, uma empresa que criou um aplicativo que rastreia e verifica todas as compras feitas na cadeia de fornecimento de café, do agricultor ao consumidor. Ele reconhece que existe uma falta de clareza quando se trata de definir um microlote, pois é “um termo vivo que continua a evoluir com novas tecnologias e diferentes maneiras de se conectar com os produtores”.

Ele sugere que, com as novas tecnologias, “a rastreabilidade e a transparência do microlote possam ser acessadas em cada lote de café e informações mais detalhadas possam ser adicionadas a cada microlote. Esta nova conectividade ajudará a diferenciar os produtos de café e continuar a evolução da indústria.”

Embora a introdução de novas tecnologias como blockchain possa tornar mais fácil para os membros da cadeia de abastecimento de café registrar e rastrear informações que acompanham um lote de café de forma transparente, não será suficiente para resolver os problemas causados pela falta de clareza sobre o que o termo microlote significa. 

À medida que outras indústrias (como o cacau) continuam a adotar essa expressão, o termo continuará a ser adaptado e usado. E, à medida que a indústria de cafés especiais continue a crescer, o termo continuará sendo adaptado por aqueles que podem se beneficiar com ele.

cupping café

O cupping pode ajudar a determinar se um microlote atende às expectativas de qualidade.

Até que o termo microlote seja regulamentado, seu significado continuará mudando de acordo com a pessoa que o utiliza.

Para que o termo seja mais valioso para aqueles que o usam, uma definição do setor, acessível e comum, precisa ser desenvolvida. Isso incluiria detalhes específicos, como peso e tamanho do lote em questão.

Neil Oney é o especialista em qualidade de café verde na Mercon Specialty. Ele sugere que “Idealmente, poderia haver algum tipo de termo esclarecedor para acompanhar: microlote de 100 sacas, microlote de 10 sacas, microlote de propriedade única, microlote de separação de elevação, microlote de variedade única etc.”

Quando isso acontecer, a próxima questão que precisará ser abordada é se o termo será ou não principalmente associado à qualidade, tamanho ou rastreabilidade. Uma vez que isso tenha sido decidido, grande parte da incerteza em torno do termo deve desaparecer.

Gostou? Em seguida, leia Microlote ou macrolote? Qual é a diferença? 

Tradução: Daniela Andrade. 

PDG Brasil

Quer ler mais artigos como este? Assine a nossa newsletter!