23 de julho de 2021

Explorando a indicação geográfica do café

Em todo o mundo, existem certos alimentos e bebidas protegidos por uma indicação geográfica (IG). Isso significa que eles são definidos pela região em que são produzidos e não podem ser replicados em qualquer outro lugar do mundo.

Os exemplos incluem limões Sorrento (Itália), azeitonas Kalamata (Grécia) e Champagne (França).

Também existem cafés protegidos por indicação geográfica. Dois dos exemplos mais conhecidos são os rótulos “Café de Colômbia” e “Jamaican Blue Mountain”. Isso pode, por lei, ser aplicado apenas a cafés produzidos em determinados países e regiões.

Para saber mais sobre como o café pode receber uma indicação geográfica e o que isso significa para os cafeicultores, conversamos com vários profissionais do setor cafeeiro que trabalham em Son La, Vietnã. Continue lendo para descobrir o que eles disseram.

Você também pode gostar de nosso artigo sobre terroir e como ele afeta seu café.

indicação geográfica café

Indicação geográfica: uma visão geral

As certificações IG são concedidas a produtos que possuem qualidades intrínsecas associadas a regiões ou áreas de produção específicas. Historicamente, elas têm sido associadas a produtos alimentícios europeus e ao conceito de terroir.

O sistema IG mais antigo, appellation d’origine contrôlée (AOC), remonta ao início do século 20 na França. É comumente usado para vinhos e queijos franceses distintos. Em 1992, a União Europeia ratificou uma estrutura de “denominação de origem protegida” (DOP) para apoiar os sistemas de IG para todos os seus estados membros.

Frequentemente, os sistemas IG estabelecidos exigem que os produtos atendam a certos critérios para usar aquele nome ou rótulo. Por exemplo, muitos vinhos protegidos por IG em todo o mundo devem ser feitos com uma alta porcentagem de uvas de uma determinada região de cultivo. Essas uvas representam o terroir da região e fornecem um produto acabado com sabores distintos e exclusivos daquela região.

Outro exemplo famoso é o queijo Roquefort, feito com leite de ovelha. Para receber oficialmente o nome Roquefort, o queijo deve ser feito com o leite de ovelha da raça Lacaune e envelhecido em cavernas naturais perto de Roquefort-sur-Soulzon, Aveyron. A razão disso é que um certo mofo encontrado apenas no solo dessas cavernas confere ao queijo Roquefort seu característico sabor picante.

Son La, no norte do Vietnã, é uma região produtora de café que recebeu a certificação IG em 2017. Embora a região seja historicamente famosa por seu alto número de plantações de chá, o café é cultivado em Son La há mais de 150 anos, especificamente sob a influência colonial francesa no final dos séculos 19 e 20.

No entanto, a produção aumentou nas últimas décadas. Son La oferece altitudes excelentes para o cultivo da planta arábica, ao lado de solo fértil e boas faixas de temperatura. Hoje, cerca de 20.000 hectares de terra são usados para a produção de arábica na região, rendendo entre 30.000 e 40.000 toneladas de café por ano.

Vuong Van Hai é o presidente do Conselho do Son La Coffee e fez parte da equipe responsável por garantir a certificação de IG para a região. “A associação de café Son La foi criada em 2017 para promover um setor cafeeiro sustentável na região”, diz ele. “Oferecemos suporte para que nossos membros gerenciem voluntariamente o uso da IG Café Son La.”

“[A associação tem] 10 membros, incluindo empresas e cooperativas, das quais cinco agora usam IG em seus produtos.”

Hoang Minh Chien é o Diretor Geral Adjunto da Agência de Promoção Comercial do Vietnã (Vietrade). Ele diz: “O projeto IG Son La tem a ambição de conscientizar os clientes estrangeiros sobre a origem do café arábica vietnamita cultivado nessa área adequada e fértil.”

“Desde que o projeto começou há três anos, muitas [medidas] foram implementadas, [dando] aos clientes um produto de qualidade como resultado da paixão, cuidado e experiência de nossos pequenos agricultores e agentes da cadeia de abastecimento.”

ig no café

Como obter indicações geográficas

Obter a certificação IG para qualquer produto não é fácil. Os produtores devem provar que suas práticas agrícolas são consistentes e exclusivas, bem como apresentar documentos de solicitação abrangentes ao órgão administrativo adequado. Só então o símbolo de certificação IG relevante pode ser usado na embalagem.

Porém, antes de mais nada, a região produtora deve se estabelecer como detentora de qualidades únicas e distintas.

Duc trabalha para Minh Tien Coffee, um produtor e comerciante baseado em Son La. Ele diz: “Minh Tien obtém café arábica em Son La de 3.800 famílias produtoras de café.

“[A região é caracterizada por suas] condições geográficas e climáticas, [como] altitude, solo fértil e altas flutuações de temperatura entre o dia e à noite.”

Frequentemente, são necessários programas de treinamento intensivo para cumprir os padrões de IG, já que as melhores práticas agrícolas são uma parte fundamental para se obter um produto único e distinto.

Vuong me contou que, em Son La, os agricultores aprenderam sobre práticas agrícolas e pós-colheita que enfatizam a qualidade. Ele acrescenta que isso incluiu treinamento na colheita de cerejas no pico de maturação. “O café Son La [deve] ser colhido manualmente, tradição que garante alta qualidade mesmo com maturação”, ele me conta.

Ele também observa que os agricultores em Son La estão sendo ensinados a plantar árvores de sombra. Isso promove o cultivo sustentável e responsável, além de melhorar a qualidade do café.

Finalmente, a erosão da encosta do solo é um problema para os cafeeiros em Son La. Nguyen Dinh Phong é o vice-diretor do Departamento de Indústria e Comércio de Son La. Ele explica que o terreno natural é íngreme, o que às vezes pode dificultar a produção. Os produtores em Son La trabalharam no sentido de plantar árvores de forma a combater a erosão do solo em encostas íngremes.

No entanto, Nguyen acrescenta que isso apresenta outras dificuldades não previstas. “O café em Son La é plantado em encostas altas e só pode ser colhido manualmente”, diz ele. “Isso torna a colheita mecanizada quase impossível, resultando em custos mais elevados.”

café vietnã

Quais são os benefícios da indicação geográfica?

Em 2020, o valor total das vendas de produtos de indicação geográfica na União Europeia totalizou € 74,76 bilhões. Eles representam uma parte significativa do mercado global de alimentos e bebidas.

A popularidade dos produtos certificados pela IG se refletiu no progresso do café Son La. Três anos depois de obter o IG, Duc diz que as empresas de café da região tiveram muito sucesso.

“Minh Tien produz entre 22.000 e 25.000 toneladas de café verde todos os anos, principalmente para exportação”, diz ele. “Cerca de 90% da produção total é enviada para a Alemanha. O restante é exportado para Holanda, Polônia, Espanha, Japão e EUA.”

Vu Viet Thang é o diretor da Phuc Sinh Coffee, uma empresa de processamento com sede em Son La. Ele diz que o café com IG oferece uma proposta única e melhor diferenciação para outras partes interessadas ao longo da cadeia de abastecimento.

“O café IG Son La é bastante útil para as empresas quando elas começam a apresentar produtos [para] novos clientes e novos mercados”, explica Vu. “Ele desempenha um papel importante no estabelecimento do país de origem e no aumento da credibilidade da empresa [em questão].”

O controle de qualidade aprimorado exigido para o café IG também significa um maior interesse do setor de cafés especiais, uma vez que leva a cafés com pontuação mais alta. Se essas práticas forem negligenciadas, a qualidade do café pode cair e ele pode não ser mais especial em uma escala de 100 pontos.

Por exemplo, Blue Son La, um café IG vendido por Phuc Sinh, “alcança mais de 80 pontos” e tem sido usado em “competições nacionais de café”, de acordo com Vu.

Por fim, o café IG e o foco na qualidade que o acompanha podem abrir novos mercados para os agricultores. Por sua vez, um melhor acesso ao mercado significa maior estabilidade financeira para o produtor e maior sustentabilidade em toda a cadeia de abastecimento.

cultivo de arábica vietnã

A Indicação Geográfica torna a produção mais sustentável para os cafeicultores?

As certificações de Indicação Geográfica adicionam mais credibilidade ao café e, subsequentemente, permitem que os agricultores diferenciem sua safra no mercado internacional. No entanto, a IG por si só não resolve todos os problemas que os produtores de café enfrentam.

Em Son La, por exemplo, os desafios permanecem, apesar da IG ter sido aprovada em 2017. Dang Van Thinh é o Diretor da Son La Coffee Ltd. “Não há uma distinção clara entre áreas com e sem IG”, diz ele. “[Além disso], muitos clientes [não] sabem que o arábica é produzido em Son La. Isso causa dificuldades para as empresas que buscam alcançar novos mercados.”

“[E ainda], a produção de café IG não melhorou significativamente a renda dos cafeicultores. Faltam sistemas de garantia de qualidade e rastreabilidade que controlem a qualidade do café produzido em Son La.”

Os pequenos produtores ainda precisam de acesso a uma infraestrutura melhor se desejam se tornar mais sustentáveis e aumentar a qualidade em todos os aspectos. A certificação IG é um começo, mas mudanças importantes como essa tornarão a produção de café em Son La mais sustentável a longo prazo.

“[Existem] preocupações sobre o tratamento de águas residuais e subprodutos para reduzir a poluição da água, por exemplo”, diz Dang. “O investimento em tais sistemas é caro, especialmente para os pequenos agricultores. Deveria haver mais parcerias para gerenciar proativamente essas questões e promover a produção de café orgânico e sustentável no futuro.”

Nguyen concorda com as declarações de Dang sobre garantia de qualidade. “A colheita em Son La costuma ser prolongada devido ao amadurecimento irregular das cerejas do café”, diz ele. “Isso geralmente leva a uma qualidade inconsistente desigual e grande perda pós-colheita. Um sistema de garantia de qualidade deve ser desenvolvido para supervisionar todo o processo, do plantio à colheita.”

café vietnã

Apesar dessas dificuldades, as partes interessadas em Son La continuam confiantes sobre a certificação IG.

“Para promover o café IG Son La, o conselho do café Son La está se concentrando em atividades promocionais, exposições e eventos comerciais”, diz Vuong.

“Paralelamente a isso, está fornecendo diretrizes aos membros sobre como investir nas atividades de processamento [e, subsequentemente] aumentar o valor de seu café.

Uma melhor exposição para o café Son La também é um objetivo a longo prazo. A IG é um bom começo, mas melhorar sua visibilidade em escala internacional será fundamental para que a produção de café na região seja o mais sustentável possível.

O vice-diretor Chien afirma: “Com os próximos projetos de desenvolvimento que promoverão a marca regional de Son La, acreditamos que a Indicação Geográfica aumentará a reputação do arábica vietnamita em todo o mundo. Isso terá um impacto positivo nas comunidades de Son La.”

cultivo de café

Portanto, como a transparência e a rastreabilidade continuam a ser conceitos-chave em discussões mais amplas sobre a sustentabilidade do setor cafeeiro, a certificação de Indicação Geográfica se tornará mais relevante?

Junto com Son La, o Projeto de Denominação de Ruanda, as indicações geográficas protegidas nas regiões de cultivo da Colômbia e as denominações de origem em Minas Gerais foram confirmados nos últimos 20 anos.

O foco do consumidor em entender de onde vem o café e como é produzido está apenas crescendo. O papel que a indicação geográfica tem de desempenhar nessa mudança de atitude é importante, mas ainda não se sabe exatamente como esse processo vai se desenvolver.

Créditos das fotos: VIETRADE

Observação: VIETRADE é patrocinador do PDG Brasil.

Agradecimentos especiais também a Minh Tien Coffee, Bich Thao Coffee Cooperative, Son La Coffee Ltd, Phuc Sinh, o Departamento de Indústria e Comércio de Son La e o Departamento de Ciência e Tecnologia de Son La por seu apoio neste artigo.

Tradução: Daniela Andrade. 

PDG Brasil

Quer ler mais artigos como este? Assine a nossa newsletter!