20 de julho de 2021

Como minimizar o rastro de carbono da produção de café orgânico

Para empresas em todo o mundo, o esforço para se tornarem neutras em carbono, ou minimizar o rastro de carbono, continua a ser uma grande prioridade. O setor cafeeiro não é exceção. A mudança climática ameaça a quantidade de terras adequadas para a cafeicultura em todo o mundo, tornando a produção mais difícil e cara. 

Além disso, os consumidores estão cada vez mais comprando produtos sustentáveis e éticos, o que significa que existe um mercado crescente para o café ambientalmente responsável. Assim, diversos estudos e projetos dentro do setor cafeeiro se concentraram em minimizar o rastro de carbono do café.

Um exemplo foi conduzido em 2019 por Rikolto em parceria com a Pontifícia Universidade Católica do Peru (PUCP) e La Prosperidad de Chirinos, uma cooperativa de café profissional com mais de 800 membros. O seu objetivo era aprender mais sobre o rastro de carbono da produção de café orgânico e como os produtores de café podem acessar novos mercados, melhorando suas práticas de produção.

Para saber mais sobre este estudo, conversamos com especialistas da Rikolto, PUCP e La Prosperidad de Chirinos. Continue a ler para descobrir o que eles disseram.

Você também pode gostar do nosso artigo sobre modelos de economia circular e digitalização no setor do café.

produtores de café

O rastro de carbono do café: uma visão geral

Como qualquer produto que percorre uma cadeia de abastecimento, o café usa energia e gera resíduos, o que significa que deixa um rastro de carbono.

Enquanto muitos presumem que o rastro de carbono do café é gerado principalmente pelo envio e transporte, o processamento e muitos outros processos pós-colheita também requerem o uso de máquinas ou combustível. Isso significa que o próprio ato do cultivo do café também precisa ser considerado.

O estudo em Cajamarca analisou como os produtores poderiam melhorar a captação de carbono nas fazendas de café. Isso foi feito examinando as emissões de gases do efeito estufa usando a análise do ciclo de vida e observando-as em relação à ISO 14064 (um padrão BSI para a “quantificação e relatório de emissões e remoções de gases do efeito estufa”).

Como você calcula o rastro de carbono do café?

Para calcular o rastro de carbono do café, você precisa levar em consideração todas as emissões geradas não apenas pela colheita, processamento e transporte, mas quaisquer processos que usem energia em relação à planta de café.

Para este estudo, o foco foi na produção de café verde orgânico, ou seja, não houve emissões relacionadas a agroquímicos. Ele se concentrou exclusivamente no ciclo de vida do café na fazenda.

O estudo começou avaliando as emissões de carbono de cada planta de café. Levou em consideração todo o CO2 que cada planta seria responsável ao longo de seu ciclo de vida.

Isabel Quispe é Investigadora Líder da PUCP. “Por exemplo, quando o café é plantado, examinamos os fertilizantes usados e suas emissões”, diz ela. “Também examinamos cada método de transporte usado para enviar o café verde depois de colhido e processado. Por fim, medimos o uso de combustíveis fósseis e analisamos o impacto do CO2 à medida que os somamos.”

“Basicamente, rastreamos identificando todas as emissões e captações de CO2 em cada etapa da cadeia de abastecimento.”

Isso é conhecido como análise do ciclo de vida: o processo de rastreamento das emissões de um produto (neste caso, o café) em toda a cadeia de abastecimento.

Lith Montes é o coordenador do Projeto Café da Rikolto Peru. Ela diz: “Assim que tivermos uma compreensão de cada etapa do processo, podemos olhar para as emissões.”

Ela acrescenta que essas emissões são compensadas por um processo conhecido como sequestro de carbono (que ocorre quando o CO2 da atmosfera é reabsorvido ou “capturado” pelas plantas).

“Amostramos 30 lotes de café e quantificamos os cafeeiros sombreados e não sombreados”, explica Lith. Geralmente, os cafeeiros cultivados sob sombra deixam um rastro de carbono mais leve. Isso ocorre porque ter um número maior de árvores de sombra nas proximidades significa que mais carbono é capturado.

“Ao quantificar isso e usar outras ferramentas científicas, podemos medir o equilíbrio das emissões de carbono em relação ao CO2 que foi capturado.”

agrofloresta café

Sistemas agroflorestais e café neutro em carbono

Lith explica que o estudo confirmou que o café neutro em carbono já estava sendo produzido em La Prosperidad de Chirinos.

Efetivamente, isso significa que algumas plantas que realmente capturaram tanto CO2 quanto foram “responsáveis” pela emissão em toda a cadeia de abastecimento. Essa foi uma descoberta importante durante o estudo.

Uma das principais razões para isso foi a distribuição de sistemas agroflorestais. Agrossilvicultura é a prática de plantar entre árvores de sombra na mesma área de terra.

Nesses sistemas, as plantas de café amostradas em La Prosperidad de Chirinos capturaram entre 16,90 e 21,63 toneladas de CO2 por hectare por ano (tC / ha).

No entanto, onde essas plantas eram cultivadas à sombra, as árvores de sombra nas proximidades também contribuíam para a captação de carbono. O estudo descobriu que, embora os números variassem muito, as árvores de sombra em questão conseguiam capturar entre 27,90 e 257,80 tC/ha por ano cada – muito mais do que as plantas de café sozinhas.

Embora a produção de café tenha sido historicamente associada ao desmatamento em certas partes do mundo, esse estudo indica que o café cultivado à sombra pode oferecer uma série de benefícios para os produtores que desejam minimizar sua pegada de carbono.

Mariela Wismann é Diretora do Programa Latino-Americano de Café da Rikolto. “As organizações estão percebendo que a prática de ‘derrubar’ as árvores (extração de madeira) tem um alto custo ambiental”, afirma. “Agora você tem que se acostumar com o reflorestamento.”

Alexis Dueñas é professor da PUCP e membro da equipe de pesquisa. “Saber escolher as espécies e a quantidade de árvores de sombra para o lote tem um impacto triplo”, afirma. “[Afeta] a captura de carbono, o meio ambiente e a renda dos produtores.”

Além de apontar para uma opção futura sustentável por meio de sistemas de produção agroflorestal, isso também pode ajudar os produtores a diferenciar seus cafés para os compradores.

Por exemplo, os cafés orgânicos neutros em carbono cultivados em sistemas agroflorestais podem apoiar os produtores em regiões onde as pontuações da xícara podem ser geralmente mais baixas do que em outras áreas de produção.

Lith conta que, no Peru, essas áreas incluem Selva Central, Junín e Pasco, entre outras regiões. Ela diz que os produtores dessas áreas podem se beneficiar de oportunidades alternativas de mercado, como a venda de café com carbono neutro ou até mesmo com carbono negativo. Eles serão mais atraentes para torrefadores que buscam atender à crescente demanda dos consumidores por produtos ambientalmente sustentáveis.

produtor de café

Futuro: o empoderamento dos produtores

É claro que cultivar cafés à sombra não é a única solução; minimizar o impacto de outras áreas críticas da produção contribuirá muito para reduzir o rastro de carbono do café.

Em La Prosperidad, a via úmida e a secagem foram as duas etapas que mais contribuíram com CO2 antes que o café saísse da fazenda. Embora os produtores já estivessem trabalhando em busca de soluções mais sustentáveis (como reutilização da casca de café e criação de composto orgânico com polpa de café), eles agora estão olhando para outras áreas-chave, como tratamento de água com mel, consumo de água e segregação de resíduos.

De acordo com Lith, é por isso que Rikolto está promovendo um estudo adicional sobre águas residuais em plantações de café em Cajamarca com a PUCP e La Prosperidad, além de mais duas organizações de café, Aprocassi e Cenfrocafe.

Essa parceria também irá conduzir um projeto mais amplo de pesquisa para traçar modelos de produção sustentáveis para sistemas agroflorestais. Consequentemente, irá projetar procedimentos e cenários de produção sustentável com base nos resultados de vários estudos de análise de ciclo de vida.

Além disso, isso também ajudará os produtores a acessar certos mercados. Por exemplo, na UE, a partir de 2022, novas regulamentações impedirão a importação de produtos que não atendam a determinados padrões de cuidado ambiental.

Aladino Pérez é o chefe do Departamento de Agricultura Orgânica de La Prosperidad de Chirinos. Ele diz que o café neutro em carbono é o caminho certo para La Prosperidad.

“Este estudo nos permitiu pensar sobre a certificação neutra em carbono”, explica ele. “Estamos procurando parceiros específicos e trabalhando para criar obrigações para a neutralização em carbono. Iremos procurar um pagamento adicional para o produtor no futuro.”

rastro de carbono no café

No entanto, será fundamental que os produtores entendam que a redução do rastro de carbono do café pode ser alcançada por meio de modelos agroflorestais. Esses estudos são um bom passo, mas uma conscientização mais ampla ajudará.

Ysaac Ramirez é membro da La Prosperidad de Chirinos. Ele diz: “Os produtores, como partes interessadas diretas, precisam pensar em soluções para este problema [das mudanças climáticas] que afeta sua principal atividade econômica”.

“São os cientistas e os acadêmicos que [podem fornecer] conhecimento para tornar a agricultura mais sustentável para o benefício da comunidade.”

Alexis concorda, observando que os produtores muitas vezes desejam aprender mais sobre os sistemas agroflorestais. “Agora, o papel da academia é co-criar inovações com os produtores para que a pesquisa se transforme em um guia prático de ações para a organização”, afirma.

Embora entender como a produção de café afeta o meio ambiente seja, com razão, uma alta prioridade em todo o setor cafeeiro, calcular o rastro de carbono do café na origem (e minimizá-lo) é um bom primeiro passo que chama a atenção para algumas das soluções que podem ser implementadas.

A captação de carbono no cultivo do café provavelmente só se tornará mais importante nos próximos anos. Ao usar a análise do ciclo de vida e outros estudos de produção sustentável, os agricultores terão autonomia para adotar sistemas agroflorestais, combater as mudanças climáticas e melhorar o acesso ao mercado.

rastro de carbono do café

A esperança agora é que essa colaboração entre produtores e instituições acadêmicas seja apoiada por ações mais ambientalmente responsáveis em toda a cadeia de abastecimento.

Por isso, o esforço de toda a indústria por uma maior sustentabilidade inspirou os produtores a aprender, participar, compartilhar e discutir o rastro de carbono do café que cultivam. No futuro, espera-se que as certificações oficiais de carbono neutro ajudem o setor a caminhar em direção a um futuro para a produção de café que seja justo, responsável e sustentável.

Créditos das fotos: Rikolto, La Prosperidad de Chirinos

Observação: A Rikolto é patrocinadora do PDG Brasil.

Tradução: Daniela Andrade. 

PDG Brasil

Quer ler mais artigos como este? Assine a nossa newsletter!