19 de julho de 2021

Já pensou em torrar café em casa? A ascensão da torrefação doméstica

O cenário dos cafés especiais despertou o interesse por cafés de qualidade para muitos consumidores. Nunca foi tão fácil para os amantes do café experimentar maneiras inovadoras de prepará-lo, e hoje eles têm um acesso cada vez maior a uma variedade de cafés e equipamentos de preparo, incluindo alguns para torrar café em casa. 

Embora a pessoa comum possa comprar uma variedade de grãos diferentes e prepará-los para consumo no conforto de sua casa, alguns também estão começando a se interessar pelo processo de como torrar café em casa e como esse processo afeta o resultado final. 

Veja por que os consumidores estão cada vez mais ansiosos para explorar a torrefação doméstica como um hobby e como isso pode impactar a indústria de cafés especiais em geral.

Você também pode gostar de erros comuns cometidos pelos torrefadores e como evitá-los.

café torrado

Grãos torrados após uma torra de amostra, prontos para serem degustados. Crédito: Georgi Djalev

O que é a torrefação doméstica?

Antes de examinar por que a popularidade do hábito de torrar café em casa está aumentando, precisamos entender a diferença entre a torrefação doméstica e a microtorrefação. A microtorrefação envolve a compra de pequenos lotes de grãos verdes de qualidade diretamente de importadores ou comerciantes e a torrefação de pequenas quantidades para cafés e empresas. A torrefação doméstica é algo realizado de forma recreativa, sem fins lucrativos e apenas para diversão.

A torrefação doméstica oferece vários benefícios para os entusiastas do café. Oferece uma sensação de satisfação pessoal e pode levar a uma apreciação mais profunda dos cafés especiais. Como incentiva a experimentação, pode levar a uma melhor compreensão de como os diferentes níveis de torra afetam os grãos e como as diferentes variedades respondem ao processo de torra. Em algumas circunstâncias, isso poderia economizar dinheiro em comparação com a compra de grãos já torrados.

Dependendo da sofisticação da máquina utilizada, desenvolver uma torrefação que atenda a objetivos específicos ajudará um torrador doméstico a desenvolver certas habilidades que só podem ser adquiridas com a experiência, como discernir o nível de uma torra de acordo com a cor do grão ou controlar o grau de torra, avaliando o nível de fumaça emitida.

Como muitas máquinas de torrar café em casa não oferecem tanto controle sobre variáveis de torrefação específicas quanto as máquinas comerciais, provavelmente elas produzirão resultados diversos, e não dois lotes não serão iguais – algo que pode atrair aqueles que procuram explorar as várias qualidades de um grão específico.

torrar café em casa

Grãos verdes torrados em casa e resfriados em uma peneira. Crédito: Georgi Djalev

A história do hábito de torrar café em casa e o panorama atual

Torrar café em casa data de 1400 na África e no Oriente Médio e é quase tão antigo quanto a própria descoberta do café. A torrefação era demorada e exigia muita atenção, pois os grãos tinham de ser colocados em uma assadeira fina e perfurada sobre uma fonte de calor e mexidos com uma colher para garantir uma torrefação homogênea. Como esse método produzia resultados confusos e inconsistentes, foi abandonado e substituído pela torrefadora cilíndrica no século XVII. Os grãos eram colocados no cilindro (também conhecido como “bolinha”), colocados sobre uma fonte de calor e mexidos manualmente para que torrassem uniformemente. Com o século 19, veio a industrialização e, gradualmente, os torrefadores comerciais assumiram a torrefação do café.

Byron Dote é o chefe de marketing da Sweet Marias, uma torrefação de café caseira fundada em 1997 em Columbus, Ohio, nos Estados Unidos. Ele diz que, embora o desenvolvimento da indústria de cafés especiais e da torrefação artesanal nas décadas de 60 e 70 tenha gerado um breve interesse na torrefação em pequena escala, ela não decolou de verdade.

Desde então, o mercado internacional de torrefação de café vem crescendo e aumentará cerca de 6,3% nos próximos quatro anos, com a maior parte desse crescimento concentrado nos EUA e na Europa. De acordo com o Centro de Promoção de Importações da Europa, a Europa foi responsável por mais de um terço do consumo global de café em 2018, o que foi acompanhado por um aumento na torrefação de cafés especiais. Atualmente, a Alemanha possui a maior indústria de torrefação de café da Europa (com volume de produção de café torrado de 551 mil toneladas), seguida da Itália (com volume de produção de café torrado de 414 mil toneladas).

Stefan Bracht é dono da KiezRösterei, uma microtorrefação em Berlim, Alemanha. Ele atribui esse crescimento aos grãos verdes de qualidade que estão disponíveis em quantidades menores e a preços acessíveis, e os clientes começam a prestar atenção à sustentabilidade, transparência, localidade e frescor de seu café. Claus Fricke é o autor do livro “Home Roasting” e afirma: “Como resultado da atual abundância de café recém-torrado de alta qualidade, os amantes do café tornaram-se mais exigentes. Agora eles procuram uma forma de saborear uma bebida cada vez mais fresca, com um perfil de sabor cada vez mais variado, e torra personalizada de acordo com seu gosto.”

O interior do Kiez Rösterei em Berlim, Alemanha. Crédito: Georgi Djalev

Os prós e contras de torrar café em casa

O cenário atual de torrefação doméstica está pronto para ser desenvolvido pelas muitas das razões listadas acima. Outra razão mais específica é que nunca foi tão fácil adquirir equipamento de torrefação doméstica de qualidade por um preço médio a alto. Marcas como Gene, Hottop e Aillio são conhecidas por fabricar sistemas de torrefação domésticos que são acessíveis e produzem um resultado de qualidade.

Outras marcas consagradas demonstram que a indústria tem muito a oferecer aos interessados na torrefação doméstica. A Roastmasters, com sede nos Estados Unidos, vende uma ampla gama de equipamentos de torrefação doméstica e café verde não torrado desde 1985. A Behmor foi fundada em 1997 e desenvolveu sua própria linha de máquinas de torrefação doméstica.

Byron comenta que: “Embora este ainda seja um mercado de hobby, vemos um crescimento nele e esse crescimento anda de mãos dadas com a conscientização e educação dos consumidores. Por exemplo (e para nossa surpresa), entre os grupos que adicionamos recentemente aos nossos clientes estão os baristas, que estão procurando uma maneira de iniciar suas carreiras na torrefação de café.”

Essas marcas (assim como outras como Sweet Marias) oferecem aos clientes uma ampla base de conhecimento e recursos online para consulta, além de uma rede de suporte pós-venda. Isso, além da riqueza de informações de torrefação disponíveis online por meio de vídeos, mídias sociais e fóruns de mensagens, mostra que as informações sobre como aprender a torrar estão disponíveis para todos os interessados.

No entanto, existem armadilhas. Torrar sem treinamento ou orientação formal pode fazer com que os grãos verdes não desenvolvam seu potencial de sabor ou queimem. A falta de conhecimento sobre o armazenamento do café torrado também pode resultar em uma falha no processo de desgaseificar o café o suficiente, evitando que o pó de café seja totalmente extraído durante a distribuição. Como diz Stefan, “torrar não precisa de mágica; todos podem torrar em casa se quiserem. A questão é ter tempo e equipamento para alcançar resultados consistentemente bons ”.

Uma dose de café espresso recém tirada. Crédito: Irene Kredenets

Se alguém estiver querendo torrar café em casa simplesmente por diversão ou se quiser ter a satisfação de saber torrar o seu próprio café, investir em equipamento e fazer suas próprias experiências é uma maneira prática de obter conhecimento sobre o café e suas origens.

O desenvolvimento de torrefadores mais acessíveis e fáceis de usar será fundamental para ajudar a torrefação doméstica a se tornar mais acessível. Como resultado, o café se tornará mais desmistificado e mais qualificado, levando a uma apreciação mais profunda dos cafés especiais em geral.

Foto em destaque: Um antigo dispositivo de torrefação doméstica mostrado na vitrine do Kiez Rösterei em Berlim. Crédito da foto em destaque: Georgi Djalev.

Tradução: Daniela Andrade. 

PDG Brasil

Quer ler mais artigos como este? Assine a nossa newsletter!