16 de outubro de 2021

Cafezal digital: Como a digitalização pode melhorar a lucratividade nas fazendas de café?

A digitalização está se tornando uma grande área de foco no setor cafeeiro. Para os produtores, significa acesso mais rápido às informações e registro de dados mais fácil, o que pode melhorar a rastreabilidade, a eficiência e a transparência.

Uma das maneiras que mais vemos os produtores digitalizarem suas fazendas de café é por meio de aplicativos móveis. Eles oferecem uma variedade de funções diferentes, desde o simples registro de dados até o suporte agronômico.

Para saber mais sobre como os aplicativos e a digitalização podem melhorar a lucratividade nas fazendas de café, conversamos com Jean Orlowski da Hala Tree Coffees e Michael Johnson da ECropOrigin. Continue a ler para saber o que disseram.

Talvez você também goste de Modelos de economia circular e digitalização no setor cafeeiro.

digitalização na fazenda

A agricultura de café é um negócio

Antes de examinarmos como a tecnologia e a digitalização podem ajudar os agricultores, precisamos entender por que eles precisam disso.

Em primeiro lugar: uma fazenda de café é um negócio. E, como em qualquer outro negócio, eficiência e lucratividade andam de mãos dadas.

Jean diz: “Todos os que participam da cadeia de suprimentos são proprietários de empresas. E, quando você está no negócio, você precisa ter lucro”.

Quando uma fazenda se torna mais lucrativa, o produtor ganha mais dinheiro para sustentar a família, reinvestir na fazenda e impulsionar a economia local.

fazenda de café

Como a digitalização pode ajudar os agricultores a lucrarem mais?

Na fazenda Hala Tree, Jean cultiva café o Kona. Café Kona é o nome dado às plantas arábicas, cultivadas exclusivamente nas encostas dos vulcões, nos distritos de Kona do Norte e do Sul, no Havaí.

Vamos usar Kona como exemplo. Normalmente, a produção média é de 1 a 2 toneladas por acre. Se, de repente, você tem uma fazenda de 4 hectares produzindo apenas 2 toneladas, esse pode ser um sinal de alerta de que há um problema.

“Então, é aí que podemos começar a analisar os dados e começar a ajudar o agricultor a aumentar seu rendimento.” Ao aumentar sua produção, os agricultores têm mais café para vender – o que significa que a lucratividade aumenta.

Michael Johnson é o cofundador e COO da ECropOrigin. Ele diz que o TCCA permite aos produtores “consolidar tudo em um só lugar”.

“Talvez você queira obter certificações como a Rainforest Alliance, talvez precise preparar documentação para auditores e inspetores, talvez queira se tornar 100% orgânico… você pode lidar com toda essa papelada [por meio do aplicativo].” Essa tecnologia inteligente permite que o cliente sincronize seu escritório principal com seus moinhos e depósitos, em tempo real.

Quando todas essas informações estão centralizadas em um local simples e de fácil acesso, os produtores de café economizam mais tempo. Eles podem então se concentrar na agricultura e, como resultado, ganhar mais dinheiro.

digitalização na fazenda

Manter o controle dos dados

Jean conta que, quando um produtor configura o TCCA, ele insere certos dados que serão rastreados. Isso começa com informações básicas, como o tamanho e a localização da fazenda, mas com o tempo se expande para cobrir várias áreas diferentes. “Por exemplo, se você tem uma equipe grande, quer saber quanto tempo eles passam na fazenda”, diz ele.

“Também é importante rastrear os insumos que você traz para a fazenda. Isso permite que você ajude seu público, comunicando se é orgânico ou se é um “comerciante justo” (Fairtrade), mas também ajuda a lidar com as despesas.”

Com a TCCA, Jean diz que o estoque, o inventário e as vendas são rastreados e ajustados instantaneamente. “Por exemplo, você produz algo e seu estoque aumenta [no aplicativo].” Isso permite que os agricultores acompanhem as vendas, bem como seus lucros e perdas em tempo real.

Ao manter o controle de estoque, despesas, vendas e outras áreas-chave de produção, os produtores terão uma visão melhor e mais abrangente de como sua fazenda opera. Isso pode ajudá-los a identificar áreas onde a produtividade pode ser melhorada e, como resultado, aumentar a lucratividade.

colheita de café

Rastreabilidade e sustentabilidade

Rastreabilidade e sustentabilidade são duas palavras que estão se tornando cada vez mais associadas ao setor cafeeiro em geral. Como resultado, não existe apenas um mercado para o café rastreável e transparente, mas os consumidores de cafés especiais geralmente estão dispostos a pagar mais por ele.

No entanto, embora o registro manual de dados sobre um determinado lote possa ser possível, muitas vezes é demorado e não há garantia de que irá gerar uma venda direta ou a um preço mais alto para o produtor em questão.

Ao usar uma plataforma digital para registro de dados, os produtores podem automatizar esses processos e controlar tudo o que um comprador ou consumidor pode querer saber sobre um determinado grão.

Jean diz: “[Usando TCCA], sabemos quem colheu o café, quando foi colhido, que tipo de árvores usamos, que tipo de processamento usamos em nosso moinho úmido, por quanto tempo o lote foi fermentado, qual é o pH. São muitos dados que registramos corretamente em cada etapa desses processos”.

O mesmo se aplica à sustentabilidade. O café certificado como financeiramente e ambientalmente sustentável costuma ser mais atraente para os compradores, pois os consumidores geralmente estão dispostos a pagar um preço de mercado mais alto. Além de apoiar os produtores a registrar informações sobre como seu café é produzido, Jean explica que a ECropOrigin também oferece seu próprio programa de certificação.

“Você pode realmente produzir um café ‘certificado pela ECropOrigin’”, diz ele. “Isso significa que temos todos os dados subjacentes. Sabemos quando o café foi colhido, quando e como foi processado. Cada saca de café certificado pela ECropOrigin tem até um código QR que você pode ler.”

Os códigos QR foram popularizados em toda a indústria como uma forma de acessar imediatamente as informações sobre o produtor e a origem para aumentar a rastreabilidade e criar visibilidade. Ao usar um código QR, Jean afirma que as partes interessadas em toda a cadeia de abastecimento podem ter acesso aos dados relativos a um café específico.

fazenda de café

Mercados digitais de café

Então, você melhorou o rendimento de sua safra e maximizou a qualidade desta safra. Em seguida, você otimizou seus custos e sua fazenda está funcionando da maneira mais eficiente possível. Qual é o próximo passo? Como você aumenta a lucratividade a partir daí?

Bem, conseguir um preço melhor para o seu café é um começo. Uma das opções disponíveis para os produtores é vender sua safra em um mercado online.

Para isso, Jean explica que sua equipe desenvolveu um marketplace dentro do aplicativo TCCA. Ele diz que os produtores podem usar os dados de rastreabilidade registrados em outro lugar no aplicativo para mostrar seus cafés com informações completas para os compradores em potencial. Esses compradores podem comprar diretamente ou participar de leilões.

Michael acrescenta: “Acabamos de lançar o marketplace para permitir que os produtores comprem e vendam café”.

“Depois, há o aplicativo de torrefação e as informações de classificação de degustação, além de ter a funcionalidade de gerenciamento de contêineres de remessa. Portanto, se os compradores realmente adotarem a tecnologia que desenvolvemos, estamos confiantes de que poderemos realmente ajudar o agricultor e o produtor.”

pé de café fazenda

Como implementar novas tecnologias?

No entanto, implementar novas tecnologias em toda a fazenda costuma ser mais fácil de falar do que fazer. Michael me disse que é importante ter uma “abordagem personalizada”: uma que reconheça que diferentes tecnologias apoiam diferentes agricultores de maneiras diferentes.

“É quase uma consultoria”, diz ele. “No nosso caso, é como expandimos a comercialização do aplicativo. É um processo lento e não é bem uma fábrica de dinheiro, mas estamos ajudando muitos agricultores.”

Jean acrescenta que, mesmo que configurar uma plataforma seja fácil, os produtores podem nem sempre estar dispostos a fazê-lo. Para alguns, o custo de se conectar a um aplicativo ou tecnologia é perda de tempo, um tempo que poderia ser investido no gerenciamento direto da fazenda.

“O principal desafio é que haja alguma configuração”, explica ele. “Os aplicativos não funcionam sozinhos. Os produtores precisam descrever suas fazendas, eles precisam descrever o campo. Normalmente é aí que encontramos alguns desafios para superar.”

Jean observa que, embora eles tenham tentado tornar o uso do processo fácil e rápido, ele ainda pode ser uma barreira. No futuro, ele e Michael acreditam que a parceria com as cooperativas é a melhor maneira de implementar novas tecnologias em uma escala mais ampla.

fazenda de café

Seja por meio do rastreamento de inventário, registro de dados para melhor rastreabilidade ou melhoria do acesso ao mercado, a digitalização apresenta aos produtores de café uma gama de novas oportunidades para maximizar o lucro.

Embora seja mais fácil dizer do que fazer uma mudança em grande escala para melhorar os meios de subsistência dos produtores de café, a digitalização das fazendas é um bom primeiro passo. Usar um aplicativo para agilizar, centralizar e monitorar diferentes processos significa que o produtor pode passar mais tempo concentrando-se no cultivo do café. Isso, por sua vez, os ajudará a melhorar a lucratividade de sua fazenda.

Créditos das fotos: Julio Guevara, Gisselle Guerra, Diego Najera, Alejandra M. Hernández

Tradução: Daniela Andrade. 

PDG Brasil. 

Observação: a ECropOrigin é patrocinadora do Perfect Daily Grind.

Quer ler mais artigos como este? Assine a nossa newsletter!