26 de março de 2021

Passo a passo sobre como as máquinas de café espresso são restauradas

As máquinas de café espresso são uma maravilha técnica. Estes máquinas, habilmente desenvolvidas, têm percorrido um longo caminho desde sua criação, no final do século XIX. O sistema de pressão de vapor do século XIX evoluiu para tecnologia elétrica, acionada por bomba. Os baristas podem ligar a máquina utilizando aplicativos de smartphone, sem sequer tocar no próprio equipamento.

Mas o que acontece quando uma máquina quebra ou fica um pouco desatualizada e precisa ser restaurada? Para saber mais, falei com Francesco Bernasconi, responsável de vendas do fabricante de máquinas de café espresso Dalla Corte e com o homem responsável pelo início do programa de restauração. 

Leia também Regulando os Reais: Dicas para Servir um Café de Alto Valor

POR QUE COMPRAR MÁQUINAS DE CAFÉ ESPRESSO RESTAURADAS?

Há muitas razões pelas quais as máquinas recondicionadas estão em alta, mas duas das principais são a redução do impacto ambiental e a economia financeira. 

Algumas máquinas de café espresso restauradas podem custar a metade do seu preço de venda original, mantendo aparência e qualidade em alto padrão. Com as máquinas comerciais novas em folha sendo vendidas por milhares de reais, as recondicionadas podem ser uma escolha tentadora para aqueles que tem um orçamento controlado.

Também pode ser um investimento mais sustentável e ambientalmente consciente. A restauração reduz o número de peças novas que necessitam de ser fabricadas e a quantidade de material que tem de ser reciclado ou colocado em aterros. A restauração gera menos resíduos, como também dispõe de menos recursos.

A reforma de uma máquina antiga também pode torná-la menos perigosa. Os tubos e a solda em máquinas mais antigas podem conter chumbo, que pode vazar para a água que entra em contato com seus componentes. A ingestão contínua desta água pode ter efeitos potencialmente nocivos ao nosso organismo. 

Francesco explica que na Dalla Corte, substituir o tubos antigos e a solda por componentes sem chumbo é de enorme importância no processo de restauração. A lei de restrição de substâncias perigosas (RoHS) criada pela União Europeia inibe a utilização de quaisquer componentes e substâncias que contenham mais de uma determinada quantidade de chumbo em produtos elétricos. 

Você também pode gostar de Como Ajustar a Extração do Espresso e Criar Novas Receitas

COMO AS MÁQUINAS DE CAFÉ ESPRESSO SÃO RESTAURADAS

Embora os passos necessários variem de acordo com a máquina e com os seus problemas, o processo seguirá esta ordem:

1. RECEBER A MÁQUINA E DIAGNOSTICAR OS PROBLEMAS

O primeiro passo é a avaliação. Especialmente com máquinas mais antigas que podem não ter sido usadas por um tempo, o controle de pragas é importante. Isto envolve a remoção da carcaça externa e a verificação visual de quaisquer sinais de insetos ou roedores, tais como dejetos ou ninhos. Se tais sinais forem descobertos, os meios apropriados são usados para eliminar pestes e todos seus traços.

Assim que a carcaça externa for substituída, a máquina de café pode ser conectada à energia e ligada. Alguns problemas serão imediatamente evidentes, por exemplo, a parte eletrônica  ou um bocal de vapor que não funcionem corretamente. 

No entanto, alguns problemas podem ser mais difíceis de localizar e corrigir. Então, serão necessários técnicos treinados  para encontrá-los e resolvê-los. Francesco supervisiona o segundo programa de oportunidades da Dalla Corte, no qual os internos de Penitenciária Bollate, em Milão, trabalham em conjunto com técnicos para desmontar, reparar e renovar máquinas de café espresso Evolution.

Ele conta que eles usam um software para detectar problemas. “Nossa máquina pode nos dizer através de alarmes qual é o problema … Os nossos [técnicos] … saberão exatamente o que fazer e como resolver o problema rapidamente.”

2. Desmontagem

Depois dos diagnósticos terem sido executados – e, acima de tudo, depois da máquina ter sido completamente desconectada e desligada – chegou a hora de desmontar o equipamento.

Ela deve ser inteiramente desmontada. Todos os painéis e bandejas precisam ser removidos deixando a estrutura de tubulação, as cabeças de grupo e as caldeiras intactas. A partir daí, cada peça pode ser cuidadosamente removida da estrutura. Elas devem ser inspecionadas quanto a sinais de danos e cuidadosamente limpas.

Francesco diz que alguns componentes podem ser reciclados. “As peças mais importantes … as peças de cobre, latão e metal são 100% recicladas. Às vezes [nós as enviamos] de volta para os nossos principais fornecedores, como a fundição que forja nossas … cabeças de grupo.”

Assim que a máquina for desmontada e limpa, é possível saber que peças precisam de ser montadas ou substituídas. Alguns componentes geralmente precisam ser substituídos, como bombas, válvulas e telas. As vedações e os anéis de borracha precisam ser encomendados e substituídos. Estes seriam cortados da máquina durante a limpeza.

3. Descalcificação 

Agora, com a máquina de café totalmente desmontada, a descalcificação pode começar. “O cálcio e o calcário são os piores inimigos de qualquer máquina que trabalha com água quente!” diz Francesco.

Estas substâncias são persistentes e se formam rapidamente em qualquer superfície metálica. Em primeiro lugar, quando em quantidades excessivas, são a principal razão para uma máquina precisar ser restaurada.

A caldeira e os tubos são os principais componentes que necessitam de descalcificação. É preciso cuidado para lidar com eles, uma vez que indentações podem causar mais acumulo de calcário.

“Temos máquinas dedicadas, capazes de descalcificar as peças [necessárias]”, diz Francesco. “Mais uma vez, substituímos completamente todas as peças [metálicas] por peças novas, evitando quaisquer problemas futuros. As antigas serão 100% recicladas.”

Sem as máquinas apropriadas, a descalcificação seria feita à mão. Isto significa embeber todos os componentes, tipicamente em ácido cítrico, por um longo período. A máquina poupa tempo e assegura que a descalcificação seja feita por completo.

A descalcificação pode ser um longo processo, especialmente se os componentes tiverem sido expostos a água dura. Assim, todas as evidências visíveis de calcário devem desaparecer antes da caldeira e dos tubos serem reinstalados. Às vezes, isso pode ser impossível. Se isso ocorrer, essas peças devem ser recicladas e substituídas por peças novas.

4. CONTROLES E LEGISLAÇÃO DE CONTROLE DE QUALIDADE

Trabalhar com técnicos experientes e bem formados é a melhor forma de garantir a qualidade. Francesco explica que a Dalla Corte é seletiva quanto aos presos que participam do projeto Segunda Chance. “Ele é baseado no conhecimento mecânico, eletrônico e hidráulico básico que eles têm”, diz ele, acrescentando que eles recebem treinamento extensivo e são supervisionados por técnicos experientes no local.

No entanto, as inspeções de controle de qualidade também são necessárias, tanto para fins legais como éticos. Isso garante que as máquinas de café espresso restauradas sejam não só seguras para utilização, como também de alta qualidade.

Por exemplo, no Reino Unido, quaisquer equipamentos ou maquinários que contenham fluido com mais de 0.5 bar de pressão são controlados pela legislação de Regulamentos de Segurança dos Sistemas de Pressão (PSSR) 2000. Isso se aplica à fabricação, reparação e restauração de equipamento, mesmo que tenham sido originalmente fabricados antes de 2000. As inspeções de controle de qualidade devem garantir que a máquina respeite esses parâmetros, bem como atinja os padrões técnicos.

Todas as máquinas devem receber uma inspeção de controle de qualidade, realizada idealmente por um técnico diferente, e deve ser mantido um registo da inspeção e de quaisquer comentários que houver. Embora as inspeções pontuais sejam frequentemente realizadas quando existe uma rotatividade elevada de itens, para produtos de alta qualidade, como máquinas de café espresso restauradas, é melhor verificar cada um dos itens.

5. REMONTAGEM E TOQUES FINAIS

A remontagem geralmente acontecerá na ordem inversa à desmontagem: primeiro a caldeira será remontada na estrutura, depois a tubulação, depois os componentes e, finalmente, as bandejas.

“Nós reconstruímos completamente as máquinas com materiais, tubulações, cabeças de grupo e a placa elétrica novos”, diz Francesco, além disso, todas elas são “certificadas” de acordo com os requisitos europeus e com os mesmos padrões de “uma máquina nova”. 

Toda parte elétrica deve ser verificada por eletricistas qualificados antes dos painéis serem fixados. Depois disso, chega a hora da última checagem de controle de qualidade. “Antes de enviar a peça de volta ao cliente, fazemos o teste final com nossa maquinaria… [utilizada internamente] “, diz Francesco.

Nesse momento, qualquer trabalho superficial, como a repintura ou a adição de marcas, pode ser feito. 

A jornada de restauração é demorada e trabalhosa, mas o resultado é impressionante. Dá vida a equipamentos quebrados ou desatualizados. As máquinas de café espresso com história e estilo podem funcionar no mesmo padrão que as máquinas novas. E, à medida que a restauração incentiva uma produção mais sustentável e ecológica, traz a indústria do café mais para o futuro.

Traduzido por Daniela Andrade

Crédito das imagens: Julio Guevara, Dalla Corte, Fernando Pocasangre

PDG Brasil

Nota: Dalla Corte é um patrocinador do Perfect Daily Grind

Gostaria de ler mais artigos como este? Assine nossa newsletter!