24 de fevereiro de 2021

O que é um espresso romano?

O espresso romano é uma bebida simples, mas intrigante. Na sua forma mais pura, é um espresso servido com uma fatia de limão, embora a sua preparação possa mudar de cafeteria para cafeteria.

Apesar desta simplicidade ainda existe, no entanto, alguma confusão quanto à bebida. Para começar, ela recebe nomes diferentes em diferentes partes do mundo, e em determinadas regiões da Itália.

Além disso, embora a palavra “romano” esteja presente no nome da bebida, não há provas definitivas de que tenha uma ligação histórica com Roma ou com a Itália.

Continue a ler para saber mais sobre o espresso romano, quem o toma e sua origem e história.

Você também pode gostar: O que é um affogato?

Definição: o espresso romano

O espresso romano é feito combinando um café espresso com uma fatia de limão ou sumo de limão e uma colher de chá de açúcar. A fatia pode ser espremida ou colocada no café, e às vezes é cristalizada.

É uma bebida versátil que pode ser servida quente, fria ou gelada – com ou sem leite. Algumas cafeterias também adicionam Anisette, um licor mediterrâneo feito de anis (semelhante a sambuca e pastis).

Massimiliano Mattone é barista e consultor. Ele diz que frequentemente o óleo da casca do limão pode ser espremido na xícara antes de colocar o café. Algumas pessoas deixam a casca no copo, enquanto outras a removem.

A bebida é popular na região italiana de Campania, que inclui a cidade de Nápoles, Capri e a Costa Amalfitana. Aqui na Itália, é geralmente conhecido como caffè canarino ou caffè al limone.

O povo da região afirma que a bebida foi inventada na cidade de Giugliano. Hoje, é a bebida tradicional da cidade, e é considerada uma iguaria regional.

Nesta região, o espresso romano é frequentemente preparado com limões de Sorrento. A União Europeia concedeu aos limões de Sorrento uma certificação de indicação geográfica. Isto significa que foram verificados e reconhecidos de forma independente pela sua qualidade e natureza única.

Além disso, a Organização Nacional de Custódia do Patrimônio Italiano (Fondo Ambiente Italiano) mantém uma histórica plantação de limão de Sorrento chamada Baia Di Leranto perto da península Sorrentina.

Explorando a sua história única

Apesar da presença da palavra “romano” no nome da bebida – sugerindo ter surgido em Roma – há histórias conflitantes sobre a origem da bebida.

Alguns dizem que foi uma invenção norte-americana que recebeu uma falsa descendência italiana para atrair turistas. Outros afirmam que a bebida foi inventada na França. 

E embora não haja nenhuma evidência definitiva de que  a bebida seja historicamente italiana, há histórias que assim sugerem.

Os italianos consomem cafés preparados em cafeteiras italianas (moka) ou máquinas de espresso há décadas. A máquina de café foi inventada no início do século XX e a cafeteira italiana na década de 1930. Ambas são invenções italianas. No entanto, no início do século XX, devido à primeira e segunda guerras mundiais, houve limitações nas importações na Itália. 

Durante este tempo, os italianos foram forçados a consumir café  instantâneo barato, muitas vezes fornecido por soldados americanos. Nessa época, o café provavelmente era de má qualidade e completamente diferente do café solúvel disponível nas lojas hoje. 

Após o fim da Segunda Guerra Mundial, ainda demorou algum tempo até a retomada do comércio internacional de café, e houve uma grande crise econômica na Itália.

Já que o povo italiano só tinha acesso a café de qualidade muito ruim, é provável que tenha sido misturado com limão para que os sabores mais indesejáveis da bebida fossem ocultados. 

Os sabores do espresso romano

O Dr. Wilton Soares Cardoso é professor e médico do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Brasil. Ele diz que ao combinar café espresso e limão, a nitidez e a acidez do limão são efetivamente “equilibradas” pela intensidade e amargura do café espresso e vice-versa.

“O ácido cítrico está ligado à frescura dos citrinos”, explica. “Por causa do amargor [do café], a acidez se destaca e [como] também o [aroma do] limão.”

Quando o limão e o café são combinados, é  bom que ambos ingredientes sejam de qualidade elevada. Quando grãos de baixa qualidade são utilizados, a bebida pode ficar  amarga ou intensa demais e esconder os sabores característicos do limão.

Para alguns bebedores, o espresso romano também supostamente tem a capacidade de atenuar os efeitos de uma ressaca. A cafeína  já possui propriedades vasoconstritoras naturalmente, que ajudam aliviar a dor de cabeça, enquanto os óleos essenciais  do limão ajudam na digestão e aceleram a função metabólica.

O espresso romano é uma bebida estranha. Apesar de ser aparentemente simples, parece haver pouco consenso sobre sua origem e história. Além disso, o seu nome parece constantemente causar conflito.  

Ainda que tenha sido inventado nos EUA, na França, em Roma ou numa pequena cidade da Campania, a bebida, desde então, foi associada à cultura italiana. Seu equilíbrio de nitidez e acidez com intensidade e amargura traça paralelos com a cultura do café de especialidade moderna. Quem sabe – talvez comece a se tornar popular em outros lugares.

Traduzido por Daniela Melfi

Crédito das imagens: Geek Baristas Coffee ShopFondo Ambiente Italiano

PDG Brasil

Gostaria de ler mais artigos como este? Assine nossa newsletter!