19 de fevereiro de 2021

Explorando a relação entre café e ciclismo

Você pode pensar que, para esportistas e atletas, o café é usado principalmente por seu nível de cafeína. No entanto, para os ciclistas, a relação com o café costuma ser mais complexa do que isso.

Existe uma relação única e incomum entre os mundos dos cafés especiais e do ciclismo, que se desenvolveu rapidamente nos últimos anos.

Para saber mais sobre o que liga essas duas áreas, onde tudo começou e como as pessoas estão aproximando o café do ciclismo, conversei com alguns especialistas em cafés especiais de todo o mundo. Continue lendo para aprender mais sobre a relação entre os dois e porque ela existe.

Você também pode gostar: Apresentando o café para crianças

Uma breve história do café e do ciclismo

Tudo começou no final dos anos 1960 e início dos anos 1970, quando a fabricante italiana de máquinas de café espresso Fabbrica Apparecchiature Elettromeccaniche e Affini (ou FAEMA), patrocinou a equipe de ciclismo de mesmo nome Faema, que incluía o ciclista belga Eddy Merckx. 

Merckx é amplamente reconhecido na comunidade do ciclismo como o maior ciclista de todos os tempos. Sua carreira profissional durou 13 anos, durante os quais ganhou um recorde de 11 Grand Tours. Ele fez parte da equipe Faema por dois anos, de 1968 a 1970. Apesar do fato de a FAEMA ter patrocinado equipes de ciclismo antes, Merckx foi indiscutivelmente o ciclista mais popular que uma marca de café já patrocinou.

Em 1983, a Federação Nacional dos Cafeicultores da Colômbia (FNC/Fedecafe) criou uma equipe de ciclismo (Café de Colombia). Foi com essa equipe que o ciclista colombiano Luis Herrera se tornou o primeiro ciclista sul-americano a vencer um Grand Tour em 1987.

Ao longo do restante do século 20, as empresas de café (incluindo a fabricante italiana de máquinas de café espresso Saeco, o conglomerado de café Segafredo e a rede de cafeterias norte-americana Jittery Joe’s) continuaram a patrocinar ciclistas e equipes individuais. 

Embora a relação entre café e ciclismo pareça realmente ter se intensificado na segunda metade do século 20, ela sempre envolveu mais do que companhias de café patrocinando equipes. As cafeterias e espresso bars têm historicamente oferecido aos ciclistas um lugar para se socializar e relaxar brevemente – uma parada rápida em uma longa viagem – mas eles também são uma parte fundamental do que é conhecido como “passeio do café”. 

É difícil encontrar uma definição específica do que é este passeio do café. Para ciclistas profissionais e de competição, é semelhante a um passeio de recuperação, onde você elimina algumas das toxinas dos músculos após um passeio longo ou particularmente difícil.

No entanto, para aqueles que andam de bicicleta por hobby, o passeio do café pode ser tão simples quanto amigos andando de bicicleta entre alguns cafés e sentando-se para tomar uma boa xícara de café ao longo do caminho.

Leia em espanhol: Explorando la Relación Entre o Café e o Ciclismo

Café e ciclismo: uma cultura única

Para saber mais sobre a ligação entre o ciclismo e o café, conversei com alguns ciclistas apaixonados do setor de cafés especiais.

Bas van den Heuvel é o proprietário da Il Magistrale Cycling Coffee em Eindhoven, Holanda. Ele me diz que essa relação está fortemente enraizada “no elemento de uma forte comunidade social”.

Brian Megens é o proprietário da Fixed Gear Coffee em Maastricht, Holanda. Ele concorda com Bas e acrescenta que tanto o ciclismo quanto o café são mundos inerentemente sociais. Ele diz: “Andar de bicicleta tornou-se mais social e [ir para] café sempre foi um passeio social.

“Embora você obtenha um aumento de desempenho com o café, a cultura está mais enraizada em sentar juntos e tomar um café antes, durante e depois de um passeio.”

Richard Frazier é o CMO da Workshop Coffee em Londres. Ele explica que há uma enorme sobreposição entre as duas culturas, pois ambas são muito orientadas para a qualidade. “[Em ambos os mundos], há uma apreciação por algo bem feito. 

“No ciclismo, existem pessoas que são atraídas pela habilidade, precisão e complexidade do design de bicicletas. Essa mesma mentalidade e atenção aos detalhes estão presentes em cafés especiais, desde a origem até o preparo . ”

Joshua Crane é o fundador da The Coffee Ride em Boulder, Colorado. Ele observa que mesmo no mundo do ciclismo existem várias subculturas e subgrupos diferentes, mas afirma que “o café é o denominador comum”. 

“Uma das minhas coisas favoritas sobre o café é que ele é um motivador da comunidade”, diz Joshua. “Isso quebra barreiras, não importa que tipo de bicicleta se use. Todos nós podemos nos conectar e trocar histórias enquanto tomamos uma xícara de café. ”

A mídia social tem desempenhado um papel importante no desenvolvimento desse relacionamento. Não importa o nível do ciclista ou o interesse do consumidor por cafés especiais, plataformas online como Instagram e Facebook geram interesse em ambos os mundos. 

A influência da mídia social pode significar que os passageiros conheçam uma nova parada de café ao longo de sua rota de bicicleta ou comprem uma nova bicicleta porque viram um anúncio dela no Facebook. Brian explica que “o café e a parada no café podem ser um ótimo ‘momento no Instagram’” para os ciclistas e concorda que a mídia social “definitivamente tem sido uma grande influência”.

O café está atraindo mais ciclistas?

O ciclismo cresceu em popularidade nos últimos anos, em linha com um foco renovado do consumidor em saúde, preparo físico e bem-estar. Ele se tornou ainda mais popular durante a pandemia de Covid-19, quando a maioria das academias de ginástica em todo o mundo foi forçada a fechar por períodos de semanas ou meses. 

Ambas as tendências têm grande potencial para que as marcas de café atraiam mais clientes de bicicletas.

Em primeiro lugar, nas cafeterias, existem muitas maneiras de receber ciclistas experientes, mas também de atrair o novo grupo de ciclistas que surgiu durante a pandemia. Richard diz que embora possa depender do espaço disponível em um café, os cafés podem começar “oferecendo um lugar seguro [para bicicletas], como grades para travar a bicicleta, sem ter que se preocupar com isso”.

Para cafeterias maiores com uma comunidade estabelecida, Richard sugere outra coisa. “Em termos de cafeterias que têm uma grande comunidade de passageiros que gravitam em torno deles, ter os passeios começando e terminando no seu café é uma ótima maneira de criar uma comunidade leal de pessoas que querem passar o tempo em seu espaço.”

A marca também é importante. Para alcançar a comunidade mais ampla do ciclismo, as empresas cafeeiras precisam se alinhar aos valores que são comuns a esse novo grupo demográfico. Brian, Bas e Josh acham que isso é mais do que apenas colocar um adesivo de ciclismo em um saco de café e chamá-lo de “café especial para ciclismo”. 

Brian, por exemplo, enfatiza a importância de trabalhar com torrefações de café confiáveis, que sejam transparentes e ofereçam rastreabilidade com seus cafés. Como a maioria dos ciclistas se concentra na saúde, bem-estar, condicionamento físico e desempenho, eles provavelmente procuram cafés orgânicos de melhor qualidade; o café rastreável tem mais probabilidade de atraí-los.

Bas acrescenta que as marcas de café voltadas para o ciclismo muitas vezes “procuram maneiras de mostrar os níveis de cafeína em seus pacotes, porque mais do que frequentemente os ciclistas estão particularmente interessados ​​na explosão de energia que o café oferece”.

Finalmente – pratique o que você prega. Os torrefadores e cafeterias que procuram entrar neste mercado devem considerar a oferta de um serviço de delivery com bicicletas. Isso não apenas mostra seu compromisso com métodos de entrega sustentáveis ​​e ecológicos, mas também prova que você é um negócio dirigido por ciclistas, para ciclistas.

Josh diz: “Quando comecei, pensei: por que não transformar minha paixão pela bicicleta e [estender] meu hobby recém-descoberto (torrefação de café) aos consumidores em Boulder?” Ao mostrar aos clientes que o café e o ciclismo podem e coexistem, as empresas têm maior probabilidade de atrair ciclistas e bebedores de café que antes desconheciam essa conexão.

A relação entre o ciclismo e o café é única. O café não é apenas uma parte importante da história moderna do ciclismo – hoje, muitos ciclistas dependem dele todos os dias para mantê-los em movimento.

Embora possa parecer um nicho para alguns, também há um grande potencial no espaço onde esses dois mundos se sobrepõem. Para cafeterias ao longo das ciclovias, existe a oportunidade de diferenciar seus negócios. Para ciclistas competitivos e empreendedores, existe o potencial de expressar seu amor pelo café de uma forma nova e incomum.

Gostou? Leia também Por que o café colombiano é tão famoso?

Traduzido por Ana Paula Rosas.

Créditos das fotos: Richard Frazier , Brian Megens , Joshua Crane

PDG Brasil

Gostaria de ler mais artigos como este? Assine nossa newsletter!