12 de fevereiro de 2021

Como desenvolver um modelo sustentável para o replantio de café

Não é segredo que há uma série de desafios que os pequenos cafeicultores enfrentam no mundo todo.

Em primeiro lugar, as mudanças climáticas estão reduzindo a quantidade de terras adequadas para o cultivo do café arábica. Alguns pesquisadores sugeriram que, como resultado, as altitudes ideais de cultivo na Nicarágua, por exemplo, vão aumentar de 1.000 para 1.200 metros acima do mar até 2050. Enquanto isso, os preços baixos do café continuam a afetar a viabilidade econômica da cafeicultura em muitos países. 

Se essas tendências continuarem, os consumidores de café terão acesso a uma gama muito menos diversificada de sabores em suas xícaras, e os pequenos agricultores terão menos meios de sustentar suas famílias. Vários desses problemas poderiam ser resolvidos com o plantio de variedades de café de alto rendimento e resistentes a doenças, que oferecem maior resiliência contra mudanças climáticas

Mas soluções supostamente simples como essas nem sempre são fáceis. Em primeiro lugar, os pequenos produtores muitas vezes não têm acesso a crédito acessível para pagar por essas novas variedades. E mesmo que consigam isto, muitas vezes enfrentam a possibilidade de vender sua safra a preços que não cobrem seus custos. 

No entanto, um novo modelo em teste na Nicarágua oferece aos pequenos agricultores a chance de construir um meio de vida economicamente sustentável, ao mesmo tempo em que cria resiliência às mudanças climáticas e fortalece os ecossistemas locais. Para descobrir como isso é possível, conversei com as partes interessadas envolvidas neste teste.

Leia também Guia do Produtor para Poda e Recepa do Café

A group of people in a garden

Description automatically generated with medium confidence

POR QUE OS PRODUTORES DE CAFÉ SOFREM PARA REPLANTAR SEUS CAFEZAIS

Cerca de 70% das milhões de famílias de cafeicultores do mundo são pequenos proprietários. No entanto, em parcelas menores de terra, a decisão de replantar cafeeiros envelhecidos (ou mesmo plantá-los pela primeira vez) não é simples. 

Ao redor de Rancho Grande, Matagalpa, no norte da Nicarágua, embora seja possível cultivar café nesses pequenos lotes de terra, muitos pequenos proprietários praticam algo chamado “corte e queima”.

Edgardo Alpizar é Chefe de Agronomia na Nicarágua pela ECOM Trading. Ele explica a técnica. “O que [os produtores] geralmente fazem é cortá-lo durante a estação seca, depois queimam e plantam outros alimentos, milho ou feijão”. 

Com o cultivo do café, os pequenos agricultores reduzem as terras de que dispõem para as culturas alimentares básicas. Isso significa que, para cultivar apenas café de maneira sustentável, os agricultores precisam de renda suficiente de outras atividades para comprar os alimentos que, de outra forma, cultivariam. 

Em alguns países, como a Nicarágua, os pequenos proprietários também podem trabalhar em grandes fazendas de café vizinhas para se sustentar. Teresa Ruiz é Diretora de Expansão da Fundacion NicaFrance, uma ONG que melhora as condições de vida das comunidades rurais da Nicarágua. Ela me conta que “o salário mínimo da mão-de-obra agrícola nas fazendas de café não é suficiente para cobrir as necessidades básicas”.

E mesmo que um pequeno produtor queira replantar o café, seu primeiro desafio é encontrar crédito para cobrir o custo, que pode variar de US $ 3.500 a US $ 6.000 por hectare. Edgardo diz que para “os grandes bancos, é muito caro dar acesso a esse tipo de [pequeno proprietário] agricultor”. 

Além disso, os pequenos proprietários às vezes não têm o título de suas terras. Isso torna mais difícil para as instituições de crédito oferecer empréstimos mais baratos, quando normalmente usariam as terras de um pequeno proprietário como garantia. 

Mas na Nicarágua é diferente, como explica Edgardo. “[Os bancos] criam essas pequenas empresas financeiras nas cidades menores, mas geralmente cobram juros de 25 a 30% ao ano. Então, basicamente, não há lucro, porque [eles acabam pegando] o lucro da venda da sua safra”.

Outro desafio é que os pequenos agricultores muitas vezes não conseguem vender seu café a preços financeiramente sustentáveis. Os pequenos produtores raramente têm acesso aos mercados de cafés especiais, e os esquemas de certificação (que geralmente oferecem preços melhores) nem sempre estão disponíveis.

“Um produtor de café geralmente é desencorajado [a replantar] por causa dos baixos preços internacionais do café e das barreiras para produzir uma safra de café mais valiosa”, disse-me Teresa. 

Você também pode gostar Como o Processamento Afeta a Química e o Sabor do Café?

replantio de cafe

UMA ABORDAGEM COLABORATIVA PARA AJUDAR PEQUENOS PRODUTORES A REPLANTAR CAFÉ 

CIRAD é um centro francês de pesquisa agrícola. Eles estão testando um modelo de replantio de protótipo na Nicarágua. Este ensaio oferece uma nova forma de os agricultores plantarem cafeeiros de maneira financeira e ecologicamente sustentável. 

Benoit Bertrand é Diretor de Pesquisa do CIRAD e um dos promotores do conceito. Ele diz: “No contexto da queda dos preços reais do café, perda de florestas, degradação da terra e vários sistemas de certificação concorrentes para problemas sociais e ambientais, este teste oferece uma nova maneira para os agricultores plantarem café.”

Em sua essência, o modelo de “clusters agroflorestais voltados para o negócio do café” (CaFC) é direto. É um novo modelo organizacional que fomenta a inovação socioambiental por meio da reforma de propriedades rurais.

Em primeiro lugar, os investidores externos emprestam aos pequenos agricultores o dinheiro de que precisam para replantar os cafeeiros em seus campos.

Esses empréstimos são pagos com as três primeiras safras completas dos pequenos proprietários. Mas, enquanto isso, os pequenos agricultores recebem um modesto, mas estável, salário de manutenção. Isso incentiva o cultivo cuidadoso para produzir cafés com perfis agradáveis de xícara. 

Por trás desse acordo, o modelo também precisa de um compromisso feito por torrefações designadas de comprar esses cafés todos os anos, a preços acima do mercado. Em troca, eles recebem café de qualidade e podem usar suas práticas de compra social e ambientalmente sustentáveis ​​como parte de sua venda. 

Além disso, o teste também inclui especialistas em agronomia que orientam os agricultores no uso de técnicas agroflorestais. Isso os capacita a aumentar sua renda, minimizar os efeitos adversos da mudança climática em suas safras e fortalecer o ecossistema local. 

O Dr. Jean-Yves Duriaux Chavarría é o Coordenador do Projeto Nosso Café na Universidade Cornell. “É um ótimo negócio”, ele me diz. “Os produtores acabam ficando muito melhores do que o produtor de café comum.”

O modelo CaFC não é uma abordagem única para todos, vale ressaltar. Por exemplo, certas variedades de plantas de café funcionam melhor em algumas regiões do que em outras. “Nem todo mundo passa pela mesma situação”, Jean-Yves me diz. Ele explica que um salário mensal de manutenção em troca de três colheitas completas pode não ser adequado para todos os agricultores. 

“Há outros agricultores que têm um pouco mais de terra”, explica. “Então eles decidem, no momento em que começarmos a produzir, vou [pegar metade da colheita] para mim e [usar] a metade para pagar o crédito.”

O modelo CaFC reúne especialistas em agronomia, torrefadores, produtores e ONGs para maximizar o potencial de lucro a longo prazo para os pequenos agricultores. Ele apoia os agricultores que estão replantando, aproveitando as melhores práticas agronômicas, investimentos internos acessíveis e um compromisso confiável das torrefações. 

teste com produtores de cafe

O TESTE: REPLANTIO NO NORTE DA NICARÁGUA

O teste que ocorre na Nicarágua está ilustrando como o modelo CaFC beneficia os pequenos agricultores. Muitos dos pequenos proprietários da região possuem pequenas parcelas de terra perto da Reserva Bosawas, na região de Jinotega.

“Os pequenos agricultores têm um ou dois hectares, talvez três hectares no máximo”, conta Edgardo. A renda na área é baixa; um estudo em uma região próxima sugeriu que “65% das pessoas viviam abaixo da linha da pobreza”, de acordo com Jean-Yves. “Isso significa menos de US $1,82 por pessoa por dia”, acrescenta.

Como a renda é tão baixa, o café não é uma prioridade. Em vez disso, a terra é usada para o cultivo de culturas de maior rendimento, como feijão e milho, e o replantio é feito usando a técnica de “corte e queima”.

Infelizmente, essa técnica de cultivo está prejudicando a Reserva Bosawas. Edgardo diz: “As pessoas estão se mudando para a floresta, cortando as árvores e plantando ali seus alimentos”.

Os agricultores também costumam cultivar árvores fixadoras de nitrogênio, chamadas de “guabas” (ingás), que produzem sementes em vagens “semelhantes ao feijão”. Essas sementes são cobertas com um pó branco doce comestível. Além de diversificar a cultura, os ingás também dão sombra aos cafeeiros, protegendo-os da forte luz solar direta.

Edgardo explica, no entanto, que muitas vezes isso pode representar uma dificuldade maior para os pequenos proprietários. À medida que as árvores se desenvolvem, elas envelhecem e crescem, o que torna a colheita mais cara. “Você tem que podar os galhos uma ou duas vezes por ano”, ele me diz. “E é difícil encontrar pessoas que saibam fazer isso porque elas têm que subir nas árvores.”

replantio de cafe

TORNANDO O REPLANTIO DE CAFÉ MAIS SUSTENTÁVEL

O modelo CaFC, financiado pelo comerciante ecológico ECOM e pela Fundacion NicaFrance, está oferecendo uma solução. Em primeiro lugar, conforme descrito acima, esses pequenos agricultores recebem empréstimos para pagar os custos da plantação de café.

Depois disso, esses pequenos proprietários recebem um salário mensal para cultivar o café e garantir as qualidades desejadas na xícara para o torrefador. Eles pagam o empréstimo de replantio doando os rendimentos de seus primeiros três anos de colheita. 

Além disso, o modelo CaFC pioneiro na Nicarágua “vem com treinamento que ensina os pequenos agricultores a produzir café sustentável de alta qualidade”, explica Jean-Yves.

Ele acrescenta que as árvores da espécie arábica usadas no ensaio do CaFC na Nicarágua são, na verdade, enxertadas nas raízes das plantas robusta. Isso beneficia a planta, pois as raízes do robusta retêm mais água e nutrientes do solo e são mais resistentes a pragas (como os nematoides, um tipo de lombriga parasita). 

Neste teste, em vez de usar árvores leguminosas, os pequenos proprietários estão obtendo sua cobertura de sombra de árvores nativas e valiosas de madeira dura, que crescem lentamente.

Depois de totalmente crescida (após cerca de 20 anos), a madeira de uma única árvore pode ser vendida por até US $ 500. Edgardo diz: “No final do ciclo do café, os pequenos agricultores podem obter US $ 25.000, talvez US $ 30.000 por hectare [com a venda dessas árvores].” 

Se plantadas ao mesmo tempo que o café, essas árvores de madeira de lei estarão prontas para colheita e venda quando os agricultores precisarem replantar, ajudando-os a cobrir os custos do replantio.

Eles também fornecem um habitat ecológico robusto para pássaros selvagens e outros animais. “Se você descer, verá os pés de café”, diz Edgardo. “No entanto, do topo das árvores, você pensaria que [esta terra na Nicarágua] é uma floresta natural.”

“No início houve muito medo porque a oferta era boa demais para ser verdade e muitos acharam que era uma armadilha”, conta Teresa. “Começamos a construir confiança quando cumprimos as mensagens e promessas que fizemos em nossas reuniões.” 

replantio de cafe

OS BENEFÍCIOS FUTUROS DESTE MODELO DE REPLANTIO DE CAFÉ COLABORATIVO

Os pequenos agricultores do estudo em Rancho Grande logo deixarão de oferecer seus três anos de safra para pagar os custos de replantio. Após este ponto, os pequenos proprietários possuirão a totalidade de sua colheita. Eles poderão vender seu café onde quiserem, para quem quiserem. 

Mas Edgardo diz que os agricultores perguntaram se podem continuar no modelo experimental. “Você tem que dizer ‘sim, podemos continuar’ [para o agricultor] porque ele gosta do preço”, explica. “O valor que estamos pagando por este café é muito maior do que ele normalmente receberia do intermediário ou de outra cooperativa.”

Em troca desses preços mais altos, Edgardo pede um café de ainda melhor qualidade. Isso incentiva os pequenos proprietários a continuar com um cultivo cuidadoso.

Edgardo também menciona que o modelo CaFC também permite aos investidores reciclar e reinvestir seus lucros. Isso significa que os programas podem ser expandidos repetidamente para apoiar outros pequenos agricultores no replantio de seus cafeeiros envelhecidos.

arvore pessoa

Este modelo local de micro cadeia de valor é escalável além de Rancho Grande. Ainda não se sabe com que rapidez será implementado de forma mais ampla. O sucesso já existe – e está provando ser benéfico para todos os envolvidos.

Este modelo de “cluster” enfatiza a importância da cooperação e da comunicação no setor cafeeiro. Quer seja usado mais amplamente ou não, o setor certamente tem algo a aprender com isso.

Gostou disso? Em seguida, leia Como Monitorar e Prevenir a Ferrugem do Café

Créditos das fotos: ECOM Trading, Edgardo Alpizar

Traduzido por Ana Paula Rosas.

PDG Brasil

Nota: Este artigo foi originalmente patrocinado pela CIRAD

Gostaria de ler mais artigos como este? Assine nossa newsletter!