27 de janeiro de 2021

Como a COVID-19 mudou o consumo de café em casa

No final de março de 2020, cerca de 20% da população mundial recebeu ordens para ficar em casa para diminuir a disseminação da Covid-19. No entanto, alguns meses depois, muitas dessas pessoas voltaram aos seus escritórios e locais de trabalho, à medida que a economia global inicia seu caminho para a recuperação.

Apesar disso, regimes flexíveis de trabalho estão mais populares do que nunca e, com mais pessoas ficando em casa e menos entrando em áreas urbanas, como resultado, as cafeterias tiveram redução no número de visitas.

Em uma pesquisa realizada no Reino Unido, quase 50% dos proprietários de cafés previram que a Covid-19 afetaria significativamente sua receita até o final de 2020. Cerca de um quarto afirmou que achava que seria afetado por pelo menos dois anos.

Portanto, à luz dos problemas de logística global, fechamento de cafeterias e trabalho em casa em massa, como o consumo de café mudou? E como as cafeterias e torrefações responderam às medidas de lockdown para permanecer em operação? Falei com três especialistas do setor para saber mais.

Você também pode gostar de Coado X Imersão: A Batalha dos Métodos de Preparo de Café

covid-19 consumo de café

O aumento do consumo de café em casa

O consumo de café fora de casa, como em cafés e restaurantes, representa cerca de 25% da demanda total por café do consumidor. Assim, quando cerca de 95% dessas empresas fecharam no início de 2020, temporária ou permanentemente, a indústria do café sofreu um tremendo golpe.

Naturalmente, esses fechamentos combinados com pedidos para ficar em casa e outras questões de segurança pública significavam que muitos consumidores estavam limitados a preparar seu próprio café em casa.

Yannis Apostolopoulos é o CEO e Diretor Executivo da Specialty Coffee Association (SCA). Ele diz: “Durante [a] pandemia, houve uma mudança para o preparo de café em casa, seja porque mais pessoas trabalhavam em casa ou porque se sentiam desconfortáveis ​​em sair para comprar café durante os primeiros meses da pandemia”. 

Apesar de a OIC prever uma queda de 0,5% no consumo global de café, o consumo de café em casa aumentou. Nos Estados Unidos, o mercado de café doméstico deve aumentar 4,9% somente em 2020. Para efeito de comparação, aumentou apenas 3,9% no período de quatro anos que vai de 2015 a 2019. 

“Acho que as pessoas estão tentando criar a qualidade das bebidas que apreciam em uma cafeteria”, diz Yannis. “Isso leva a investir mais em melhores equipamentos que possam produzir resultados semelhantes e consistentes, em comparação com um barista bem treinado que é capacitado para usar equipamentos profissionais.”

Joyce Klassen é diretora de marketing do fabricante de moinhos Baratza. Ela confirma que mais consumidores estão investindo em equipamentos de café de melhor qualidade.

“Vimos um aumento nas vendas de moinhos, e é o aumento mais substancial que tivemos em qualquer intervalo de seis meses. Aumentamos 70% desde o início da Covid-19”, Joyce me diz.

As vendas de todos os equipamentos para café, incluindo itens como chaleiras, aumentaram 11% neste ano, com preço médio de US $ 139. Isso mostra que os bebedores de café estão dispostos a gastar quantias significativas de dinheiro para melhorar a qualidade do café que bebem em casa.

Tendências no consumo doméstico de café

Portanto, agora sabemos que o consumo de café em casa aumentou durante a Covid-19 – mas o que os consumidores compraram?

Em primeiro lugar: café. Em meio a preocupações com a cadeia produtiva por causa da Covid-19, cerca de uma em cada quatro pessoas nos Estados Unidos relatou estocar café para evitar a falta do produto. Durante a pandemia, 27% das pessoas que fazem café em casa relataram beber café feito em domicílio, enquanto 25% usaram máquinas monodoses ou cápsulas.

A maioria das pessoas afirmou que ainda está usando os mesmos equipamentos e produtos de café que usava antes da pandemia. No entanto, as pessoas estão tentando coisas novas. Foi relatado que pouco mais de 40% dos millennials afirmaram ter experimentado diferentes métodos de preparo.

Os consumidores também estão ficando mais confiantes em suas habilidades para fazer café, com dois terços afirmando que “aperfeiçoaram” suas receitas e técnicas. Isso faz sentido – com mais tempo em casa e fora do escritório, os bebedores de café têm mais espaço para repetir e refinar uma receita desejada.

Porém, alguns bebedores de café ainda buscam comodidade, apesar de terem mais tempo em casa. As vendas de grandes recipientes de cold brew e de latte gelado aumentaram 129% durante os primeiros meses da pandemia, e previsões recentes mostram que o mercado de café pronto para beber deve continuar crescendo. Prevê-se que valerá espantosos US $ 42 bilhões até 2027.

covid-19 consumo de café

Como as torrefações e os cafés responderam?

No Reino Unido, mais de 80% dos donos de cafeterias fecharam temporariamente seus negócios no início da pandemia. Das cafeterias que permaneceram abertas, cerca de 70% ofereceram exclusivamente serviço de take-away e reduziram o horário de funcionamento.

Essas tendências são comuns em cafeterias na maior parte do mundo;  limites de capacidade foram aplicados em muitos países, os pedidos para viagem e na calçada dispararam, e os cafés implementaram rotinas de limpeza e higiene rigorosas para garantir que uma proporção de seus clientes possa retornar com segurança.

Mas e as torrefações? Embora a Covid-19 significasse uma queda no atacado de café torrado para cafeterias e outros negócios de hospitalidade, ela apresentou a oportunidade de diversificar e analisar seus negócios online.

Como resultado, mais e mais torrefadores passaram a vender café online e, em particular, serviços de assinatura. Nos EUA, o número de torrefações oferecendo serviços de assinatura durante a Covid-19 aumentou 25%, enquanto as vendas de assinaturas aumentaram 109%.

Vikki Hodge está entre os diretores da Rave Coffee em Gloucestershire, Reino Unido. Ela me disse que a receita da Rave Coffee aumentou mais de 100% durante a pandemia. Vikki diz que, embora algumas torrefações tenham considerado historicamente que os serviços de assinatura “não são fáceis de gerenciar”, as coisas mudaram durante a Covid-19.

“Devido à pandemia, os clientes perceberam a conveniência potencial desse serviço. [Eles agora] têm mais fé à medida que entendem e têm controle sobre o gerenciamento disso”, observa ela.

Vikki acrescenta que os serviços de assinatura oferecem novos benefícios para o consumidor. “Pode ser divertido, educacional e trazer experiências sem complicar demais”, diz ela. “Os torrefadores podem apresentar aos clientes diferentes variedades ou fornecer-lhes a capacidade de manter o que sabem e amam.”

No entanto, com atrasos no envio e baixo estoque entre grandes empresas de comércio eletrônico (como a Amazon), algumas cafeterias e torrefações aproveitaram seu excedente de estoque para o varejo e começaram a oferecer serviços de entrega durante a pandemia. Joyce explica que isso não se limitou apenas ao café torrado – as vendas de equipamentos também aumentaram.

“Após o primeiro sucesso durante a Covid-19, dedicamos uma porcentagem de nosso estoque especificamente para apoiar as pequenas cafeterias e torrefações”, explica Joyce. “A ideia era apoiar empresas que estavam lutando com fechamentos forçados e uma redução geral das operações.

“Vimos cafeterias mudarem para a venda de equipamentos para substituir a receita perdida com as vendas de cafés. [Muitos até] trouxeram produtos de estoque próprio [e] de estoque na fonte diretamente aos consumidores [sem nem mesmo manter o estoque]. ”

A picture containing indoor, wall, kitchen, cluttered

Description automatically generated

O que acontece depois?

Mesmo que o impacto da pandemia tenha sido enorme, as coisas estão lentamente voltando a algo que parece normal. Mais e mais governos estão relaxando as ordens de permanência em casa e incentivando a abertura de empresas, desde que tomem as medidas de saúde e segurança necessárias.

Yannis diz: “No futuro, espero que as pessoas aproveitem suas assinaturas, e fazer café em casa continue sendo um hábito para os consumidores. 

“[No entanto], pode não manter a parcela de consumo que teve [durante a Covid-19], já que as pessoas definitivamente voltarão às cafeterias para se socializar ou se dar ao luxo.”

Joyce concorda com Yannis, mas observa que a resposta provavelmente será gradual. “Acho que as pessoas ainda anseiam por conexão e querem passar tempo com amigos e se encontrar para tomar um café”, diz ela. “Eles podem fazer sua rotina matinal em casa e depois fazer uma pausa para se conectar com amigos e familiares em outro momento do dia.”

Este aumento meteórico no preparo de café em casa também pode significar uma mudança geral no conhecimento do consumidor. Com mais e mais bebedores de café investindo em equipamentos e fazendo assinaturas de café, sua compreensão do setor cafeeiro mais amplo e da cadeia produtiva aumentará naturalmente.

“Os clientes estão cada vez mais atentos à qualidade e proveniência do café em suas xícaras”, explica Vikki. “Essa consciência deve impulsionar ainda mais a demanda por cafés especiais, o que moldará a indústria daqui para frente.”

Esse conhecimento mais profundo pode significar que cada vez mais consumidores pressionem por um café mais ético, transparente e sustentável a longo prazo. Yannis diz acreditar que é uma “grande oportunidade” para cafés especiais. 

“As pessoas começarão a entender mais [sobre] variedades, origens, produtores, métodos de processamento e torrefações, assim como faziam com vinho e cerveja no passado.”

covid-19 consumo de café

Consumidores e negócios de café se adaptaram bem à vida sob a pandemia, mas só o tempo dirá se esses padrões de consumo voltarão ao normal ou mudarão para sempre. 

A cada dia que passa, mais e mais torrefações e cafeterias abrem suas portas e voltam à ativa. Como seus clientes podem muito bem retornar com mais conhecimento do que nunca sobre a cadeia produtiva do café, temos que nos perguntar se haverá um interesse renovado por cafés especiais em uma escala muito mais ampla.

Gostou disso? Então leia O Café Pré-Moído Pode Ser Melhor do que o Moído na Hora?

Traduzido por Ana Paula Rosas

Créditos das fotos: Baratza, Tasmin Grant, Specialty Coffee Association

PDG Brasil

Gostaria de ler mais artigos como este? Assine nossa newsletter!