27 de novembro de 2020

Café e Conflito na República Democrática do Congo

A República Democrática do Congo (RDC) é o segundo maior país da África e o décimo segundo maior do mundo. Possui cerca de 87 milhões de habitantes e suas terras são ricas em recursos naturais e oferecem ótimas condições para a produção de café de alta qualidade. 

Apesar disso, décadas de conflito e instabilidade política restringiram o progresso do país. Para entender mais sobre o que está acontecendo na RDC e como sua indústria de café foi afetada, conversei com Chris Treter, Diretor da Higher Grounds Trading, e Gregory Mthembu-Salter, Analista de Economia Política da ÉLAN RDC e ex-membro da Conselho de Experts da ONU na RDC. Continue lendo para saber o que eles têm a dizer. 

Você também pode gostar: A Indústria do Café na China, dos Torrefadores aos Consumidores

Montanhas em Kivu do Sul, RDC

Uma História de Conflito

“O Congo é um dos lugares mais bonitos do planeta”, diz Chris. “Eu defendo que é o lugar mais bonito da terra. Tem montanhas, vulcões, grandes lagos, cultura, música e pessoas incríveis, mas seu conflito continua até hoje. ”

A RDC se situa sobre vastos depósitos de valiosos recursos naturais, incluindo ouro, cobalto, estanho, diamantes e muitos outros minerais. Apesar disso, a maioria de sua população vive em extrema pobreza, com menos de US $ 1,90 por dia. 

A riqueza do país em minerais preciosos e recursos naturais também alimentou muitos dos conflitos que enfrentou durante décadas, incluindo duas grandes guerras civis na década de 1990 e no início de 2000. Os conflitos armados na RDC custaram a vida a cerca de seis milhões de pessoas, diretamente por meio de combates ou indiretamente por causa de doenças e desnutrição. 

A instabilidade política também tem sido um grande problema na RDC desde que se tornou independente da Bélgica em 1960. Só nos últimos anos, uma série de eleições controversas e acusações de corrupção geraram protestos e atividades rebeldes. Como resultado, os cidadãos congoleses sofreram com a violência, migração e perda de propriedade nas mãos de grupos rebeldes ou milícias armadas.

Ainda hoje existem conflitos em curso no país, principalmente na região de Kivu, que é também uma das principais áreas produtoras de café do país. Gregory diz: “Atualmente estamos vendo um ressurgimento da violência com grupos armados em várias áreas do leste do Congo.

“Parte disso está sendo instigada por países vizinhos, enquanto outros elementos podem ter a ver com divisões dentro das próprias forças armadas.”

Como o Conflito Afetou o Setor Cafeeiro Congolês?

Apenas algumas décadas atrás, o café era o segundo maior produto de exportação da RDC, depois do cobre. Ele contribuiu com cerca de 164 milhões de dólares para a produção econômica do país na década de 1980. No entanto, vários conflitos nos últimos anos afetaram tremendamente o setor cafeeiro da RDC. 

Na década de 1970, a produção de café foi nacionalizada e cresceu continuamente. Em 1989, a RDC exportava cerca de 120.000 toneladas métricas de café por ano. Embora a maior parte fosse robusta, a RDC ainda era um produtor global significativo. 

No entanto, quando a rebelião e os conflitos eclodiram na década de 1990 e, em seguida, o genocídio de Ruanda em 1994, a produção de café diminuiu. Chris diz: “Hoje, [a RDC] exporta talvez 10% a 15% do que fazia antes do genocídio. 

“Então, essencialmente, o que havia acontecido no setor foi praticamente destruído … a infraestrutura existente é remanescente de uma época anterior à existência do café especial como um todo.”

Hoje, cerca de 70% de todo o café congolês é contrabandeado para os países vizinhos e vendido a partir daí. Gregory observa que, embora os conflitos desempenhem um papel nisso, “os impostos de exportação sobre produtos agrícolas e minerais são [também] muito altos”.

“Isso cria um incentivo ao contrabando”, explica ele. “As taxas de exportação em países vizinhos, como Uganda, Ruanda e Burundi, são muito mais baixas.”

Finalmente, os produtores de café em algumas áreas da RDC ainda são diretamente afetados pelo conflito. Os massacres ceifaram a vida de mais de 700 pessoas apenas entre janeiro e setembro de 2020.

Roger, o gerente da cooperativa Kawa Kanzururu em Kivu do Norte, me disse que o impacto desses ataques atinge a comunidade cafeeira. “Na nossa zona, acontecem ataques desde junho. 

“Há até uma estação de lavagem em Mwenda (em Kivu) que não está funcionando nesta temporada, porque todos os produtores fugiram de suas casas.” 

Cooperativa Muungano em Kivu do Sul

Café na RDC Hoje 

Apesar desses desafios, o café está lentamente ressurgindo como um produto de exportação vital na RDC. O recente interesse de ONGs e da indústria de cafés especiais impulsionou seu crescimento e os números mais recentes da OIC mostram um aumento de 4% com relação ao ano anterior.

Gregory explica que o ÉLAN RDC é um programa de desenvolvimento do setor privado que visa melhorar o mercado na RDC. “Estamos realmente tentando trabalhar com o setor privado para aumentar seus esforços, aumentar a qualidade e iniciar compradores internacionais interessantes no produto … em geral, queremos enriquecer o perfil da indústria”, diz ele. 

Chris me disse que existe um grande potencial para o café congolês. Ele diz que isso não ocorre apenas porque pode ser um componente central para trazer paz e prosperidade ao país, mas também porque tem o potencial de ser de qualidade incrivelmente alta. 

“No ano passado, realizamos a quinta Saveur du Kivu (uma conferência anual de café e competição de degustação da RDC). Quatro cafés chegaram a mais de 90 pontos”, diz ele.

Chris observa que a indústria do café está praticamente na “fase da adolescência” em todo o país. No entanto, ele diz que o potencial existe e “está se manifestando na qualidade de xícara agora … em um nível muito alto”.

As regiões de cultivo de café na RDC possuem solo vulcânico rico e uma variedade de microclimas adequados para o cultivo da planta arábica. Isso significa que o café cultivado na RDC geralmente tem um perfil de sabor único, diferente de muitas outras origens – até mesmo de outros locais da África. 

Além disso, para os produtores, o café pode servir como uma fonte estável de renda, permitindo-lhes dar um passo em direção à estabilidade financeira.

Cooperativa Muungano, fundada em 2009

Impacto do Café na República Democrática do Congo

“O café pode ter um impacto direto, trazendo paz e prosperidade; pode trazer grupos rebeldes à mesa e fornecer-lhes oportunidades econômicas após a negociação ”, disse Chris. 

Ele acrescenta que viu vários projetos que funcionaram da mesma forma em países como Honduras e El Salvador. “Devo dizer que a mesma coisa é possível no leste do Congo”, afirma. “Todas as peças estão posicionadas para que isso aconteça.”

Ao se tornarem cafeicultores em vez de ingressar em milícias ou grupos rebeldes, Chris diz que os cidadãos congoleses podem ser “trazidos de volta à sociedade civil congolesa com oportunidades econômicas”.

“Eles ganharão mais dinheiro trabalhando com café, cacau e outras indústrias relacionadas do que como um soldado ou rebelde”, explica ele. 

Com acesso a uma renda estável, os produtores de café podem promover uma série de melhorias na vida real para eles e suas famílias. Isso inclui acesso a melhor alimentação e nutrição, pagamento de cuidados médicos ou envio de seus filhos à escola.

Ao incentivar os combatentes a largarem as armas e começarem a cultivar, o café pode trazer não apenas prosperidade econômica aos cidadãos da RDC, mas também paz.

Desenvolvimento do setor cafeeiro

Em toda a RDC, há várias iniciativas dos setores público e privado que trabalham para desenvolver e melhorar o setor cafeeiro.

Uma delas é a Virunga Alliance. Chris me disse que este é um projeto lançado pelo Parque Nacional de Virunga , o primeiro parque nacional estabelecido na África. Virunga também abriga um terço da população total de gorilas das montanhas do mundo e abrange as terras de milhares de pequenos agricultores que vivem na área.

Ele explica que o objetivo do programa de café da Virunga Alliance é permitir que os agricultores aproveitem todo o potencial de seu cultivo. 

“Ajudamos o Parque Nacional de Virunga a estabelecer seu programa de café como parte da Virunga Alliance”, explica Chris. “Isso veio de uma série de parcerias público-privadas, todas lideradas pelo Parque Nacional de Virunga.”

Desde então, este programa evoluiu e uma iniciativa formal do Café Virunga foi lançada pela Farm Africa e pela Virunga Alliance, com financiamento da UE.

Chris acrescenta: “A Virunga Alliance tem recursos para apoiar os quatro milhões de pessoas que estão a um dia de caminhada uma da outra dentro do parque nacional. Ele oferece oportunidades econômicas por meio dos recursos disponíveis para eles dentro do parque, como o uso de sua água para energia hidrelétrica. ”

Ele também explica que, junto com a Higher Grounds Trading , a Virunga Alliance ajudou os produtores a identificar e comercializar seu café e cacau. Chris explica que a Higher Grounds fez parceria com a cooperativa Kawa Kanzururu em Kivu do Norte, por meio da Virunga Alliance. Essa parceria os fez encorajar mais pessoas a comprar o café produzido pela cooperativa, bem como o café de Virunga em uma escala mais ampla.

Os cafés produzidos em Virunga são normalmente cultivados em altitudes entre 1.000 e 1.800 msnm. No caso de Kawa Kanzururu, o tamanho médio da fazenda é de 0,37 hectares. Esta cooperativa possui 22 “micro” estações de lavagem, duas das quais administradas por mulheres. 

Chris acrescenta que a Higher Grounds Trading também está atuando por meio de sua organização parceira sem fins lucrativos, On the Ground . A On the Ground está realizando workshops sobre igualdade de gênero e alfabetização em geral em cinco comunidades da cooperativa de café Muungano, às margens do Lago Kivu. 

Por fim, Chris me disse que a Higher Grounds está trabalhando com o governo congolês para estabelecer o Saveur du Kivu como uma plataforma nacional para produtores de café. “Ao trabalhar para ajudar a construir uma plataforma nacional para o café, ou seja, capacitar um setor cafeeiro liderado pelo produtor congolês … somos capazes de injetar os principais componentes de que as comunidades sustentáveis ​​precisam”, diz ele. 

Vista do Lago Kivu

Promover mudanças em um país como a RDC não é tarefa fácil. Requer colaboração e esforços contínuos que precisam ser mantidos por meses e anos. No entanto, Chris me disse que, se as pessoas que trabalham com cafés especiais se preocupam com a sustentabilidade e o impacto real na origem, a RDC deve ser a prioridade número um.

“Estar juntos pode transformar um dos lugares e populações mais incríveis e bonitos do mundo em uma sociedade pacífica e amorosa”, ele me diz. “Isso trará benefícios não apenas para o povo congolês, mas para os bebedores de café em todo o mundo.”

Para conseguir isso, a indústria cafeeira global está se unindo para lançar uma série de iniciativas. Ao fazer isso, eles estão criando uma estrutura para impacto coletivo e buscando construir uma indústria de café que beneficie a todos em toda a cadeia produtiva de forma sustentável.

Curtiu? Você também pode gostar: Conheça a Planta do Café

Créditos das fotos: Saveur du Kivu, Higher Grounds Trading, Gregory Mthembu-Salter, Diana Zeyneb Alhindawi

Traduzido por Ana Paula Rosas.

PDG Brasil

Nota: Este artigo foi originalmente patrocinado pela Higher Grounds Trading

Gostaria de ler mais artigos como este? Assine nossa newsletter!