17 de novembro de 2020

Como Apoiar Baristas Durante a Pandemia de Covid-19

A Covid-19 afetou todos em toda a cadeia produtiva do café, desde os produtores até os baristas. Mais de 90% das cafeterias em todo o mundo tiveram que fechar suas portas em algum momento. E, embora o impacto para alguns estabelecimentos tenha sido administrável, para muitos a perda repentina nas vendas foi devastadora. 

Infelizmente, enquanto isto afeta as cafeterias, também afeta as pessoas que trabalham nelas. Milhares de baristas em todo o mundo perderam seus empregos ou sofreram cortes no pagamento. 

No entanto, embora os tempos estejam difíceis, os clientes e as empresas de café estão fazendo o que podem para apoiar as cafeterias e baristas locais em todo o mundo. Para saber mais sobre essas iniciativas, conversei com alguns profissionais experientes em café. Continue lendo para conferir o que eles disseram.

Leia em espanhol: Cómo Apoyar a Los Baristas Durante la Covid-19

Como a Covid-19 Afetou Cafeterias e Baristas?

A Covid-19 mostrou que os hábitos globais de consumo de café mudaram. Como resultado de pedidos para consumo em casa e fechamentos generalizados, muitas cafeterias tiveram que mudar a forma como operam, com uma grande mudança em direção à comida para viagem, entrega e retirada na calçada.

Como empresas de todos os tipos foram forçadas a minimizar suas operações e fechar suas portas, o desemprego aumentou em todo o mundo. Só nos EUA, a taxa de desemprego saltou de 3,5% para 14,7% em apenas dois meses. Isso afetou pessoas em todos os setores da indústria, com um foco notável em serviços de alimentação e hospitalidade – incluindo cafeterias.

Você também pode gostar: Como Manter sua Cafeteria Limpa e Segura

Em toda a indústria do café, cafeterias e baristas sentiram o impacto dessas mudanças no consumo. As pessoas não aparecem mais apenas para tomar uma xícara de café antes do trabalho, ou sentam para responder e-mails ou trabalham em uma cafeteria.

Mesmo agora, à medida que as medidas restritivas diminuem em muitas áreas mundo afora, existem limitações generalizadas no número de pessoas que podem estar em uma cafeteria ao mesmo tempo. Os cafés estão reabrindo, mas sua lucratividade ainda é comparativamente baixa.

Yarismeth Barrientos é co-proprietária do Avellaneda Café na Cidade do México e co-fundadora do Café con Jiribilla, uma torrefação. Ela me conta que quando o lockdown começou no México, as coisas estavam inacreditavelmente incertas para os dois negócios.

“Ficamos em choque”, diz ela. “Sentimos uma grande responsabilidade em fazer as coisas funcionarem na cafeteria e em garantir que poderíamos pagar salários aos nossos baristas e funcionários, bem como aos produtores com quem trabalhamos.”

T. Ben Grimm promove educação para o café e fundou e dirige a Glitter Cat Barista, uma organização sem fins lucrativos registrada em Nova York. “Tem sido um desafio mental e econômico. Muitos [baristas] estão desempregados e sem gorjetas”, diz T. Ben. 

Além disso, segundo T. Ben, o “novo normal” traz novos desafios. “Estamos ouvindo histórias de clientes que ficam irritados porque um barista diz que eles não podem entrar sem máscara. Lidar com esse tipo de coisa agora faz parte do trabalho deles, e não deveria ser.”

Como as Cafeterias Têm Apoiado seus Funcionários?

Felizmente, algumas cafeterias encontraram maneiras de apoiar seus funcionários, mesmo em tempos difíceis. Alguns desenvolveram certas iniciativas para manter os salários dos baristas mesmo em períodos de baixa venda, enquanto outros iniciaram iniciativas mais amplas para apoiar a ocupação em todo o mundo.

Após algumas semanas em lockdown, Yarismeth diz que foi difícil manter os salários dos funcionários. Para apoiar os funcionários e “garantir que eles tivessem um lugar e um trabalho para onde voltar quando o lockdown acabasse”, Yarismeth e Carlos fecharam temporariamente as portas.

Ela me conta que, apesar de ser uma decisão difícil, deu aos dois a oportunidade de mudar algumas coisas: “Conseguimos abrir nossos olhos para o que poderíamos fazer melhor por nossa equipe e por nossos clientes”.

Agora que Avellaneda foi reaberta, Yarismeth me disse que começou uma campanha em que as pessoas poderiam doar alguns dólares para apoiar diretamente sua equipe. Em troca, ela oferece um pacote de café ou um pequeno curso de barista com o marido Carlos, que já foi vencedor de competições. “Um cliente mencionou esta ideia e nós gostamos muito. Foi bom me sentir apoiada por eles”, acrescenta.

Tanto T. Ben quanto Yaristmeth observam que as gorjetas são fundamentais para os baristas. E em um momento em que nem todas as cafeterias ao redor do mundo reabriram suas portas, as pessoas ainda podem enviar gorjetas por meio de plataformas como o GoFundBean . 

No entanto, T. Ben acrescenta: “Se a sua cafeteria favorita estiver aberta, use uma máscara, pegue uma xícara e dê uma boa gorjeta. Se você costumava dar uma gorjeta de $ 1, dê uma gorjeta de $ 2 se puder. Muitos baristas que trabalham ainda estão em uma situação financeira difícil.”

Iniciativas de Apoio para Cafeterias e Baristas

Em um nível mais amplo, vários dos principais agentes do setor cafeeiro desenvolveram iniciativas para apoiar cafeterias em dificuldades e seus funcionários.

No Reino Unido, a Alpro prometeu £ 325.000 para apoiar cafeterias independentes em todo o país. Este pacote veio na forma de armazenamento grátis para cafeterias, bem como uma campanha de mídia social que direcionou os serviços de mais de 100 baristas que estavam sem trabalho. 

David Jiscoot, Diretor de Marketing da Alpro, disse: “Nossas cafeterias independentes estão enfrentando uma incerteza sem precedentes agora como resultado da Covid-19, e muitas estão enfrentando desafios financeiros significativos”.

David me contou que a Alpro também desenvolveu o fundo “In It Together”, que oferece ajuda financeira imediata a cafeterias independentes.

Outro exemplo é uma colaboração entre a Fellow Products , Glitter Cat Barista, GoFundBean e Mage , um estúdio digital em San Francisco, Califórnia. Juntas, as empresas criaram a iniciativa Come Together , que apoia baristas e cafeterias por meio de uma variedade de esforços diferentes de arrecadação de fundos.

T. Ben explica que as cafeterias podem se inscrever em seu site e, após um processo de seleção cuidadoso e alguma negociação para arrecadar fundos, o Come Together dá dinheiro diretamente para as cafeterias que mais precisam. T-Ben diz que isso é algo que acontecerá em “ciclos”, observando que a iniciativa busca apoiar o maior número possível de cafeterias e torrefações independentes.

“Muitos baristas ainda estão sem trabalho. Eles estão esperando ou saindo para encontrar um trabalho onde possam ganhar mais dinheiro. Muitas lojas estão lutando para manter uma equipe que desejam desesperadamente manter”, ressalta T. Ben.

“Fazer café para as pessoas é a razão pela qual a maioria de nós se apaixonou por este setor. No entanto, os baristas precisam de segurança e um salário viável antes de podermos avançar efetivamente.”

Outras Maneiras de Arrecadar Dinheiro e Apoiar Baristas

Desde o aumento de suas opções de café e mercadorias disponíveis online até o início de “potes de gorjetas virtuais” e campanhas para arrecadar dinheiro para os funcionários, cafés em todo o mundo iniciaram uma série de iniciativas em meses diferentes.

O uso da mídia social tem desempenhado um papel importante. “Tem sido uma boa maneira de atingir um público mais amplo”, diz T. Ben. “Dessa forma, as cafeterias têm a capacidade de estender seu programa de vendas e as pessoas podem experimentar um novo café.” 

Embora as vendas nas cafeterias tenham sofrido um golpe nos últimos meses, as vendas online tiveram um aumento significativo em todas as áreas. Mais e mais pessoas estão fazendo pedidos online para experimentar cafés que nunca experimentaram antes. Além disso, em vários dos principais países consumidores, as assinaturas de café se tornaram cada vez mais populares ao longo de apenas alguns meses.

A mídia social – por meio da publicidade e do boca-a-boca – teve um grande papel nessas tendências. Além de fornecer às empresas a capacidade de recuperar a receita perdida com vendas menores, os pedidos online oferecem aos clientes mais opções do que nunca. A flexibilidade de comprar de várias torrefações diferentes, por exemplo, significa que os clientes podem oferecer apoio a uma gama mais ampla de empresas.

Yarismeth diz: “Boas coisas resultaram desta situação. Aprendemos mais sobre a nossa equipe, sobre as pessoas que estiveram totalmente envolvidas com o nosso negócio. No final das contas, nosso maior e mais valioso bem como empresa é nosso pessoal ”. 

Ela acrescenta que viu muita lealdade em sua equipe. “Isso atrapalhou as coisas para todo mundo. No entanto, aqueles que ficaram estão trabalhando mais do que nunca e demonstrando um profissionalismo incrível. ”

Ela acrescenta que para reconhecer a lealdade que sua equipe demonstrou quando a cafeteria fechou as portas, ela até aumentou os salários dos funcionários. “Eu sei que parece absurdo”, ela me diz. “Mas estamos felizes e queremos que eles sejam felizes.” 

Para cobrir este aumento, Yarismeth e Carlos decidiram expandir seu menu. Eles agora vendem hambúrgueres e biscoitos, bem como café.

“Todo mundo está feliz”, ela me diz. “Nossa equipe está mais integrada do que nunca e podemos ver isso não apenas em palavras, mas também em ações. Eles estão mais motivados, trabalham melhor e estamos felizes por poder fazer isso. ”

Para muitas pessoas, os baristas são a cara do consumo de café. Eles desempenham um papel significativo em apresentar às pessoas novos mundos por meio do café.

Todos na cadeia produtiva do café estão lutando nestes tempos difíceis. Embora as mudanças nos pedidos para viagem e online ajudem, elas não cobrem totalmente a perda significativa de vendas que muitos cafés tiveram nos últimos meses.

Sendo assim, é importante reconhecermos essas dificuldades e fazermos o que pudermos para apoiar os atores de cada etapa da cadeia – incluindo cafeterias, seus proprietários e baristas.

Curtiu Leia também: Como Curtir seu Café com Segurança Enquanto Volta ao Trabalho

Créditos das fotos: Daniela Becerril, Henry Wilson, Julio Guevara

Traduzido por Ana Paula Rosas.

PDG Brasil

Gostaria de ler mais artigos como este? Assine nossa newsletter!