13 de novembro de 2020

Entendendo o Mito Sobre o Café de Variedade Heirloom

Quando falamos de cafés etíopes, usamos descritores como “botão de rosas” e “magnólia”. Mas se você está curioso para saber que variedade específica produz essas notas florais, geralmente fica com apenas uma palavra: heirloom

Nos primeiros dias da terceira onda do café, o heirloom era usado como um nome genérico para descrever cafés da Etiópia. Mas não é um termo muito útil. Como não há reconhecimento das diferentes variedades, os produtores etíopes estão sendo privados de transparência e da oportunidade de obter uma renda mais alta. Os torrefatores não conseguem diferenciar os cafés etíopes, e é negada aos consumidores a chance de saborear sabores novos e emocionantes, porque não está claro qual variedade está sendo oferecida.

Mas mudar a terminologia é mais fácil de dizer do que fazer. Vamos dar uma olhada no que significa heirloom e as dificuldades em obter mais transparência sobre as variedades etíopes.

Talvez você também goste: Geisha x Bourbon: Um Curso Intensivo Sobre Variedades de Café

Um variedade de café da Etiópia suscetível a doenças.

O Significa Heirloom

A palavra heirloom descreve uma cultivar antiga de uma planta cultivada para alimentação. Alguns dizem que uma cultivar deve ter mais de 100 anos para ser classificada como heirloom, outros 50 anos. E há quem classifique as plantas de heirloom a partir de 1945, o que foi aproximadamente quando os híbridos foram introduzidos, ou 1951, quando os híbridos se tornaram mais amplamente disponíveis.

No mundo do café, você encontrará o termo heirloom aplicado a variedades introduzidas na América Latina e na Ásia há mais de cem anos, e também a muitos cafés da África, principalmente da Etiópia.

Você também pode gostar: Enfrentando Mudanças Climáticas com Variedades Híbridas de Café

Café selvagem na Etiópia.

Getu Bekele é gerente da cadeia produtiva da África Oriental na torrefação Counter Culture, nos EUA. Ele também contribuiu para um guia de referência para as variedades etíopes de café. Ele diz que, na Etiópia, o termo heirloom veio com o movimento de especialidade. Os compradores de café especiais que não sabiam quais variedades de Typica e Bourbon estavam comprando classificaram tudo como heirloom.

Mas ele me diz que os produtores de café etíopes têm nomes individuais para diferentes cafeeirosEles provavelmente não usarão o nome científico aceito globalmente, mas usarão uma palavra local. Uma comunidade pode pegar emprestado o nome de uma árvore indígena que compartilhe características físicas com o cafeeiro.

Medina Hussein é gerente de exportação da DW Coffee Export, um fornecedor de café etíope. Ela me diz que os compradores especializados diferenciam os cafés da Etiópia por região, altitude e pontuação de degustação, mas não por variedade.

Os produtores se inclinam a variedades de café melhoradas pelo JARC.

Em termos gerais, você pode classificar as variedades de café etíopes em dois tipos: variedades JARC e raças regionais.

As variedades JARC são aquelas que foram desenvolvidas pelo Jimma Agricultural Research Center (JARC), um dos centros federais de pesquisa agrícola da Etiópia, para aumentar a resistência a pragas e aumentar a produtividade. Existem cerca de 40 dessas variedades. As raças regionais são cafés que crescem selvagens nas florestas da Etiópia. Getu me diz que pode haver mais de 10.000 delas.

Isso significa que, quando um consumidor pega um pacote de café etíope e vê a variedade descrita como heirloom, os grãos vêm de alguma combinação das mais de 10.000 variedades.

Um lote de pesquisa da JARC em Melko.

As Vantagens de Usar Nomes Específicos de Variedades

E se os compradores pararem de pedir heirloom e pedirem variedades específicas? Há um argumento de que isso incentivaria os esforços na Etiópia para se usar uma linguagem comum para o café e que nos ajudaria a entender melhor quais variedades existem em primeiro lugar.

Getu diz: “Se você olhar para o mapa de variedades de café etíopes publicado pela Counter Culture, Kiburi, Sinde, Bedessa, Yawan… todas essas diferentes raças da região oeste e sudoeste da Etiópia, elas têm características diferentes. Eles têm um sabor diferente.

“Se você disser ao agricultor ‘apenas produza as raças do oeste e do sudoeste, ele misturará todas essas variedades diferentes e produzirá sabores mistos”.

Portanto, identificar variedades e vendê-las separadamente pode significar que os compradores tenham uma ideia mais precisa de qual perfil esperar de cada lote.

Getu pediu aos produtores de café da região de Guju que começassem a separar os lotes. Ele diz: “… no final do dia, descobrimos que Kurume [uma raça regional] é uma variedade incrível que mudará todo o perfil de qualidade da área”.

Ele espera que identificar a variedade pelo nome e comercializá-la especificamente ajude os pequenos produtores a ganhar bonificações mais altas em seus cafés.

O uso de nomes de variedades também pode ajudar os produtores de outras maneiras. Plantar uma fazenda grande com café que você conhece apenas como heirloom pode significar que você invista significativamente em plantas que não são resistentes a doenças. Usando nomes de variedades, os produtores podem estar mais informados sobre os riscos da planta que selecionam.

Leia também: Guia do Produtor para Poda e Recepa do Café

Produtores de café Jabanto em Gedeo.

Problemas com o Abandono do Termo

O termo heirloom pode parecer geral demais para ser significativo. Mas seu uso tem algumas vantagens.

Por um lado, nomear cada variedade tem seus próprios problemas. É incomum encontrar a mesma variedade em diferentes regiões. Getu explica que “se você planta uma variedade em Haararge e se planta exatamente a mesma variedade em Yirgacheffe … você não encontra o mesmo potencial de adaptação e não encontra exatamente o mesmo perfil de qualidade”.

O que isso significa é que cada região cultiva variedades com características diferentes, portanto, chamar variedades com o mesmo nome pode ser confuso.

Um comprador de café que se dedicou a se familiarizar com todas as variedades da região de Guji pode descobrir que essa informação não é útil quando se olha as variedades completamente diferentes de Haararge. Isso torna muito desafiador para compradores individuais conhecerem todo o espectro de variedades de café na Etiópia.

Os cafeicultores de Jabanto se reúnem para discutir a ceifa do café.

Outro desafio é que os produtores estão acostumados a misturar variedades na colheita e a vender o resultado simplesmente como heirloom. Portanto, se um comprador deseja apenas cafés regionais, pode ter dificuldade em obtê-lo.

Medina Hussein diz que, se um comprador pedisse que ela obtivesse exclusivamente cafés regionais, “eu só poderia dar 50 sacas ou 100 sacas, nada mais do que isso”. Ela diz que também precisaria que os compradores em potencial solicitassem esse pedido com bastante antecedência, antes da colheita, para garantir que ela possa atender às suas necessidades.

Isso está relacionado ao fato de que muitos dos agricultores da Etiópia são pequenos agricultores que tratam o café como uma cultura comercial. Eles selecionam variedades com base no fato de serem resistentes a doenças e de alto rendimento. O sabor tem menos prioridade.

Um produtor das terras regionais de Gedeo e Guji na fazenda de Tsegaye Tekebo.

Heleanna Georgalis é proprietária da MOPLACO , uma exportadora de café de café verde. Ela me diz que, se um torrefador quiser trabalhar com um fazendeiro para testar uma variedade específica de café, terá dificuldades. “Um agricultor com 0,01 hectare de terra não venderá realmente dez quilos de café e você não o comprará por US $ 200 por quilo apenas porque deseja que ele plante uma variedade chamada Bedessa.”

Portanto, embora agrupar milhares de variedades sob um único termo possa parecer ilógico, no contexto da infraestrutura etíope, faz algum sentido.

Cerejas de café no galho na Etiópia.

O Jimma Agricultural Research Center adota esforços contínuos para documentar geneticamente diferentes variedades de café e alguns compradores estão colaborando para desenvolver um idioma comum para essas variedades.

Mas há um longo caminho a percorrer para documentar todas as variedades e concordar em como se referir a cada uma. “Na Etiópia, levará muito tempo para alcançar [total transparência sobre variedades]”, diz Heleanna.

Getu Bekele vê um futuro brilhante para os cafés etíopes. “Daqui a dez anos, esperamos excelentes cafés de alta qualidade, incríveis e de diferentes partes do país.”

Se os consumidores solicitarem mais detalhes sobre o café etíope oferecido em uma cafeteria, os torrefadores podem começar a perguntar aos compradores quais variedades estão em blends de heirloom. A transparência pode se espalhar pela cadeia de suprimentos e beneficiar todas as partes envolvidas.

Learn more in Como a Diversificação de Culturas Pode Combater os Baixos Preços do Café

Traduzido por Ana Paula Rosas.

Créditos das imagens: Crédito: Getu Bekele e Kyle Petrie

PDG Brasil

Deseja ler mais artigos como este? Assine a nossa newsletter!