13 de outubro de 2020

Modelos de Economia Circular e Digitalização no Setor do Café

O setor cafeeiro como um todo tem pressionado por maior sustentabilidade em cada etapa da cadeia produtiva já há algum tempo. Redução do desperdício e a mudança para embalagens biodegradáveis ​​são, com razão, as principais prioridades do setor. 

No entanto, também é extremamente importante gerar impacto de longo prazo por meio da implementação de modelos circulares sustentáveis ​​no setor cafeeiro, e da digitalização dos principais processos do setor.

Continue lendo para saber mais sobre o que é um modelo de economia circular, alguns exemplos de como ele já está sendo usado no setor e como pode ser impulsionado pela digitalização.

Leia também Como a diversificação de culturas pode combater os baixos preços do café

O QUE É UM MODELO DE ECONOMIA CIRCULAR?

Para entender o que é uma economia circular, devemos primeiro examinar a alternativa: o modelo de economia linear.

O Modelo de Economia Linear

O modelo linear segue um processo muito simples: extrair — fabricar — descartar.

Vamos usar a fabricação de telefones celulares como exemplo. Uma empresa extrai a matéria-prima para montar um telefone celular. Eles então fabricam o telefone e o vendem. O telefone é então usado por um período de tempo, até quebrar ou se tornar obsoleto. O dono do telefone então o descarta.

Você também pode gostar de Cafés Especiais vs Cafés Commodity: Como o lucro, Qualidade e Preços Interagem

modelo de economia circular

Este modelo linear é focado no consumo de recursos e resultados, mas não é sustentável. É um desperdício, principalmente no final, pois o produto é descartado e muitas vezes não é reciclado.

O modelo de economia circular

O modelo da economia circular é baseado na autorrenovação. É um ciclo, ao invés de uma série de processos com um começo e um fim. Em vez de descartar um produto ou subproduto obsoleto, o modelo de economia circular busca reciclar, consertar, reformar ou mesmo reinventar.

Existem vários exemplos de empresas que buscam reduzir seus resíduos no setor cafeeiro. Na fazenda, os caules podados do café são usados ​​para alimentar fornos para secadores de café. A polpa da cereja é usada como fertilizante ou para produzir cáscara. Algumas empresas estão até desenvolvendo cápsulas de café compostáveis ​​ou reutilizáveis , e outras desenvolveram xícaras com  de café usado ou casca de café .

Como isso ajuda os agricultores?

Ao implementar um modelo de economia circular, aperfeiçoamos a sustentabilidade em toda a cadeia produtiva. Ao aperfeiçoamos a sustentabilidade, oferecemos aos agricultores a capacidade de investir em suas fazendas e crescer.

À medida que as fazendas crescem e aumentam a produtividade e a qualidade de suas safras, os exportadores podem se comprometer a comprar mais e mais de sua produção, em vez de escolher apenas os melhores microlotes de café. Isso então fornece ao agricultor mais renda, permitindo que ele invista em sua fazenda e comece o ciclo novamente.

modelo de economia circular

Um modelo de economia circular na África Oriental

Hoje, milhões de produtores de café da África Oriental se encontram em uma situação crítica. Isso é resultado de uma série de fatores, incluindo baixos níveis de produtividade, falta de acesso ao crédito, dificuldades de acesso ao mercado, infraestrutura precária, preços baixos do café e muitos mais.

A Sucafina é uma empresa líder no fornecimento de café sustentável da fazenda para torrefação com sede na Suíça. Possui operações de origem na África Oriental, América Latina e Ásia. Para apoiar os agricultores na África Oriental, a Sucafina criou a Farmer Hub Initiative.

A Farmer Hub Initiative foi concebida como um modelo circular sustentável que fornece aos agricultores melhor acesso a recursos e bens. Ele faz isso de várias maneiras em vários países.

Falei com Justin Archer, COO da Sucafina para a África Oriental e Gerente de Sustentabilidade, para entender como a iniciativa funciona. Ele diz: “Trabalhamos em ciclo com os agricultores. Compramos café dos cafeicultores e também fornecemos serviços e produtos necessários a preços favoráveis ​​à comunidade. Então, esse é o tipo de círculo que queremos traduzir com este modelo.” 

Este modelo circular também permite que os produtores usem seus ativos durante todo o ano. Ao fazer isso, os agricultores geram e liberam mais renda, cobrindo seus custos de forma mais eficaz. Isso cria um ciclo mais sustentável – durante todo o ano.

Darshit Shah é Chefe de Projetos Estratégicos da RWACOF, exportadora de café de Ruanda que faz parte do Grupo Sucafina. Ele diz: “Nossas operações em cada um dos países da África Oriental são adaptadas às diversas dinâmicas da cadeia produtiva de cada país.

“Portanto, as necessidades dos agricultores e, consequentemente, nossas abordagens, em cada um desses países são altamente especializadas. No entanto, o mote comum entre as iniciativas do Farmer Hub é causar um impacto positivo na subsistência dos cafeicultores”.

estação de lavagem de cafe

A Farmer Hub Initiative foi desenvolvida para apoiar os cafeicultores de países produtores de café na África Oriental, incluindo Ruanda, Quênia e Burundi. 

Mercearia em estações de lavagem no Burundi 

Burundi abriga cerca de 600.000 pequenas propriedades de café. 

Falei com Luis Garcia, Country Manager do Grupo Sucafina no Burundi. A BUGESTAL, braço de estações de lavagem de café da Sucafina no Burundi, trabalha com um parceiro local que também possui estações de lavagem privadas na zona rural do Burundi.

Luis diz: “Por meio da iniciativa Sucafina East Africa Farmer Hub, nosso projeto no Burundi se baseia em oferecer produtos básicos a preços de atacado para suas comunidades de agricultores.

“Os agricultores do interior do Burundi são muito vulneráveis ​​às mudanças nos preços dos produtos básicos. Além disso, os intermediários em toda a cadeia produtiva desses bens obtêm margens significativas, inflando os preços finais para os agricultores.” 

Para resolver isso, a BUGESTAL trabalhou em parceria com as comunidades locais para fundar uma rede de varejo chamada “Akacu”, que significa “Nossa”. As lojas Akacu oferecem produtos no atacado às comunidades locais, mas também promovem o empreendedorismo local. Eles são operados como franquias, o que significa que o lucro que obtêm fica dentro da comunidade.

“Fornecemos aos empreendedores a marca e os procedimentos operacionais, os equipamos com móveis básicos e um sistema de TI para operar suas lojas e, o mais importante, usamos nossa escala para barganhar preços competitivos para os produtos que vendem.” Como parte do Grupo Sucafina, a BUGESTAL também compra mercadorias a preços mais baixos, e repassa esse desconto aos agricultores. 

As lojas Akacu estão atualmente localizadas exclusivamente em 9 estações de propriedade da BUGESTAL e nas 13 estações de lavagem de seus parceiros. O objetivo é abrir mais 28 lojas fora das estações de lavagem para atingir um público rural mais amplo até o final de 2020, e outras 150 até o final de 2021.

Justin diz: “Nossa intenção aqui, do ponto de vista da sustentabilidade, era tentar reduzir o custo de vida dos agricultores. Se eles puderem comprar produtos alimentícios a preços promocionais, isso terá algum impacto na economia local.” Em teoria, esse crescimento econômico levaria ao aumento dos níveis de produtividade.

terreiro suspenso para secagem de café

Diversificação de safras e banco digital em Ruanda

Além de ser uma das economias de crescimento mais rápido da África, Ruanda é o lar de cerca de 400.000 pequenos cafeicultores. 

Semelhante ao Burundi, existem lojas de varejo localizadas em todas as estações de lavagem de Ruanda para aumentar o acesso a produtos básicos. Nessas lojas, os agricultores também podem trocar diretamente suas cerejas de café por outros produtos.

No entanto, essas lojas aceitam mais do que apenas cerejas de café dos agricultores. Justin me disse que muitos cafeicultores em Ruanda também produzem milho. Isso mantém a estabilidade financeira na entressafra do café e usa os equipamentos agrícolas existentes.

As espigas de milho são secas nos mesmos terreiros suspensos usados para secar as cerejas de café. Isso significa que os terreiros são completamente utilizados em sua capacidade máxima durante todo o ano, ao invés de ficarem vazios por meses na baixa temporada.

Isso significa que a infraestrutura agrícola está sendo usada ao máximo, proporcionando ao agricultor uma renda adicional. Consequentemente, os custos operacionais diminuem para todos, incluindo o agricultor e a Sucafina. Todo mundo economiza dinheiro e todos se beneficiam. 

De acordo com Darshit, “a maioria dos agricultores de milho em Ruanda colhe, seca e debulha o milho em suas casas e / ou por meio de cooperativas”. Ao se oferecer para comprar milho no varejo, a Sucafina diversifica sua receita e ajuda os produtores a serem mais estáveis. 

grupo de produtores de café

Outro serviço que está sendo testado em Ruanda por meio do Farmer Hub é uma nova plataforma de banco online para agricultores. Cerca de 75 a 80% da população total em Ruanda tem acesso a telefones celulares, mas muitos agricultores ainda não têm acesso a bancos. A maioria deles vive em áreas rurais remotas, enquanto os bancos estão localizados a centenas de quilômetros de distância nas cidades do país.

Justin diz: “Em Ruanda, transformamos estações de lavagem em agências de bancos.” Por meio da iniciativa Farmer Hub, o RWACOF fez parceria com o Equity Bank para facilitar o agenciamento bancário nessas estações de lavagem. 

Isso significa que os agricultores podem ir às estações de lavagem, abrir uma conta no banco, depositar dinheiro, enviar dinheiro para outras contas e sacar dinheiro. Também permite que os agricultores tenham acesso ao crédito e paguem ou reembolsem usando as cerejas que entregam na mesma estação.

Justin me conta que, desde o início do projeto, eles abriram cerca de 14.000 contas bancárias para agricultores de Ruanda. 

Darshit diz: “O próximo passo e grande meta é que os produtores possam ter acesso a empréstimos para preparação da fazenda e necessidades de dinheiro fora da temporada, para coisas como mensalidades escolares, seguro saúde, sapatos e assim por diante.

“Ao compartilhar dados e garantir a contratação, estamos finalmente fazendo progressos na facilitação desses empréstimos.”

modelo de economia circular

Análise digital de solo no Quênia

O café no Quênia é produzido por pequenas fazendas (das quais existem cerca de 700.000) e propriedades. Embora a agricultura no país esteja razoavelmente desenvolvida, existem algumas práticas que ainda podem ser aprimoradas. Um exemplo é a aplicação correta de fertilizantes. Uma boa fertilização melhora a produtividade e, portanto, a lucratividade da fazenda.

Mette-Marie Hansen é Diretora Geral da Kenyacof, que faz parte do Grupo Sucafina. Ela diz: “Aprendemos que a maioria dos pequenos agricultores não conhece a qualidade do solo ou os nutrientes disponíveis. Aplicar o fertilizante errado muitas vezes resulta em desperdício de dinheiro e o produto usado não contribui para a fertilidade do solo.”

Ela explica que ao testar o solo dos agricultores, Kenyacof pode recomendar fertilizantes adequados para garantir a absorção ideal de nutrientes. Isso cria solo mais fértil e torna a agricultura mais produtiva e sustentável. 

Mette-Marie explica que Kenyacof também lançou uma iniciativa para empregar jovens (em idade permitida para trabalhar) das comunidades que representam para realizar os testes de solo. Segundo ela, o plano é transformar isto em um trabalho de tempo integral, abrangendo não só as fazendas de café, mas também outras lavouras e alimentos animais. Ela diz: “O número alvo de agricultores em 2020 é de 5.000. O objetivo é testar o mesmo solo novamente nos próximos 12 meses para ver os resultados.

“Um aplicativo (Kahawa Soil App) se conecta ao scanner e fornece um relatório do estado do solo. O relatório do estado do solo está disponível no smartphone do agente em 10 minutos e indica o nível de nitrogênio total (N), fósforo total (P) e potássio cambiável (K) no solo, bem como o nível de pH, carbono orgânico total, temperatura do solo e capacidade de troca catiônica. ” 

Como todos os dados são armazenados na nuvem, o departamento de agronomia pode fazer o acompanhamento com os agricultores. Ao auxiliar os agricultores na análise do solo, eles podem melhorar a qualidade do solo e, consequentemente, a produtividade da planta, beneficiando tanto o exportador quanto o agricultor.

Os recursos de análise de solo do aplicativo não se limitam apenas ao café, no entanto. Ele pode ser usado para outras áreas da agricultura e culturas diferentes. Como o aplicativo pode ser usado para várias safras diferentes, é muito mais valioso para os produtores. Isso torna o custo de oportunidade de usar o aplicativo (em termos de quanto tempo “custa” para aprender) muito mais baixo.

leitora de solo

Todos os três projetos no Quênia, Burundi e Ruanda fazem parte de uma iniciativa mais ampla que tem um objetivo final simples: melhorar a utilização e os resultados para os produtores de café.

Justin diz: “Começamos há um ano e as lojas já estão muito cheias. Estamos comprando muito milho e abrindo muitas contas bancárias. 

“Ao direcionar recursos de volta para os agricultores e de volta às suas comunidades, estamos desbloqueando um potencial incalculável; cadeias produtivas novas e mais sustentáveis ​​para ambas as partes e acesso a recursos que melhoram o bem-estar das famílias.”

A digitalização melhora o acesso para os agricultores, enquanto os modelos de economia circular geram impacto positivo para todos. Quando ambos são implementados, eles beneficiam toda a cadeia produtiva. 

Gostou disso? Então leia  Como a Assistência Técnica Beneficia os Produtores de Café?

Traduzido por Ana Paula Rosas.

Créditos das fotos: Sucafina Specialty, RWACOF, Julio Guevara, Meklit Mersha, Photogenix Studio

Imagem de topo: Joel, que integra a equipe de divulgação agrícola da Especialidade Sucafina, inscreve agricultores para a plataforma digital Sucafina 

PDG Brasil

Nota: Este artigo foi originalmente patrocinado pela Sucafina

Gostaria de ler mais artigos como este? Assine nossa newsletter!