7 de outubro de 2020

Cafés Especiais vs Cafés Commodity: Como o lucro, Qualidade e Preços Interagem

O preço do café é um assunto complexo, sejam eles cafés especiais ou café commodity, mas as margens de lucro são ainda mais. Rendimento, qualidade, oferta e demanda e as condições de colheita afetam diretamente o quanto os produtores recebem – e por consequência, o quanto esse café vai custar aos torrefadores, importadores e comerciantes.

Embora os profissionais do café de terceira onda possam pensar que precisam apenas saber sobre os preços do café especial, uma colheita ruim ou chuvas inesperadas podem rapidamente transformar uma colheita de café especial em um café commodity.

Portanto, como corretor de café, permita-me levá-lo através das diferenças entre preços e lucros do café especial e do café commodity – e por que precisamos repensar nosso modelo.

Leia também  Como Traders de Café Podem Melhorar o Reconhecimento de sua Marca?

preços do café

Bica Corrida vs Cup Scores

A maioria dos compradores de cafés especiais pagará os bônus com base na qualidade. Em alguns casos, é bem simples: todos os cafés acima de 80 pontos, por exemplo, recebem um determinado bônus no preço. (Lembre-se, uma pontuação de 80 a 100 nas xícaras define que um café é especial.) Por exemplo, um produtor pode receber US$ 1,50 (por libra) a mais em relação ao preço internacional do café. Outras empresas oferecem bônus crescentes à medida que a pontuação da xícara aumenta, até que os grãos atinjam o cobiçado status 90+.

Para compras tradicionais de café, no entanto, o sistema pode ser bastante diferente.

Os grãos de café no Brasil são comumente colhidos e vendidos como bica corrida, que é quando o café não tem separação de peneiras. Um lote de bica corrida conterá uma mistura de tamanhos dos grão, além de grãos defeituosos e outras coisas mais. E isso pode ser considerado um padrão comum na indústria cafeeira, não apenas no Brasil, mas em muitos outros países produtores.

Mas enquanto alguns exportadores compram bica corrida, o cliente final não. Empresas como Starbucks, Dunkin Donuts, Tim Hortons, Julius Meinl, Nescafé e assim por diante compram milhões e milhões de sacas ano após ano. No entanto, o café que eles compram é basicamente livre de defeitos e com um tamanho de peneira específico.

Veja também: Como exportar café? Um guia para produtores

Isso significa que existe uma lacuna entre o que os comerciantes e importadores compram e o que eles podem vender. E essa diferença afeta os preços em todo o setor.

Quantidade de defeitos e tamanhos de peneira

A cada colheita de café, produtores e comerciantes esperam ansiosamente para ver se haverá impacto dos fatores ambientais e ecológicos que influenciam diretamente na colheita. Geadas inesperadas, chuva, seca, broca, ferrugem, fenômenos como el niño … Todos estes fatores podem prejudicar a colheita final.

E eles não resultam apenas em grãos defeituosos. Eles também podem resultar em colheitas menores e de grãos menores.

Na indústria de café especial, um rigoroso controle de qualidade durante todo o ano ajudará a limitar o número de grãos defeituosos e/ou de tamanho inconsistente que chegam ao lote final. Desde dos perigos da broca do café até as boas práticas de colheita, os produtores estão constantemente monitorando e cuidando de suas safras. Quaisquer grãos que não sejam de alta qualidade serão removidos: os produtores sabem que seus lucros e o relacionamento com os compradores dependem disso.

No café considerado commodity, os baixos ganhos também terão um impacto sobre os produtores – mas, como eles são pagos pelo peso, em vez de uma combinação entre peso e qualidade, os grãos com defeito ou com tamanhos menores permanecerão no lote. Dessa forma, será o comerciante que irá classificar e separar esses grãos.

Você pode gostar de: Como Garantir a Qualidade Durante o Transporte e Armazenamento do Café Verde

cereja do café

Quem paga por grãos com defeitos e grãos menores?

Em 2017, os valores pagos nas usinas de beneficiamento no Brasil foram baixos, especialmente para grãos maiores. Meu pai, produtor da Chapada de Minas, microrregião da Capelinha, no estado de Minas Gerais, percebeu essa diferença. Normalmente 30% da sua colheita era de grão verdes maiores (tamanho de peneira 16+); em 2017, foram apenas 19%.

E então, quem paga por isso?

No direct trade (ou “comércio direto”), o custo dos defeitos e dos grãos menores serão pagos pelo produtor – que não receberá o valor desejado – ou pela torrefação – que irá comprar os grãos, mas potencialmente não poderá vendê-los .

Em um processo de compra mais comum, muitas vezes será – em um primeiro momento – o exportador que irá pagar. Isso ocorre porque eles precisarão de mais café para preencher uma saca de 60 kg. Para obter café suficiente, eles precisarão investir mais dinheiro e comprar mais sacas dos agricultores (10 a 15% a mais, dependendo da produção).

Quando você precisa comprar mais sacas de café para cumprir a mesma remessa do ano passado, isso significa custos extras. Para começar: se você tiver que pagar 10% a mais este ano para concluir um contrato de venda, isso significa que você tem 10% a mais de seu capital investido em uma venda para talvez receber entre 30 a 90 dias depois. Há também o aumento dos custos de processamento e armazenamento. Se você comprou 1.000 sacas de bica corrida no ano passado e este ano precisa comprar 1.100 sacas, são 100 sacas extras para classificar e preparar.

Esse café acabará sendo enviado para o seu destino – mas e o restante do café que foi separado? Como isso afeta o restante da cadeia produtiva?

Veja também: Como Relações de Longo Prazo Melhoram a Sustentabilidade na Origem?

saca de café

O “efeito cascata” dos custos da inconsistência na produção

Para os produtores de cafés especiais, baixas produções, tamanhos inconsistentes de grãos e altas taxas de defeitos representam custos mais altos e rendas mais baixas. Mais mão-de-obra precisará ser investida na triagem do café, mas como a produção geral será menor, os lucros também serão menores. Parte do café pode precisar ser vendido como bica corrida a compradores de commodities. Quanto aos colhedores de café, eles normalmente são pagos por peso e, portanto, também ganham menos.

Mesmo quando os torrefadores do direct trade cobrem os custos dos lotes de baixa qualidade, produtores e trabalhadores rurais sentem o custo de taxas de colheita mais baixas.

No café commodity, já vimos como alguns dos custos de inconsistência são cobertos pelo exportador. (Isso não quer dizer que o café commodity seja mais lucrativo para os produtores, pois o preço por libra/peso é significativamente mais baixo. No entanto, pode ser menos arriscado.) Os exportadores podem tentar obter preços mais altos dos importadores, mas seus clientes raramente desejam pagar significativamente mais pelo mesmo café que receberam no ano passado.

Ao negociar os preços do café, os compradores – sejam importadores, torrefadores de direct trade ou exportadores – devem estar sempre cientes das últimas condições de colheita. De fato, muitos exportadores brasileiros com quem converso nem assinam novos contratos de vendas no ano; eles sabem que não são rentáveis ​​o suficiente. Isso, por sua vez, pode frustrar os importadores que precisam de café e também pode dificultar para os produtores que não conseguem vender suas colheitas.

Então, existe uma solução?

preços do café

A necessidade de comprar todos os tipos de grãos de café

Embora possamos ter um café ideal em mente – um single origin com mais de 86 pontos ou um tamanho de peneira 18 – todo café precisa encontrar um comprador. Além disso, todo comprador precisa de uma certa quantidade de café.

Estar aberto à compra de café de menor qualidade ou de menor tamanho pode apoiar os produtores, mesmo que, por sua vez, você venda para clientes diferentes do habitual. Por exemplo, você pode vender parte da safra de um produtor para cafés ou torrefações especiais e o restante para compradores de commodities. Como alternativa, você pode ter dois níveis de cafés especiais: um que seja excepcional e outro que atenda a 80-82 pontos.

Além disso, lembre-se de que, embora os grãos maiores estejam associados à qualidade, isso nem sempre é verdade. Um café de alta qualidade com uma peneira 13 pode ter o mesmo sabor que um café com uma peneira 16+. Embora você deseje que seus grãos tenham tamanhos consistentes, não há motivo para que você também não possa comprar os grãos que foram separados do lote com base no tamanho, supondo que não estejam com defeito.

Obviamente, os compradores de café são pessoas de negócios. Você precisa comprar café para vender com lucro e isso também se ajusta à sua marca. No entanto, a compra de café “menos valioso” pode ajudá-lo a negociar um preço geral melhor, além de apoiar produtores e exportadores durante anos desafiadores. Isso contribui para uma indústria cafeeira mais sustentável, além de permitir que você lucre. E isso, na minha opinião, faz com que seja uma idéia que vale a pena considerar.

Traduzido por Daniel Teixeira

Crédito das imagens: Thomas Raad e Ana Valencia

PDG Brasil

Gostaria de ler mais artigos como este? Assine nossa newsletter!