30 de setembro de 2020

A Indústria do Café na China, dos Torrefadores aos Consumidores

“Fabricado na China” não é uma frase difícil de se encontrar, mas e “Torrado na China” ? Essa é uma história bem diferente.

O mercado de café da China tem atraído a atenção global. O plano recente da Starbucks de abrir 3.000 novas lojas nos próximos cinco anos é apenas um dos muitos desenvolvimentos que destacam a China como um país consumidor de café em ascensão. Mesmo assim, pouco se sabe internacionalmente sobre a indústria de torrefação e consumo de café do país.

Então, conversei com Peter Radosevich, líder da equipe de vendas internacionais da Royal Coffee , sobre a venda e torrefação de café na China – e que impacto isso poderia ter globalmente.

Você também pode gostar de Os Principais Defeitos do Grão de Café Verde e Como Identificá-los

A grande Muralha da China.

Crédito: Hanson Lu

O Consumo de Café na China

Vamos primeiro entender os consumidores de café do país.

O relatório de 2018 do Departamento de Agricultura dos EUA sobre o mercado de café mostra que o consumo interno de café na China quase dobrou nos quatro anos anteriores. Enquanto esse mesmo número gira em torno de apenas 10% e 15% na União Europeia e nos EUA, respectivamente, podemos ver que o potencial para o mercado chinês é enorme.

De fato, muitas empresas multinacionais fizeram recentemente grandes investimentos. Peter me disse que a Luckin Coffee arrecadou mais de 1 bilhão de yuan ¥ (moeda chinesa)  (aproximadamente US$ 144 milhões / € 126 milhões) no início deste ano para competir com a Starbucks no varejo de café. Uma quantia significativa desse financiamento é proveniente de Cingapura. O canadense Tim Hortons também planeja abrir mais de 1.500 lojas , enquanto a rede britânica Costa Coffee planeja triplicar seu número de lojas chinesas até 2022 .

Peter me diz que o consumo chinês de café está evoluindo rapidamente, com uma crescente consciência da qualidade. No entanto, a cultura cafeeira local ainda é diferente da que você encontrará em países como os EUA. Por exemplo, as pessoas raramente moem e preparam café em casa.

Segundo Peter, “o café instantâneo ainda compõe a grande maioria do consumo” – algo que é comum em muitas culturas tradicionais de chá, incluindo o Reino Unido .

Bebidas à base de café em uma cafeteria.

Crédito: Blake Wisz

Paladar para Torras Mais Doces

Mas, à medida que cresce a sede chinesa por café, que tipos de bebidas os chineses estão escolhendo?

Peter explica que há uma diferença geracional. Consumidores mais velhos tendem a preferir cafés com baixo teor de ácidez e mais encorpados , como o Sumatra Mandheling. Consumidores mais jovens expostos a torrefações de terceira onda , por outro lado, podem desfrutar de torras ​​mais leves com um perfil frequentemente mais ácido .

Ele também menciona que os consumidores chineses costumam preferir cafés doces e limpos, por enquanto. “As preferências atuais certamente mudarão à medida que as cafeterias ou cadeias comerciais domésticas se abrirem e o conhecimento dos consumidores continuar a crescer”.

Além disso, ele me diz que a cultura de café especial de Taiwan, Coreia e Japão também influenciam a indústria cafeeira chinesa. “As principais marcas dos EUA, como Blue Bottle, Intelligencia etc., ainda carregam peso e admiração”, diz ele. “No entanto, mais empresas e profissionais de lugares como Taiwan e Coréia vêm oferecer treinamentos e abrir negócios”.

Como resultado, por exemplo, “muitos torrefadores de cafés especiais ainda retiram muitos ou todos os defeitos pós-torra à mão, para garantir um resultado final na xícara mais limpo (algo inédito quando comparado com muitos torrefadores dos EUA)”.

Pesando grãos de café torrados em uma balança.

Crédito: Maria Fernanda Gonzalez

Quem Torra o Café na China?

Enquanto o mercado de café da China está crescendo, a maior parte do que as pessoas produzem e bebem é na verdade torrada no exterior.

Segundo o relatório do USDA , a China deverá importar 48 milhões de quilos de café torrado e moído em 2018/19. Este é um enorme crescimento se comparado com apenas 5,6 milhões de quilos em 2013/14.

No entanto, a China também prevê importar 120 milhões de quilos de café solúvel em 2018/19. Este é outro aumento significativo de 41 milhões de quilos em 2013/14.

E as importações de grão verde da China são insignificantes, nem mesmo listadas no relatório. Por outro lado, no mesmo relatório, prevê-se que os Estados Unidos importem 1,6 bilhão de quilos de café verde e apenas cerca de 12 milhões de quilos de café torrado e moído em 2018/19.

Em outras palavras, nos EUA, apenas 2% do café que entra no país é café torrado, moído ou solúvel, enquanto quase 66% da demanda total de café da China é atendida por importados torrados, moídos ou solúveis café.

As experiências de Peter suportam esses dados. “Embora existam histórias todos os dias sobre a ascensão do café especial na China, a realidade é que a maioria do consumo ainda é de café instantâneo ou de qualidade inferior. Grande parte do café importado da China é de Robusta do Vietnã de nível inferior. ”

O café é derramado no resfriador depois de torrado.

Os Torrefadores Chineses

Existem poucos torrefadores na China em comparação com os países consumidores de café ocidentais. No entanto, o número está crescendo.

Peter divide os torrefadores da China em dois tipos: torrefadores de grande escala em escala comercial e torrefadores de microtorrefações. As grandes torrefadoras em escala comercial são aquelas que se concentram no fornecimento de grãos torrados para café instantâneo ou grandes empresas atacadistas. Os torrefatores de microtorrefações, por outro lado, são aqueles que geralmente buscam maior qualidade e torras de pequena escala, normalmente para suas próprias lojas, mas ocasionalmente também para um número limitado de consumidores atacadistas. Essas torrefações normalmente usam torrefadores de 500g ou 1 kg.

O mercado de torrefação doméstica também mostra um crescimento gradual na China continental. Peter acredita que poderia ter um grande potencial, dadas as tendências semelhantes em Taiwan.

Um amplo mercado de comércio on-line também é uma característica exclusiva da indústria de torrefação chinesa. Peter me diz que existem muitas empresas de torra com pouca ou nenhuma presença no varejo e que se concentram apenas na criação de presença online.

Café torrado escuro

Crédito: Gregory Hayes

Desafios para as Torrefações

Não importa onde você esteja, operar uma torrefação é sempre difícil. Compreender as necessidades de mudança dos consumidores, manter a qualidade consistente, equilibrar a oferta com a demanda … Há muitos aspectos a serem considerados. Mas Peter me diz que torrefadores na China enfrentam um conjunto adicional de desafios.

Primeiro, eles precisam obter licenças para torrar. “A dificuldade em obter licenças para torrefação é atualmente um dos maiores problemas para a indústria de torrefação chinesa”, diz ele.

“Na tentativa de manter padrões ambientais mais rígidos, o governo reprimiu o número de empresas autorizadas a produzir emissões. Ele se tornou mais rigoroso nas maiores cidades de Nível 1 [Pequim, Xangai, Guangzhou, Shenzhen e Tianjin], que também abrigam os maiores consumidores de café do país.

“Com as licenças cada vez mais difíceis de obter, muitos torrefadores tiveram que mudar suas operações para áreas industriais mais remotas fora dos principais centros populacionais. Em alguns casos, os torrefadores pagam para usar as instalações de um torrefador já permitido, a fim de evitar o árduo processo de tentar obter uma licença por conta própria. Essas dificuldades também fizeram com que alguns torrefadores pequenos operassem sem operações adequadamente autorizadas. ”

Em segundo lugar, os torrefadores chineses frequentemente enfrentam preços exorbitantes de equipamentos. Peter diz que os acordos de distribuição exclusiva que muitos grandes torrefadores e fabricantes internacionais de equipamentos têm na China permitem que algumas empresas monopolizem o mercado e aumentem os preços.

Além disso, ele me diz que a educação em processos de torra não é tão facilmente acessível como em alguns países. No entanto, o mercado de treinamento para café tem uma presença significativa na China. “Observando o site do CQI (Coffee Quality Institute) que certifica Q-graders, há mais certificados na Grande China do que combinando Indonésia, Brasil, Guatemala, Etiópia, Vietnã, Honduras, Peru, México e Costa Rica”, enfatiza.

“Isso significa que a China tem mais experiência em café do que todos os países produtores juntos? Talvez não, mas indica um nível de interesse no café especial e provavelmente é um bom presságio para a indústria. ”

Uma saca de café de Yunnan projetada para turistas.

Para Onde Vai o Café Produzido na China?

A China não é um país somente de consumidores; mas também produz café . Então, quem bebe esse café?

A China produziu aproximadamente 120 milhões de quilos de café verde a cada ano, de 2014 a 2018. Yunnan, onde grande parte do café da China é cultivado, produz principalmente café arábica, que depois é exportado para a Europa. Como Peter diz, “torrefadores especiais no continente [China] usam principalmente cafés importados”.

No entanto, a crescente população de torrefadores da China pode recorrer ao café produzido em casa para obter algumas vantagens.

Peter me diz: “Grande parte do café importado para a China tem um imposto de 8%, sem mencionar o custo do transporte e outros encargos de importação relacionados. Se a qualidade e o preço da produção de Yunnan ficarem parecidos com os países produtores … poderia se tornar um café mais amplamente utilizado entre os torrefadores domésticos. Muitos já usam uma porção de Yunnan [café] para ajudar a manter os custos baixos em certos blends de café espresso.

“No entanto, o café especial em Yunnan ainda tem um longo caminho a percorrer. Ainda existem problemas de processamento, e muitas das áreas de elevada altitude, mais adequadas para o cultivo de café de alta qualidade, também são cobiçados para produção de chá.”

Cerejas de café amadurecendo.

Crédito: Clint McKoy

IMPACTO DA CHINA NOS MERCADOS OCIDENTAIS

Para onde está indo o café chinês? E, como muitas coisas em nossa sociedade global, as tendências de consumo chinesas afetarão como as pessoas nos EUA e na Europa bebem café?

A resposta simples é: sim (até certo ponto).

Peter diz que, se o consumo chinês de café continuar crescendo, poderá ter uma influência extensiva nos preços e na disponibilidade global. Embora ainda haja um longo caminho a percorrer, “se a China chegar a um ponto em que beba metade do café per capita que os EUA bebem, veríamos uma enorme oferta global de arábica.

“Os preços dos 1% grãos arábica superiores, aumentariam e a concorrência pelos melhores lotes dos principais países produtores também aumentaria.”

Nesse ponto, o consumo e a torrefação de café chineses teriam um impacto significativo na forma como consumimos nossas bebidas matinais.

Até lá, vamos ficar de olho neste novo participante empolgante da indústria cafeeira global.

Traduzido por Daniel Teixeira.

PDG Brasil

Nota: Este artigo foi originalmente patrocinado pela Royal Coffee, Inc .

Gostaria de ler mais artigos como este? Assine nossa newsletter!




Publicações relacionadas: