1 de julho de 2020

Pare! Antes de tirar Aquela Foto da Fazenda de Café, Leia Isto

Lembro-me claramente da minha primeira vez na origem: como um amante de café de longa data vindo de um país não produtor, conhecer pessoas que cultivam meu café e ver como elas fazem isso é mágico. Então, foi tentador tirar minha câmera para documentar cada minuto do meu tempo lá.

Mas deveríamos realmente tirar fotos dessas crianças fofas na fazenda ou do catador que não nos conhece? E mesmo se estiver tudo bem, devemos compartilhar essas fotos em nosso Instagram pessoal ou blog da empresa?

Ao tirar fotos na fazenda, precisamos fazer uma pausa antes de fotografarmos. Devemos separar um momento para considerar as questões de consentimento e representação. Porque, se não, estamos fazendo um desserviço às comunidades produtoras que estão nos recebendo em seu mundo. Conversei com Evan Gilman, diretor criativo da Royal Coffee, para saber mais.

Leia também Debate: Devemos Beber Café Instantâneo ou Café em Grãos?

foto da fazenda de café

O café seca em terreiros suspensos sob o sol no beneficiamento Kochere Chelelektu Torea, na Etiópia. Crédito: Evan GilmanRoyal Coffee

Consentimento: O que Isto Significa para Fotos?

Consentimento é um termo denso, então vamos começar definindo o que isso significa na fotografia.

Evan me diz que consentimento é “a vontade de participar e a vontade de fazer parte de qualquer solicitação ou ação de alguém. Então, tem que ser uma situação mutuamente acordada.”

Em outras palavras, não se trata apenas de obter permissão. É sobre o assunto querer ser incluído – mas mais sobre essa distinção por vir. Por enquanto, vamos buscar pedir consentimento.

Temos que obter consentimento toda vez que queremos fotografar algo ou alguém?

Sim. Evan diz: “É sempre necessário obter consentimento”. Ele enfatiza que isso é importante por razões éticas e legais. Se houver alguma compensação ou ganho monetário envolvido, o consentimento se torna crítico.

Você pode gostar de Qualidade da Água: O que Donos de Cafés e Baristas Devem Saber

coffee producer

Niyigeteka Azarias, gerente de beneficiamento seco da Dukunde Kawa Musasa Ruli, Ruanda, é responsável pelas operações e manutenção. Crédito: Evan GilmanRoyal Coffee

Você precisa do consentimento de todos que estão na foto?

Se a foto apresentar um grande grupo de pessoas, fica muito difícil receber o consentimento de todos – especialmente se as pessoas estiverem trabalhando e, portanto, pode não ser tão fácil falar com elas.  

Legalmente, os requisitos variam de país para país. Você deve estar ciente disso antes de viajar. Alguns seguem a regra de “serem reconhecíveis”, o que pode te liberar de obter o consentimento de pessoas em segundo plano.

Evan me diz que, se você souber que vai visitar um lugar onde poderá tirar fotografias em grupo, é uma boa ideia falar com seu contato e pedir consentimento com antecedência.

foto da fazenda de café

O tour Royal Coffee’s Ethiopia 2017 visita a fazenda METAD’s Alaka na Etiópia. Crédito: Evan GilmanRoyal Coffee

Depois de obter o consentimento para tirar a foto, você está liberado? 

Não necessariamente. O consentimento pode ser retirado ou ter limitações. Evan enfatiza que você não deve assumir que, tendo tirado a foto, seu trabalho está feito.

As pessoas devem poder ver a foto, pedir outra se quiserem e até negar o direito de manter ou usar a foto depois de tirada.

Se você quiser tirar uma fotografia, informe o indivíduo sobre o que planeja fazer com ela. Ele pode consentir em fazer parte das suas fotos de férias, mas não da sua campanha de marketing, por exemplo. O consentimento não informado não é consentimento.

Evan sugere trocar informações de contato. Isso permite que os fotografados entrem em contato com você mais tarde para dizer que não desejam que uma foto seja usada.

Tudo bem por enquanto? Agora, vamos ver quando as coisas ficam complicadas.

produtor de café

Abdallah Khalfani, gerente de beneficiamento da Budeca Dry Mill, no Burundi, que processa aproximadamente 50% do café exportado do país. Crédito: Evan GilmanRoyal Coffee

Consentimento Coagido: Quando “Sim” não é Realmente “Sim”

As relações de poder tornam complicado o consentimento. Se alguém diz “sim” porque sente que não pode dizer “não”, realmente consentiu? Enquanto legalmente você pode estar livre (dependendo dos detalhes da situação), eticamente você está seguindo uma linha tênue.

Digamos que um trabalhador não queira que você o fotografe – mas também não quer irritar o chefe dele. Ou talvez um produtor não queira que um mestre de torra fotografe sua família, mas também não quer perder uma venda se esse mestre de torra parecer rejeitado. Nesses casos, o indivíduo pode dizer “sim”, mesmo que não esteja disposto a participar.

Evan diz que você tem que ler as expressões das pessoas. “Se eles estão dizendo ‘sim’, mas não com os olhos, e a linguagem corporal deles está fechada para você”, ele me diz que eles podem se sentir coagidos.

Ele também recomenda que você “converse com [fotografados em potencial] quando eles não estiverem sob a supervisão direta de alguém que possa tê-los coagido a aceitar”.

Esta é sua responsabilidade. Você deve procurar o consentimento real e genuíno o tempo todo. E se a resposta de um sujeito for “não”, independentemente de ser declarada explicitamente ou indicada por meio da linguagem corporal, é importante respeitar isso.

comunidade cafeeira

Gesio Teshome, da Cooperativa Hafursa, trabalha no beneficiamento da cooperativa, ao norte da cidade de Yirgacheffe, na Etiópia. Crédito: Evan GilmanRoyal Coffee

Crianças: Eles Podem Realmente Consentir?

Se o consentimento é complicado com adultos, é ainda mais difícil com crianças e adolescentes. Legal e eticamente, pode haver problemas, uma vez que as pessoas menores de idade não são consideradas capazes de dar consentimento.  

Evan me diz: “Se houver crianças por perto, especialmente sem a supervisão dos pais, não acho que seja uma boa prática tirar fotos de crianças”.

Ele reconhece que há momentos em que as crianças podem concordar verbalmente e mostrar entusiasmo. No entanto, é possível que eles não tenham um entendimento completo da situação. “Eles podem não entender que suas fotos podem ser usadas para ganho financeiro ou para promover uma certa pauta que eles podem não concordar posteriormente”, diz ele.

Há alguma exceção a isso? Evan diz: “Eu pessoalmente não acho que seja responsável tirar fotos de crianças, a menos que elas estejam me perguntando e me dando um tapinha nos ombros.” Ele acrescenta: “Eu ainda não publicaria [essa foto] para uso em situações comerciais ou qualquer outra coisa. “

tirar foto da fazenda de café

10 km a sudeste da cidade de Gedeb, na zona produtora de café Gedeo, na Etiópia. Crédito: Evan GilmanRoyal Coffee

Represente, não Estereotipe 

O consentimento não é o único problema da fotografia.

Como alguém de fora, muitas vezes você entra em uma comunidade com preconceitos. No entanto, isso pode levar a estereótipos de pessoas, em vez de representá-las. Como você garante que você dê vida ao indivíduo em vez de usá-lo como suporte para sua história?

É importante entender que o que você espera de uma situação e como a interpreta pode ser diferente da realidade local. “Como fotógrafo, é difícil registrar pessoas em determinadas situações”, diz Evan, por esse motivo preciso.

Peço que ele me explique. Ele diz: “Por exemplo, quando chego ao trabalho, às vezes me pedem para vestir de uma certa maneira ou agir de uma certa maneira. E essas situações podem acabar estereotipando seu assunto… porque eu nem sempre [uso essas roupas] na minha vida cotidiana. ”

mulher que trabalha no café

Mukamurigo Emerithe, Gerente Geral da estação de lavagem e beneficiamento a seco da Cooperativa Dukunde Kawa, Ruanda. Crédito: Evan GilmanRoyal Coffee

Ele acrescenta que situações semelhantes podem ser encontradas na fazenda. Se você estiver visitando alguém em seu local de trabalho, como uma estação de lavagem ou beneficiamento, eles podem estar vestindo roupas que não se importam em sujar. Mas talvez eles não queiram ser retratados dessa maneira. Talvez eles prefiram ser retratados com roupas melhores e mais limpas – de maneira que eles se sintam representando melhor quem são e as vidas que levam.

Os momentos que você escolhe fotografar são apenas uma parte da vida diária de seus fotografados. No entanto, as imagens geralmente representam a vida inteira deles para as pessoas que as veem.

Evan sugere passar um tempo conhecendo o indivíduo. “Eu me envolvo com [pessoas nas comunidades produtoras] no que elas fazem no dia a dia e pergunto sobre a vida delas. Então, as pessoas ficam mais dispostas a trabalhar com você… e elas também entendem o que você é…”

“Acho que não apenas obtenho fotos melhores, mas começo um melhor relacionamento com as pessoas de quem estou tirando fotos, quando na verdade converso com elas.”

Além disso, ao incluir as informações que você aprendeu sobre o assunto nas legendas das fotos – como o nome completo, se houver permissão -, você as descreve como pessoa e não como estereótipo.

tirar foto de fazenda de café

Jean Paul Rwagasana, Presidente Executivo do Centro de Negócios do Café (CBC) em Ruanda, supervisiona as operações da fábrica. Crédito: Evan GilmanRoyal Coffee

Consentimento: Não é Apenas para quem é Fotografado

Não é apenas o fotógrafo que precisa obter o consentimento. Também é importante se você estiver interessado em destacar e usar as fotos de outras pessoas. Evan adverte contra apenas baixar uma foto da Internet, a menos que diga explicitamente que pode ser baixada.

“Torna-se um problema maior hoje em dia [com] quanto tempo todo mundo gasta na internet e quantas mídias diferentes observamos todos os dias. Pode parecer que você pode pegar as coisas de graça e usá-las como quiser, mas a melhor ideia é, se não for declarado que há direitos autorais na imagem, pelo menos verifique as propriedades da imagem e os dados EXIF ​​e veja se alguém possui direitos autorais da imagem e se não há crédito. ”

Ele também afirma que “é realmente importante pelo menos creditar alguém por tirar uma foto e, se não, ser capaz de fornecer algum tipo de compensação por isso”.

produtor da etiópia

Adisu Kidane, membro de um grupo de agricultores perto do distrito de Gedeb, SNNPR, Etiópia. Um ex-membro da Cooperativa Halo Bariti, ele agora é um dos seus agricultores-modelo. Crédito: Evan GilmanRoyal Coffee

Do ponto de vista jurídico, algumas imagens são gratuitas para uso sem crédito – aquelas que possuem uma licença Creative Commons 0, por exemplo. No entanto, se não houver uma licença anexada à foto, você é responsável por obter a permissão, mesmo que queira apenas compartilhá-la novamente nas mídias sociais. Observe também que a permissão apenas do indivíduo não é suficiente. O fotógrafo (ou, se eles venderam os direitos da foto, o proprietário da imagem) também deve dar permissão.

Se você decidir compartilhar novamente uma imagem com base em sua licença, preste muita atenção aos termos. Algumas licenças darão permissão para usar imagens para fins não comerciais ou para reutilização sem alterações (o que excluiria o corte da imagem ou a adição de um filtro/texto).

visitando uma fazenda de café

Visitando a fazenda de Bedhatu Jibicho em Gedeb, Ethiopia. Crédito: Evan GilmanRoyal Coffee

As questões de consentimento e representação são complexas, mas são importantes. É nossa responsabilidade tratar indivíduos (e fotógrafos!) com respeito. E isso é ainda mais verdadeiro quando lucramos com o trabalho árduo deles de alguma forma.

Então, peça permissão. Faça um esforço para garantir que seus fotografados realmente consintam. E tente aprender mais sobre a vida deles, para não os estereotipar.

Gostou? Que tal Entendendo a Extração de Café e o Mito do “Café Forte”

Traduzido por Ana Paula Rosas

Nota: Este artigo foi originalmente patrocinado pela Royal Coffee .

PDG Brasil

Gostaria de ler mais artigos como este? Assine nossa newsletter!