23 de junho de 2020

Blends de Café: Em Defesa da Opção Mais Subestimada no Café

Quando pensamos em um café especial verdadeiramente excepcional, é sempre um de origem única que vem à mente. Muitas vezes, são até aqueles microlotes minúsculos que vêm de um pequeno talhão da fazenda. Quase nunca é um blend.

Mas os blends merecem ser mais do que apenas o primo pobre do grão de uma única origem. Eles também podem representar um excelente café, uma grande habilidade por parte da torrefação e – o mais importante de tudo – uma deliciosa experiência de sabor para o consumidor.

Deixe-me defender os blends especiais. Depois de ler isso, você pode optar por pedir um na próxima vez que estiver em uma cafeteria.

Veja também: Fundamentos de Torra: Um Guia para a Torra de Amostras

blends de café

Crédito: Atomic Coffee Roasters

Por que Blends são Tão Impopulares?

Sabemos que nunca tomaremos o mesmo café duas vezes. Cada região e fazenda tem um café diferente. A diversidade de variedades e métodos de processamento disponíveis significa que dois cafés da mesma região ou até da mesma fazenda podem ter sabores diferentes. Ano após ano, diferentes condições climáticas podem afetar o sabor do café. E depois há o impacto da torra e pequenas alterações nas receitas de preparo

E talvez seja por isso que origens únicas se tornaram sinônimo de excelência. Ao restringir as variáveis ​​a uma fazenda, uma variedade e um método de processamento, esperamos tomar um tipo de café “mais puro”: aquele em que seus sabores e aromas distintos sejam realmente capazes de brilhar.

A barista Renata Martin me diz: “Eu não entendo o porquê, mas há uma lavagem cerebral que leva as pessoas a superestimar origens únicas”.

Por outro lado, o blend se associou à produção em massa, café de baixa qualidade e perfis de xícara “medíocres”. Acreditamos que cafés de baixa qualidade são misturados para reduzir os custos ou ocultar defeitos nos grãos. Quando bebemos blends, assumimos que eles são adequados apenas para café espresso – não para cafés coados, com sua complexidade e clareza.

Talvez você goste de: O Perfil Curva S de torra: Explorando Conceitos Basicos de Torra

Mas nem todos os blends são iguais.

café sendo torrado

Crédito: Bo Smith

Dois Tipos de Blends

Existem dois tipos diferentes de blends. Temos os de baixa qualidade usados ​​para mascarar defeitos, economizar dinheiro e obter um sabor padronizado. E então temos aqueles em que os mestres de torra reuniram sabores diversos para criar uma experiência gustativa ainda melhor. Eles experimentaram diferentes grãos na busca do melhor café possível para nós, consumidores.

Roger Bacoom, da Fazenda Cachoeira, em Sul de Minas, Brasil, é apaixonado pelo potencial dos blends. “Um clássico! Café deve ser explorado. A densidade do grão é o único limite, e isto depende de uma boa torra”, diz ele. “Com um blend você completa os sabores, certo? Junte um natural com um lavado ou despolpado e isto cria características totalmente diferentes. Esse purismo de falar apenas de origens únicas é desnecessário. Temos as ferramentas para fazer o que quisermos com o café, para misturá-lo desde que ele mantenha sua qualidade. O universo do café está aqui para explorarmos diferentes sabores!”

Então, vamos recontar a história dos blends. Eles não merecem ficar em segundo plano quando são uma bebida amplamente consumida com potencial para excelente qualidade.

Como diz Ivan Heyden, Q-Grader e mestre de torra da Academia do Café em Belo Horizonte, Brasil: “A vantagem de trabalhar com blend é uma xícara equilibrada, com certeza. Uma experiência sensorial melhor e completa.”

torrador

Crédito: Yanapi Senaud

Fazer um Blend: Uma Habilidade Complexa

Além disso, os blends representam habilidades complexas por parte da torrefação. Leandro Lee, instrutor e barista do CoffeeLab em São Paulo, Brasil, explica: “Fazer blends é uma ciência que depende muito do conhecimento sobre o material principal: o próprio grão de café e como os diferentes cafés se comportam juntos. Não é uma matemática simples, existem ‘n’ fatores que influenciam a composição.”

Se você tem dois cafés, um com mais notas herbais e outro com doçura da cana-de-açúcar, isso não significa que você pode apenas combiná-los para sincronizar os sabores. Se você deseja capturar todas as notas diferentes e garantir que elas funcionem bem juntas, é necessário entender a química por trás do café – como o tamanho e a estrutura do grão reagirão ao calor, quais sabores são aprimorados em vários pontos da torra ou extraídos em vários pontos do preparo, a solubilidade do grão…

blends de café

Crédito: Roast House Coffee

Então, por que Você Deveria Escolher um Blend?

Beber um blend especial pode ser uma experiência incrível. É a combinação de café excepcional, maestria na torra e muita experiência que leva a uma bebida bem equilibrada, complexa e muitas vezes excepcional.

Então, da próxima vez que você comprar um café, por que não pedir um blend?

Traduzido por Ana Paula Rosas.

PDG Brasil

Gostaria de ler mais artigos como este? Assine nossa newsletter!