30 de abril de 2020

Métodos Eficazes de Experimentação para Profissionais do Café

A curiosidade está entre meus instintos humanos favoritos. Ela impulsiona a inovação, incentiva o pensamento fora da caixa e é estimulada por uma pergunta tão simples que até uma criança de dois anos pode fazer: “Por quê?”

Obviamente, responder ao porquê – seja na vida em geral ou no café em particular – nunca é tão fácil quanto perguntar. Mas precisamos de curiosidade no setor cafeeiro, seja produtor, torrefador, barista ou consumidor. Isso nos estimula a melhorar os métodos de processamento, criar novos métodos de preparo e muito mais. 

Portanto, vamos ver algumas estratégias para perguntas e respostas mais eficazes.

Versão em Espanhol: Efectivos Métodos de Experimentación para Gente de Café

medindo o tds

Um experimento em andamento. Crédito: Socratic Coffee

1. Seja mais Específico

Simplificando, perguntar “por que” não é suficiente. Comece a fazer mais perguntas do tipo “como”, “que parte” e “em que extensão”.

Por exemplo, se você está curioso para saber por que os sabores de café espresso são afetados pelo nível de torra, pergunte: como as mudanças na aplicação de calor durante uma torra afetam a porcentagem de extração? Que parte da torra é mais crítica para a doçura percebida como café espresso?

Ao refinar sua consulta, você terá pegado uma pergunta esotérica e a tornado específica, mensurável e aplicável no mundo real. Essa é a diferença entre a indagação ociosa e a investigação ativa. Fazer a pergunta certa é a chave para agir.

níveis de torra

Colocando a pesquisa na prática. Crédito: Populace Coffee

2. Analise e Minimize Variáveis

Antes de entrar na questão, você precisa separar os detalhes. O que você já sabe? O que você acha que é a resposta, com base na sua experiência? Quais são exatamente as lacunas no seu conhecimento?

Vamos voltar à pergunta acima. Você já deve saber que os primeiros minutos de uma torra estão relacionados principalmente à secagem do café verde. Isso significa que você pode se concentrar nos segmentos posteriores da torra. Supondo que você não seja um graduado do MIT com uma grande compreensão dos princípios termodinâmicos por trás das reações de Maillard, terá que limitar sua pesquisa a quaisquer ferramentas, habilidades de observação e habilidades de relatório disponíveis.

Da mesma forma, se você estiver interessado em descobrir por que o leite de soja coalha em alguns cafés, mas não em outros, faça um balanço do que você já sabe. Você tem amostras de ambos? Você tem anotações sobre a temperatura, resistência à infusão, origem ou nível de torra dos cafés em questão?

Ao fazer um balanço do que você já observou, você pode restringir seu foco e obter melhores resultados no final.

coffee experimentation

Analisando cuidadosamente as variedades. Crédito: CafeologiaCafeolgía

É nesse ponto que você também deseja elaborar seu grupo de controle. Se o seu experimento envolver o efeito da proporção entre café e água na percepção de acidez em um café específico, por exemplo, comece com uma proporção padrão. Você vai querer um padrão bem anotado com o qual possa comparar seus estilos experimentais.

Por fim, concentre sua pesquisa no menor número possível de variáveis. Alterar apenas um ou dois fatores ajudará a eliminar a confusão. Quanto mais variáveis, mais oportunidades de cometer erros ou posicionamentos errados.

Por exemplo, se você estiver interessado em descobrir o efeito do tempo de fermentação em um café lavado, comece com dois lotes e não use variedades de café, pesos de preparo ou prazos diferentes. Deixe tudo no experimento exatamente igual (ou o mais próximo possível), exceto a variável que você está examinando. Você sempre pode repetir o experimento posteriormente com diferentes variáveis.

café coado

Tenha um grupo de controle. Credit: Rusty Bridges

3. Meça, Observe e Repita

A comunidade científica é obcecada com a repetibilidade de experimentos – por um bom motivo. Sem a capacidade de replicar resultados, a pesquisa não beneficia ninguém. A repetibilidade torna as idéias teóricas práticas para o benefício de todos e serve como prova de que as conclusões são válidas.

Com isso em mente, você precisará ser um defensor dos detalhes. Qual é a quantidade exata de café que você está usando? Exatamente qual é a temperatura do café? Ou do meio ambiente? Meça tudo o que você pode pensar… dentro de limitações razoáveis.

Então faça tudo de novo. As condições eram as mesmas? E os resultados? Caso contrário, você encontrou outra pergunta “por que” para começar a investigar.

profissional do café

Que diferenças você está encontrando? Crédito: Matty De Angelis

Veja também: Jen Apodaca: How to Improve Your Roasting Skills

4. Analise, Só Então Avance

O que funcionou, o que não funcionou e por que você acha que o experimento levou a esses resultados? Existem tendências de dados que você pode rastrear? Houve uma resposta definitiva ou apenas algumas sugestões de probabilidade?

Em muitos casos, você deve estar preparado para resultados nebulosos que tendem a suscitar mais perguntas do que respostas. Isso é bom. Isso significa que você está cavando na direção certa. Respostas fáceis raramente são adequadas e podem levar ao excesso de confiança. Novas perguntas guiarão sua pesquisa ainda mais, refinando lentamente seus resultados e fornecendo respostas mais robustas.

testes de café

Experimentando com proporções diferentes de preparo. Crédito: Matty De Angelis

5. Proteja-se contra Parcialidades

Existem poucas ameaças à pesquisa relevante que pesam mais que o viés pessoal. A predisposição para uma determinada resposta pode assumir várias formas – é normal querer confirmar suas suspeitas. Existem até maneiras pelas quais nossas próprias mentes tentarão inconscientemente defender construções pré-existentes. Nem todo viés é intencional.

Há uma maneira fácil de evitar a parcialidade de confirmação: envolva um parceiro de pesquisa. Duas cabeças são melhores que uma. Mantenha suas amostras experimentais e de controle cegas (ou seja, não identificadas e não identificadas) e tenha a mente aberta, sendo razoável com suas expectativas.

Gerenciar suas expectativas é crucial, porque o que funciona para você em seu ambiente e circunstâncias particulares pode não funcionar para todos em todos os lugares. Naturalmente, você também deseja obter uma resposta perfeita para sua pergunta, o que é bastante raro.

Por exemplo, digamos que você chegue à conclusão de que, ao torrar café brasileiro processado a seco, o uso de menos calor durante o primeiro crack produz café mais solúvel do que o calor elevado. As fotos tiradas com a amostra de calor baixo na proporção água / café de 2:1 são sempre mais doces que a amostra de maior calor.

Embora você tenha isolado muitas variáveis ​​(processamento seco, Brasil, calor baixo durante a primeira rachadura, proporção água / café), ainda existem suposições nos seus resultados. Implícitas na sua conclusão estão a marca / modelo do seu maquinário, a temperatura e a umidade do ambiente e até a sua preferência pessoal em termos de estilo de sabor, só para citar alguns.

Discussões e análises de mente aberta, assim como começar com boas perguntas, estimularão o progresso e incentivarão outras pessoas a participar da investigação.

Traduzido por Ana Paula Rosas. 

Nota: Royal Coffee, Inc. é um patrocinador do Perfect Daily Grind.

PDG Brasil

Deseja ler mais artigos como este?  Inscreva-se na nossa newsletter!